'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

Cristina e o 'chef' a dividir

A SIC recuperou a liderança, a TVI afundou-se e a RTP estabilizou em 2019. Mas. no final, foi o furacão Ljubomir Stanisic que acabou por se impor como um dos protagonistas.
27 de dezembro de 2019 às 21:25
...
Ljubomir Stanisic e Cristina Ferreira estão em braço de ferro pelo regresso do chef ao 'Pesadelo na Cozinha'
É quase injusto para Cristina Ferreira que o prémio de figura do ano na programação e no entretenimento tenha de ser dividido com outra personalidade, mas esta não seria uma análise objetiva se não reconhecesse ao chef Ljubomir Stanisic o direito a partilhar esta distinção com a senhora das manhãs da SIC.

Se Cristina Ferreira entrou de rompante em 2019, com a vitória incontestável desde que se estreou, logo em janeiro, Ljubomir chega ao fim do ano a marcar a agenda e a deixar uma promessa à TVI de que na vida tudo muda, o que sobe pode baixar, o que cai acabará por reviver, mais tarde ou mais cedo. E assim, se Cristina faz audiências ao longo de todo o ano e acaba por ser o ponto de apoio que leva a SIC à liderança ao fim de mais de década e meia atrás da concorrência, Ljubomir fecha 2019 com uma herança virtuosa, a recuperar os domingos para a TVI e a prometer talento, trabalho e humildade, os três ingredientes que fazem o sucesso de qualquer projeto.

Destas duas estrelas se faz o principal da memória de um ano que assistiu ao drama de um ator que quase morreu à procura do corpo perfeito, Ângelo Rodrigues, em que a ficção da SIC chegou à liderança e consagrou Carolina Loureiro como nova coqueluche das novelas, em que a RTP encontrou um rumo para a programação, um ano, finalmente, com formatos criativos de grande qualidade, como A Árvore dos Desejos e Esta Mensagem..., não por coincidência ambos na SIC. Os talent shows do canal 1 aguentaram-se, os reality shows também, mas em 2020 tudo indica que voltará o Big Brother, veremos se para mudar tudo outra vez, como há 20 anos.

1. Fragoso na informação

A solução veio do interior da empresa, o que é sensato. José Fragoso tem cada vez mais poder na RTP e reforça o papel de "presidente-sombra", que já lhe apontámos. Pacificar a equipa e colocar o jornalismo acima de tudo - eis as tarefas mais urgentes, após a tormenta que representou o período de Flor Pedroso.

2. Opinião bizarra

As conversas com Sócrates a articular decisões na ERC já tinham sido um ato ilegítimo e um pecado moral grave. Mas a tese de Arons de Carvalho de que o Sexta às 9 não tem lugar no serviço público é bizarra para um professor da área dos media. Em que modelo de serviço público se baseará para dizer uma coisa assim? Ou falava apenas o político inimigo do jornalismo livre?

3. Futebol reinventado

Eis a mais recente maravilha na galeria imortal de CR7. Ronaldo reinventou o futebol. Revi há dias o famoso jogo de estreia do novo estádio de Alvalade. No final, reza a lenda, o Manchester decidiu contratá-lo. Visto agora, parece impossível o deslumbramento que sentimos naquela noite. Nunca tínhamos visto nada assim, mas na verdade era apenas um esboço ainda pobre do que veio a acontecer. Hoje, olhamos para o futebol já do ponto de vista do que fez Ronaldo, por isso tudo aquilo, no passado, nos parece pouco. Quando acabar CR7, o futebol vai ter um problema.

4. Tragédias no país real

A mudança de paradigma trazida pela CMTV melhorou a televisão portuguesa. Na recente tempestade, todos os canais de informação já saíram à rua e estiveram junto das populações. Ficamos todos a ganhar. É certo que o poder odeia ver o estado em que está o País, a pobreza dos muros e das paredes que caem, das folhas de zinco a fazerem de teto, das estradas sem manutenção. Mas a democracia agradece.

Mais notícias de Grelha da Semana

Chuva de milhões

Chuva de milhões

A criação de uma nova taxa de 2 euros em todos os contratos de fornecimento de televisão por cabo vai criar uma receita adicional de 8,6 milhões de euros, que se destinará na totalidade ao serviço público. Quando uma empresa é deficitária significa que gasta mais que o dinheiro que obtém. Na vida real e entre os privados, sempre que há um défice de operação deste género, a única solução viável é reestruturar o funcionamento. Neste caso, tratando-se de uma empresa do Estado, a solução foi encontrar novas vias de financiamento.
O melhor apresentador

O melhor apresentador

Fernando Mendes está de pedra e cal na RTP1, com quem renova mais uma vez. Ele é, hoje em dia, verdadeiramente, o espírito do serviço público. Apresenta com ritmo, com graça, com inteligência, e com afeto. Os quatro ingredientes que fazem com que parte da população organize as suas rotinas de maneira a estar em frente ao ecrã da RTP1 todos os dias, às 7 da tarde.
27 segundos

27 segundos

Em suma, os Globos de Ouro da SIC deste ano tinham tudo para ser um grande show. Porém, tiveram também um erro técnico infantil. A certo ponto, o espetáculo parou e durante 27 longos segundos todo o País pôde ver cabos e um técnico a falar ao telemóvel. A partir daí toda a equipa se enervou. É inglório uma estação passar meses a preparar tudo, para tudo se desvanecer em 27 segundos. Serão estes 27 segundos que ficarão na memoria.
Filme de suspense

Filme de suspense

A crise grave que o canal público está a atravessar prejudicou o desempenho nas eleições autárquicas, visto que o canal 1 ficou claramente em último, a grande distância das concorrentes privadas. Está a consolidar-se a ideia de que a RTP já não conta para a liga principal de televisão, o que é injusto sobretudo para o pivô, José Rodrigues dos Santos.
Uma bazuca eleitoral

Uma bazuca eleitoral

O facto verdadeiramente novo e interessante é a divulgação de uma imensidade de propostas, candidatos e discursos muito locais, através da proliferação de vídeos e de transmissões em direto nas redes sociais. Tais vídeos e transmissões em direto têm sempre um impacto limitado, quer porque chegam a pouca gente, quer porque a generalidade dos portugueses gosta de ver as redes sociais, mas não confia nelas, e bem.
Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.

Mais Lidas

+ Lidas