'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Grelha da Semana

Notícia

Alta Velocidade

Eduardo Cabrita pura e simplesmente ignorou a pergunta. Respondeu a tudo, e ignorou esta questão. Nem sequer referiu que não ia responder. Pior: o seu staff, apagadas as câmaras, ainda criticou o jornalista, nos bastidores. Ora isto representa a tal manifestação do grande vírus da atualidade. O momento em que o poder deixa de responder às perguntas do povo, mediadas pelo jornalista, marca a fronteira entre a democracia e a prepotência.
25 de julho de 2021 às 16:54
...
Eduardo Cabrita

O pior vírus da atualidade é o cada vez mais difícil trato dos diversos poderes com a democracia. Hoje quero partilhar com o leitor um conjunto de reflexões que advêm de imagens a que assisti na CMTV, declaração de interesses que deixo logo na abertura do texto por uma questão de transparência, mas com a garantia de que o essencial da reflexão nasce do trabalho feito pelo jornalista em causa, e não por ser da CMTV ou de outra estação qualquer.

Com efeito, na semana passada o jornalista Diogo Carreira fez o seu papel e questionou o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, sobre um tema de interesse público, no decorrer de uma conferência de imprensa daquele governante.

A pergunta era simples e corresponde a uma preocupação geral da comunidade: a que velocidade ia o carro do ministro no acidente da A6, em resultado do qual morreu um operário.

A pergunta surgiu na sequência de outras, e a resposta foi bizarra, a ponto de justificar estas reflexões. O ministro pura e simplesmente ignorou a pergunta. Respondeu a tudo, e ignorou esta questão. Nem sequer referiu que não ia responder. Pior: o seu staff, apagadas as câmaras, ainda criticou o jornalista, nos bastidores.

Ora isto representa a tal manifestação do grande vírus da atualidade. O momento em que o poder deixa de responder às perguntas do povo, mediadas pelo jornalista, marca  a fronteira entre a democracia e a prepotência.

Saiba o leitor descodificar esses momentos como ocasiões relevantes – um ministro que foge às perguntas talvez esteja à beira do colapso político.

INFORMAÇÃO - CHEIAS NA ALEMANHA

...
Cheias na Alemanha Foto: Getty Images

Boas apostas de SIC e TVI em enviados especiais às cheias da Alemanha. A Europa central sofreu um nível de destruição incrível. A associação da TVI à CNN vai reforçar a informação internacional entre nós. P.S. – Fui contactado pela direção da SIC para esclarecer que o tom adversativo com que é interpelado o comentador Júdice é uma estratégia discursiva para aumentar o interesse do programa, e não, como referi na semana passada, qualquer tipo de resistência em relação ao conteúdo de José Miguel Júdice, sempre crítico do tratamento político da pandemia, num tom muito distante do politicamente correto que tem o monopólio do comentário. Fica o esclarecimento aos leitores.

PROGRAMAÇÃO - TROCAM AS VOLTAS À TVI

...
Trocam as voltas à TVI Foto: Twitter/@tvi

Como aqui se previu, dias antes da emissão, redundou num total fracasso a operação em que a TVI ameaçava "trocar a volta aos espectadores". Os apresentadores mudaram de horário por um dia, sem qualquer critério nem anúncio prévio. Ora, como a televisão vive dos laços que se estabelecem entre o público e os apresentadores, e da estabilidade desses laços, todos os horários caíram. Pior foi ter a TVI alargado esse movimento aos jornais, com troca de pivots nos horários principais. A informação não devia deixar-se capturar por interesses extra-editoriais. Isso menoriza o jornalismo da estação.
 

SOBE - MARCO CHAGAS 

...
Trocam as voltas à TVI Foto: Twitter/@tvi

Julho volta a ser muito provavelmente o melhor mês do ano para a RTP2, por causa da Volta à França em bicicleta e de Marco Chagas. O ciclismo ajudar o canal 2 não é novidade. A novidade é que o melhor mês do ano deve ficar em meros 1,3% de share.

SOBE - EMANUEL  

...
Emanuel

Tem sido uma revelação nas tarde de domingo da SIC, como apresentador e grande comunicador. Faz parte das personalidades televisivas que ganharam outra dimensão com a pandemia. Domingão com Emanuel tem sido um sucesso.

DESCE - LUÍS FILIPE VIEIRA

...
Luís Filipe Vieira

Em apenas dez dias caiu um dos três homens mais poderosos do futebol português. Talvez o fim fosse o desfecho inevitável do processo judicial, mas as desastrosas intervenções televisivas do seu advogado não ajudaram em nada.

 

Mais notícias de Grelha da Semana

Chuva de milhões

Chuva de milhões

A criação de uma nova taxa de 2 euros em todos os contratos de fornecimento de televisão por cabo vai criar uma receita adicional de 8,6 milhões de euros, que se destinará na totalidade ao serviço público. Quando uma empresa é deficitária significa que gasta mais que o dinheiro que obtém. Na vida real e entre os privados, sempre que há um défice de operação deste género, a única solução viável é reestruturar o funcionamento. Neste caso, tratando-se de uma empresa do Estado, a solução foi encontrar novas vias de financiamento.
O melhor apresentador

O melhor apresentador

Fernando Mendes está de pedra e cal na RTP1, com quem renova mais uma vez. Ele é, hoje em dia, verdadeiramente, o espírito do serviço público. Apresenta com ritmo, com graça, com inteligência, e com afeto. Os quatro ingredientes que fazem com que parte da população organize as suas rotinas de maneira a estar em frente ao ecrã da RTP1 todos os dias, às 7 da tarde.
27 segundos

27 segundos

Em suma, os Globos de Ouro da SIC deste ano tinham tudo para ser um grande show. Porém, tiveram também um erro técnico infantil. A certo ponto, o espetáculo parou e durante 27 longos segundos todo o País pôde ver cabos e um técnico a falar ao telemóvel. A partir daí toda a equipa se enervou. É inglório uma estação passar meses a preparar tudo, para tudo se desvanecer em 27 segundos. Serão estes 27 segundos que ficarão na memoria.
Filme de suspense

Filme de suspense

A crise grave que o canal público está a atravessar prejudicou o desempenho nas eleições autárquicas, visto que o canal 1 ficou claramente em último, a grande distância das concorrentes privadas. Está a consolidar-se a ideia de que a RTP já não conta para a liga principal de televisão, o que é injusto sobretudo para o pivô, José Rodrigues dos Santos.
Uma bazuca eleitoral

Uma bazuca eleitoral

O facto verdadeiramente novo e interessante é a divulgação de uma imensidade de propostas, candidatos e discursos muito locais, através da proliferação de vídeos e de transmissões em direto nas redes sociais. Tais vídeos e transmissões em direto têm sempre um impacto limitado, quer porque chegam a pouca gente, quer porque a generalidade dos portugueses gosta de ver as redes sociais, mas não confia nelas, e bem.
Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.

Mais Lidas

+ Lidas