'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Grelha da Semana

Notícia

Um homem simples

Parecia uma simples celebração da vitória eleitoral, mas na verdade era alta política. O presidente Macron, no último mandato, quer construir o mito de homem simples, do povo, decidido a unir a França e os franceses.
28 de abril de 2022 às 14:33
...
Marine Le Pen, Emmanuel Macron

Toda a encenação do triunfo nas eleições francesas foi preparada ao pormenor. As imagens do percurso até ao palco foram recolhidas pelos serviços da candidatura e entregues às televisões – que fizeram questão de o assinalar no ecrã, para se demarcarem da construção do mito através deste espetáculo televisivo. A mensagem pretendida é a transformação do presidente reeleito num homem comum, capaz de agregar ao seu redor o multifacetado povo francês. Macron e a mulher de mãos dadas, com uma multidão atrás, jovens de idades diversas, fizeram a passo o caminho até ao palco, com a torre Eiffel em fundo – escolhida por ser um símbolo universal. Simples, sem pompa, tudo certamente pensado ao milímetro – como o som dos passos em cima da gravilha demonstra, ao ecoar lado a lado com o hino da Alegria, ou da Europa.

No palco circular, rodeado de gente por todo o lado, a torre passou a alternar no cenário com a bandeira francesa a enquadrar o rosto de Macron, filmado de baixo para cima, ao nível de todos nós, mortais. Parecia uma simples celebração da vitória eleitoral, mas na verdade era alta política. O presidente Macron, no último mandato, quer construir o mito de homem simples, do povo, decidido a unir a França e os franceses. Se tiver sucesso, poderá endossar o carisma a alguém que consiga voltar a travar Le Pen, nas próximas eleições.

PROGRAMAÇÃO - IMPASSE

...
Impasse

Um cenário de empate total é o que se prefigura entre a SIC e a TVI. A primeira novela da noite é da TVI? A segunda é da SIC. As tarde de Goucha ganham vantagem? Hêrnani Carvalho, na SIC, recupera a força que já teve. A TVI tem o melhor formato de entretenimento, o 'Big Brother', mas desgasta-o por excesso de uso? A SIC tem dois mais fracos, 'Ídolos' e 'Casados', mas trabalha-os e defende-os melhor. Neste cenário, a vantagem da SIC, a subsistir, continuará a vir da informação, quer às 13h quer sobretudo às 20 horas. O impasse está a instalar-se no mercado.

INFORMAÇÃO - INFORMAÇÃO

...
Informação Foto: getty images

A guerra na Ucrânia é infame e será um peso para a Rússia durante gerações, como o foi a Segunda Guerra para a Alemanha. O conflito trouxe inúmeras lições para o mundo – militares, geoestratégicas e políticas. Neste espaço, cabe realçar a relação de Zelensky com a televisão, e como ele ergueu a resistência de um povo e conseguiu influenciar o julgamento do mundo. A conferência de imprensa no átrio de uma estação de metro, com carruagens a passar, metro que albergou civis durante os bombardeamentos, é um marco na comunicação política em tempo de guerra.

SOBE - SÉRGIO CONCEIÇÃO

...
Sérgio Conceição

A meia-final da Taça foi o programa mais visto da semana e deu tal vantagem à TVI que reabriu a luta com a SIC pela vitória no mês. A imagem da Taça é o treinador do Porto, prestes a consagrar-se como um vencedor consensual entre nós.

DESCE - PAULA SANTOS

...
Paula Santos Foto: Pedro Catarino/Cofina

No final do discurso de Zelensky no Parlamento, coube a esta jovem líder comunista acentuar a tendência suicida do PCP, um partido que fez parte da nossa História ligado à Rússia e que definha por causa da Ucrânia. O PCP acabou naqueles minutos em que falou Paula Santos.

DESCE - JERÓNIMO DE SOUSA 

...
Jerónimo de Sousa

Não contente com o triste espetáculo dado pela jovem líder parlamentar, poucos dias depois, em Beja, o experimentadíssimo secretário-geral do PCP balbuciou umas enormidades sobre o que se passa na Ucrânia. Uma declaração engasgada que entra para a História ao lado do "é só fazer as contas" de Guterres.

Mais notícias de Grelha da Semana

A cantiga é uma arma

A cantiga é uma arma

A cantiga é uma arma, diz-se com razão em Portugal, num princípio fundador da música de intervenção. A politização do Eurofestival foi sempre um fator que relativizou a sua importância. Mas o mundo mudou, e as causas irrelevantes do sociedade de consumo foram trocadas pela necessidade real, bruta e imperiosa de defender a paz e a resistência ucraniana contra o invasor russo.
Um título à BTV

Um título à BTV

O sistema muito particular que existe no futebol em Portugal, em que um clube transmite os jogos no seu próprio canal, foi posto à prova de uma forma que até parece de encomenda. Só um lunático imaginaria que o Benfica iria transmitir na sua televisão os festejos do principal adversário em pleno estádio da Luz. Aconteceu o absurdo – uma equipa festejava o 30º título de campeã, mas a realização mostrava os jogadores da equipa derrotada que termina o campeonato no terceiro lugar.
Marta Louro

Marta Louro

A Marta Louro cresceu numa família que lhe passou os valores do trabalho, da coragem e do sacrifício em prol de um bem maior. Partilhava conhecimentos com colegas da sua geração, incentivava-os, num sinal do bom caráter que era o seu. Ajudava de forma altruísta quem a procurava.
Um homem simples

Um homem simples

Parecia uma simples celebração da vitória eleitoral, mas na verdade era alta política. O presidente Macron, no último mandato, quer construir o mito de homem simples, do povo, decidido a unir a França e os franceses.
A monocultura de grelha

A monocultura de grelha

Repetir fórmulas de sucesso à exaustão é uma velha tentação de qualquer programador. É normal que assim seja. A dificuldade é sempre perceber em que momento se deve parar.
'Ídolos' sem açúcar

'Ídolos' sem açúcar

A versão estreada esta semana pela SIC é uma espécie de 'Ídolos' light, sem açúcar. Confundindo entretenimento com exigências politicamente corretas, os responsáveis pelo programa, ou a estação, decidiram cortar a parte mais interessante e suculenta, e criaram um divertimento insípido, inodoro e incolor, destinado provavelmente a perder.

Mais Lidas

+ Lidas