'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Grelha da Semana

Notícia

O passageiro

Eduardo Cabrita acaba por sair do cargo com a imagem de uma certa desumanidade, que surpreende todos os que o conhecem bem. A forma fria como falou da morte de um trabalhador, em consequência de um acidente com o automóvel em que se deslocava, marcou, desde o primeiro momento, o seu destino.
10 de dezembro de 2021 às 15:11
...
Eduardo Cabrita

À saída da tomada de posse da sua sucessora à frente da Administração Interna, Eduardo Cabrita foi interpelado por um jornalista sobre o futuro. "É o fim da sua carreira política?" A pergunta, legítima e oportuna, causou, porém, um certo espanto ao espectador, visto que uma eventual sobrevivência do antigo ministro nalguma espécie de carreira pública parecia, naquele momento, uma impossibilidade absoluta. Cabrita foi perdendo aos poucos, frente às câmaras da televisão, todo o capital político de que dispunha. Mas o que faz deste caso uma história absolutamente espantosa é que o ministro foi, também, perdendo todo o seu capital humano.

Acaba por sair do cargo com a imagem de uma certa desumanidade, que surpreende todos os que o conhecem bem. A forma fria como falou da morte de um trabalhador, em consequência de um acidente com o automóvel em que se deslocava, marcou, desde o primeiro momento, o destino de Cabrita. Não houve uma declaração de pesar, não houve uma palavra de solidariedade humana com a viúva e com os órfãos, não houve qualquer tipo de amparo nem de contrição. E se começou mal, acabou pior. No último dia, o ainda ministro da Administração Interna reagiu de forma bruta e insensível à notícia da acusação ao seu motorista. 
"Eu sou passageiro." Uma frase cruel a todos os títulos, e que ficará para a história da política à portuguesa como exemplo máximo da insensibilidade de Estado. Na comunicação em que apresentou a renúncia, Cabrita referiu-se ao que se passou de uma forma que resume tudo: "A viatura que me transportava foi vítima de um acidente." Transformou-se o causador do acidente na coisa acidentada. 

 

PROGRAMAÇÃO - GALA DE SONHO

...
Gala de sonho

Gala dos Sonhos apresentada pela SIC foi um espetáculo extraordinário. A criação da Associação Sara Carreira tem um objetivo altamente meritório, e o espetáculo televisivo fez jus ao valor da iniciativa. Um cenário deslumbrante, uma realização imaculada, atuações musicais que juntaram de forma surpreendente artistas e temas variados. Uma noite de grande televisão. O resultado, acima dos 35 pontos de share, é hoje em dia uma raridade no horário nobre.

INFORMAÇÃO - DUELO NO CABO

...
Duelo no Cabo

Nos primeiros 13 dias com novo panorama no mercado de informação nacional, o balanço é objetivo e deve ser partilhado com os leitores. A CMTV permanece líder destacada. A SIC Notícias ficou em terceiro lugar por 12 vezes. Só num dos dias conseguiu derrotar o canal CNN, cujo arranque lhe tem garantido a medalha de prata, porém em queda desde que começou, resultado natural do esvaziamento da expectativa. As opções de grelha da SIC Notícias não só foram erradas como persistem demasiado tempo. Na SIC, a gestão de Francisco Pedro Balsemão arrisca relegar a informação do cabo para um lugar secundário, o que será um triste desenlace para um canal que marcou a história da última década do século passado.

 

SOBE - GOUVEIA E MELO

...
O vice-almirante Henrique de Gouveia e Melo Foto: Cofina Media

O vice-almirante começa a ser um ator político de relevância, o que pode causar um sismo de intensidade elevada na vida pública portuguesa. Passou a prova de fogo do registo mais intimista normalmente proporcionado pelo Alta Definição com brilhante desempenho, dignidade e ótimo resultado.

DESCE - JOSÉ FRAGOSO

...
José Fragoso

Claro que a aproximação da RTP à TVI algum mérito seu terá, mas resulta sobretudo dos erros do canal privado. O desempenho do canal 1 ao domingo, dia do The Voice, ou seja, do formato mais forte do canal, é paupérrimo, com 8,8% de share médio diário. Impensável!

DESCE - PEDRO MOURINHO

...
Pedro Mourinho

Jornal das 8 da TVI está em dificuldades crescentes, com vários dias em último lugar entre as generalistas. A subalternização, mesmo gráfica, em relação ao modelo CNN foi um erro crasso, e está claramente a ser rejeitada pelo público tradicional da TVI. Voltaremos a este tema.

Mais notícias de Grelha da Semana

A poesia na TV

A poesia na TV

A Grande Entrevista a Ana Luísa Amaral, um dia depois de morrer, é um hino à poesia, à língua portuguesa e também à televisão, que se reconciliou por uma escassa hora com o tempo pausado da literatura.
RTP1 não vai à bola com elas

RTP1 não vai à bola com elas

O futebol feminino, além de ser um grande espetáculo, está a gerar interesse, fruto da polémica. E o que fez a RTP com um produto tão valioso na mão? A lógica indicaria que alinhava a final no canal 1. Mas a RTP fez precisamente o contrário, relegando o jogo para a RTP2, e assim abdicando de audiências, de visibilidade, e colocando-se, ainda para mais, do lado errado da história.
"Go f…, Putin!"

"Go f…, Putin!"

O que se passou com Pedro Abrunhosa não é um 'fait-divers'. Trata-se de um ataque fortíssimo à liberdade, perpetrado por uma embaixada estrangeira. Não pode, por essa razão, ser ignorado.
A saída para a SIC Notícias

A saída para a SIC Notícias

Só regressando à matriz original de conteúdos, como a política, e reduzindo as entrevistas em estúdio será possível inverter a queda. A SIC Notícias já não é o local preferido da bolha da política. Não é o canal que cobre o País. Não dá as notícias primeiro.
A defesa de Juca

A defesa de Juca

Júlio Magalhães deveria ter impedido ou enquadrado as emissões – caso não pudesse, teria de sair, até porque as emissões em julgamento prolongaram-se por várias semanas. Esta via de defesa é, por isso mesmo, insustentável para Juca.

Mais Lidas

+ Lidas