'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Grelha da Semana

Notícia

Pela liberdade

Diz José Gomes Ferreira: "Não me revejo nesta sociedade em que não há uma censura oficial, mas há uma autocensura promovida pela vigilância mútua das redes sociais. Ou dizes o que a mediana das pessoas dizem ou estás queimado. Não entro nesse jogo. Há mais censura hoje nas redes sociais do que nos anos 30 nos jornais em relação a investigação histórica."
10 de setembro de 2021 às 16:02
...
José Gomes Ferreira

Depois de aqui ter alertado José Gomes Ferreira (JGF) para o risco de opinar em matérias em que os espectadores não lhe reconhecem autoridade, como nas questões históricas e aquecimento global, recebi, com pedido de publicação, um detalhado esclarecimento do próprio, jornalista e diretor adjunto da SIC, de enorme qualidade e reconhecidos méritos, além de especialista em questões económicas.

Em síntese, JGF esclarece que escreveu "um livro de opinião sobre factos históricos não explicados". E acrescenta: "Os historiadores são intocáveis? Não se pode criticá-los? Não sabia. Se não pode, isso é novo na minha conceção de liberdade de imprensa. O país e as leis fundamentais mudaram sem eu saber?" A reflexão é longa e detalhada, e procuro ser fiel ao sentido global. Diz JGF: "Não me revejo nesta sociedade em que não há uma censura oficial, mas há uma autocensura promovida pela vigilância mútua das redes sociais. Ou dizes o que a mediana das pessoas dizem ou estás queimado. Não entro nesse jogo. Há mais censura hoje nas redes sociais do que nos anos 30 nos jornais em relação a investigação histórica. Na altura exploravam-se as mais variadas teses. Agora pelos vistos é proibido."

Acompanho as preocupações de JGF sobre a liberdade e o policiamento das verdades oficiais nas redes sociais. Ele põe o dedo em muitas feridas. As respostas do próprio às polémicas que o têm envolvido são importantes para o leitor, por isso optei esta semana por partilhar a sua defesa. Veremos como evolui a reação do público a uma polémica que envolve o canal generalista líder na informação.

 

INFORMAÇÃO - É A POLÍTICA...

...
É a política... Foto: SIC

O calendário assim o ordena – a parte final do verão está cheia de política nas televisões por causa das eleições autárquicas. Duas notas: em primeiro lugar sobre o congresso do PS. Os partidos insistem num formato que só afasta os portugueses, como se vê pelas audiências dos canais que apostam em maratonas de discursos políticos. Tarde ou cedo terá de acabar este tipo de reuniões partidárias. Depois, houve debates – os da RTP ficam para nota à parte. A SIC juntou todos os candidatos de Lisboa e Porto, em dupla sessão de cacofonia e barulho muito pouco esclarecedor.

 

PROGRAMAÇÃO - E QUEREM MAIS DINHEIRO?

...
E querem mais dinheiro? Foto: RTP


É cada vez mais insustentável a situação da RTP. Os resultados do canal 1 são incomportáveis para quem defende um serviço público credível. Em agosto, a estação ficou abaixo dos 10% de share. Bizarro é o facto de ser precisamente agora que diversas vozes defendem o aumento do que cada português paga na conta da luz para sustentar a RTP – tema ainda mais sensível num período de eletricidade cada vez mais cara. Com esta situação de crise, é difícil entender o que está a fazer a empresa para dar a volta. Ou será que, no fundo, no fundo, a estação pública já desistiu do público?

 

SOBE - GOUCHA

...
Goucha Foto: Instagram


O Conta-me desta semana ganhou no seu horário, parte em cima de um Alta Definição muito exposto, como se verá a seguir. Sempre achei um erro a TVI não aproveitar a exposição do diretor da SIC para tentar derrotá-lo no confronto direto. Seria um poderoso golpe psicológico e de marketing.

 

DESCE - DANIEL OLIVEIRA

...
Daniel Oliveira

O Alta Definição com o político Paulo Rangel teve a pior audiência do ano, e uma das piores de que me recordo. Querer fazer do formato de entretenimento ligeiro sala de visitas de políticos em pré-campanha é dar um passo maior que a perna, e péssimo sinal para o futuro do programa.

 

DESCE - ANTÓNIO JOSÉ TEIXEIRA

...
António José Teixeira Foto: RTP

A sequência de debates autárquicos na RTP3 tem sido uma experiência clandestina. Sem empenho da estação, sem exposição no canal 1, nem promoção que se veja, raras foras as emissões acima de 1% de share. Mais um desastre estratégico para a RTP, que assim perde audiência, estatuto e influência.

Mais notícias de Grelha da Semana

Má ideia

Má ideia

O domingo à noite é o horário tipicamente familiar. Os formatos programados para este horário procuram fazer o arco das idades e dos géneros, para agradar a novos e velhos, homens e mulheres, público citadino e rural. Ora, é precisamente no horário mais transversal da televisão que a TVI faz a escolha disruptiva de colocar dois homens lado a lado? Não se entende.
Pela liberdade

Pela liberdade

Diz José Gomes Ferreira: "Não me revejo nesta sociedade em que não há uma censura oficial, mas há uma autocensura promovida pela vigilância mútua das redes sociais. Ou dizes o que a mediana das pessoas dizem ou estás queimado. Não entro nesse jogo. Há mais censura hoje nas redes sociais do que nos anos 30 nos jornais em relação a investigação histórica."
"Assassinos"

"Assassinos"

É interessante observar como subsistem entre nós cidadãos que continuam a defender que a Covid é inofensiva e que as vacinas são um embuste, quando todas as evidências demonstram que a doença mata aos milhares, que as vacinas salvaram vidas em série e que a medicina operou uma espécie de milagre científico. A liberdade de cada um de nós dizer e pensar o que quiser é um valor central do Ocidente. Porém, é sempre espantoso como há quem sucumba ao disparate, mesmo quando os erros são visíveis para todos.
SIC já ganhou o ano

SIC já ganhou o ano

É curioso verificar que a queda de prestígio e de valor da apresentadora e acionista não a retiram do centro do jogo. Os novos donos da TVI já terão percebido que com Cristina aos comandos não vão lá. Mas ela foi deixada transformar-se em acionista, pelo que o problema é de difícil resolução, e em qualquer caso com um enorme potencial desestabilizador. A forma como a TVI resolver o problema Cristina Ferreira vai determinar o futuro.
RTP. Mais dinheiro para quê?

RTP. Mais dinheiro para quê?

Vejamos: é preciso mais dinheiro, dizem. Para quê? Não é explicado. O serviço da RTP é tão bom que deve crescer? Falso. Olhando para o serviço público inexistente no canal 1, para as audiências residuais da RTP2, para a irrelevância da RTP3, fazendo o balanço de tudo isto, diria que a empresa até devia devolver dinheiro.
Alta Velocidade

Alta Velocidade

Eduardo Cabrita pura e simplesmente ignorou a pergunta. Respondeu a tudo, e ignorou esta questão. Nem sequer referiu que não ia responder. Pior: o seu staff, apagadas as câmaras, ainda criticou o jornalista, nos bastidores. Ora isto representa a tal manifestação do grande vírus da atualidade. O momento em que o poder deixa de responder às perguntas do povo, mediadas pelo jornalista, marca a fronteira entre a democracia e a prepotência.

Mais Lidas

+ Lidas