'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

A ESTÁTUA de Ronaldo

A principal razão para os directos serem momentos tão especiais de televisão é que, a qualquer momento, pode acontecer algo inesquecível. Foi assim com o golo de bicicleta.
13 de abril de 2018 às 07:00
...
Cristiano Ronaldo

Naquela noite, pouco depois das 21:00, no meio da redacção, mesmo os que olhavam para o computador, como era o meu caso, sentiram de imediato, pelo bruá colectivo, que alguma coisa de especial tinha acontecido. Quando olhei, no televisor em frente, o jogo estava parado, porque os jogadores do Real celebravam um golo.

À minha volta, os telespectadores mais atentos continuavam a emitir sons de espanto. A atenção estava conquistada. Eis que a repetição demonstra o milagre a que, desgraçadamente, como vimos, não assisti em directo: tinha acontecido o golo que constrói a estátua imortal de Cristiano Ronaldo, aquele que, de entre todos os futebolistas que vi jogar, considero o melhor de sempre.

E, sim, tenho idade para ter assistido ao Mundial de Maradona, em 1986. O aplauso operático que se seguiu, como se uma qualquer soprano tivesse finalizado uma área brilhante perante uma plateia rendida, funcionou como um autêntico "bravo" colectivo, que se espalhou pelo planeta, percebeu-se de imediato, através do directo televisivo global.

CR7, sempre tão bélico no festejo dos seus golos, fruto, talvez, do sentimento de injustiça que vem das raízes da vida de pobre, na Madeira, transmutou o rito guerreiro em agradecimento, primeiro com um aperto no coração, e logo depois de mãos postas, em prece, com uma leve vénia em que, também ele, agradeceu a magia com que aquele público culto aplaudiu um génio à sua frente. Por mais anos que passem, jamais esqueceremos aqueles minutos de televisão.

Mais notícias de Grelha da Semana

O melhor apresentador

O melhor apresentador

Fernando Mendes está de pedra e cal na RTP1, com quem renova mais uma vez. Ele é, hoje em dia, verdadeiramente, o espírito do serviço público. Apresenta com ritmo, com graça, com inteligência, e com afeto. Os quatro ingredientes que fazem com que parte da população organize as suas rotinas de maneira a estar em frente ao ecrã da RTP1 todos os dias, às 7 da tarde.
27 segundos

27 segundos

Em suma, os Globos de Ouro da SIC deste ano tinham tudo para ser um grande show. Porém, tiveram também um erro técnico infantil. A certo ponto, o espetáculo parou e durante 27 longos segundos todo o País pôde ver cabos e um técnico a falar ao telemóvel. A partir daí toda a equipa se enervou. É inglório uma estação passar meses a preparar tudo, para tudo se desvanecer em 27 segundos. Serão estes 27 segundos que ficarão na memoria.
Filme de suspense

Filme de suspense

A crise grave que o canal público está a atravessar prejudicou o desempenho nas eleições autárquicas, visto que o canal 1 ficou claramente em último, a grande distância das concorrentes privadas. Está a consolidar-se a ideia de que a RTP já não conta para a liga principal de televisão, o que é injusto sobretudo para o pivô, José Rodrigues dos Santos.
Uma bazuca eleitoral

Uma bazuca eleitoral

O facto verdadeiramente novo e interessante é a divulgação de uma imensidade de propostas, candidatos e discursos muito locais, através da proliferação de vídeos e de transmissões em direto nas redes sociais. Tais vídeos e transmissões em direto têm sempre um impacto limitado, quer porque chegam a pouca gente, quer porque a generalidade dos portugueses gosta de ver as redes sociais, mas não confia nelas, e bem.
Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.
Pela liberdade

Pela liberdade

Diz José Gomes Ferreira: "Não me revejo nesta sociedade em que não há uma censura oficial, mas há uma autocensura promovida pela vigilância mútua das redes sociais. Ou dizes o que a mediana das pessoas dizem ou estás queimado. Não entro nesse jogo. Há mais censura hoje nas redes sociais do que nos anos 30 nos jornais em relação a investigação histórica."

Mais Lidas

+ Lidas