'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Grelha da Semana

Notícia

Uma tarde nas corridas

O espectador casual, que não acompanha a Fórmula 1, ficou surpreendido com a qualidade televisiva das transmissões. Há grandes planos de beleza extrema e pormenores que reforçam a emoção global, vemos as equipas a torcerem, ouvimos as comunicações. Claro que decidir a época toda na última volta ajuda, mas o espetáculo foi arrasador.
17 de dezembro de 2021 às 15:20
...
Max Verstappen Foto: Reuters

Trata-se de um espetáculo que perdeu o interesse televisivo há anos. Em Portugal, antes de ser relegado para os canais de desporto mais minoritários, chegou a ocupar a hora de almoço da RTP1, sobrepondo-se, quando havia provas, ao próprio 'Jornal da Tarde', que saía do seu horário para dar lugar às corridas.

Era o tempo em que os carros de formato estranho representavam glamour, tecnologia e modernidade. Uma era em que as corridas eram conhecidas como "o grande circo" - o "grande circo da Fórmula 1", dizia-se no jornalismo desportivo. Um conjunto nefasto de circunstâncias fez encolher este circo até quase à insignificância: por um lado, o fim das estrelas globais, como Prost, Senna ou Schumacher.

Depois, a erosão da competitividade, a inexistência de duelos que extravasassem as fronteiras da modalidade, o envelhecimento do conceito, até pela antiga associação a fenómenos como o tabaco, por exemplo. A Fórmula 1 parecia caminhar para a morte.

Eis senão quando aparece uma palpitante corrida do título, no fim de semana passado, entre um britânico chamado Lewis Hamilton e um jovem holandês, de seu nome Max Verstappen. O espectador casual, que não acompanha a modalidade, ficou surpreendido com a qualidade televisiva das transmissões. Há grandes planos de beleza extrema e pormenores que reforçam a emoção global, vemos as equipas a torcerem, ouvimos as comunicações (algo vetado ao adepto do futebol, por exemplo). Claro que decidir a época toda na última volta ajuda, mas o espetáculo foi arrasador. Televisivamente, a Fórmula 1 é, hoje em dia, o desporto mais bem trabalhado de todos. Se encontrar estrelas globais e proporcionar duelos emocionantes, os grandes espetáculos televisivos farão o resto.

 

PROGRAMAÇÃO - DIANA CHAVES  

...
Diana Chaves

É uma apresentadora improvável dos programas diários de entretenimento ligeiro. Ganhou o lugar por causa do aperto em que a SIC se viu, certo fim de semana, com a saída súbita de Cristina Ferreira. Como o sucesso resulta sempre da conjugação do talento com a oportunidade, agarrou-se à sorte e lidera as manhãs há meses, com João Baião. A herança que deixará, mais tarde ou mais cedo, a Fátima Lopes, será pesada. Agora vai voltar a ser responsável pela aposta de domingo à noite, o 'Casados à Primeira Vista'. Diana Chaves é uma estrela em ascensão no universo SIC.

 

INFORMAÇÃO - ENTREVISTAS

...
Entrevistas Foto: Ivo Rainho Pereira e Liliana Pereira

Louvável o esforço feito pela RTP com as entrevistas de Vítor Gonçalves aos líderes partidários, em período ainda de pré-campanha. Vítor Gonçalves é, de longe, o melhor entrevistador dos 3 canais generalistas, pelo que todas as emissões têm sido altamente informativas e úteis para o cidadão-eleitor. Tantas vezes criticada, desta vez é merecedora de elogio a direção de informação do canal.

SOBE - DANIEL OLIVEIRA

...
Daniel Oliveira

Iniciemos o balanço do ano. Nos programadores, o vencedor é, novamente, o líder da SIC, que consegue fechar o ano sem que tenha havido o mínimo sinal da concorrência de que poderia disputar a liderança. Foi o ano da consagração de Daniel Oliveira.

 

MANTÉM - HUGO ANDRADE

...
Hugo Andrade

Se a SIC teve um ano em grande, a transição na TVI para Hugo Andrade fez-se sem sobressalto. Chegou a dar sinais de que poderia dar a volta. Mas os bloqueios da cadeia de decisão da empresa, num primeiro momento, e o autofágico empenho da TVI no cabo, na parte final do ano, retiram-lhe qualquer hipótese de brilhar.

 

DESCE - JOSÉ FRAGOSO

...
José Fragoso

O ano dos diretores de programas tem um derrotado claro. A RTP1 vive uma encruzilhada difícil de resolver, sem conceito, sem objetivos e sem amor-próprio. Domingo passado voltou a fazer 9% de share. E o pior é que a empresa parece paralisada e sem uma ideia para o futuro. Para a semana, faremos o balanço dos diretores de informação.

Mais notícias de Grelha da Semana

A poesia na TV

A poesia na TV

A Grande Entrevista a Ana Luísa Amaral, um dia depois de morrer, é um hino à poesia, à língua portuguesa e também à televisão, que se reconciliou por uma escassa hora com o tempo pausado da literatura.
RTP1 não vai à bola com elas

RTP1 não vai à bola com elas

O futebol feminino, além de ser um grande espetáculo, está a gerar interesse, fruto da polémica. E o que fez a RTP com um produto tão valioso na mão? A lógica indicaria que alinhava a final no canal 1. Mas a RTP fez precisamente o contrário, relegando o jogo para a RTP2, e assim abdicando de audiências, de visibilidade, e colocando-se, ainda para mais, do lado errado da história.
"Go f…, Putin!"

"Go f…, Putin!"

O que se passou com Pedro Abrunhosa não é um 'fait-divers'. Trata-se de um ataque fortíssimo à liberdade, perpetrado por uma embaixada estrangeira. Não pode, por essa razão, ser ignorado.
A saída para a SIC Notícias

A saída para a SIC Notícias

Só regressando à matriz original de conteúdos, como a política, e reduzindo as entrevistas em estúdio será possível inverter a queda. A SIC Notícias já não é o local preferido da bolha da política. Não é o canal que cobre o País. Não dá as notícias primeiro.
A defesa de Juca

A defesa de Juca

Júlio Magalhães deveria ter impedido ou enquadrado as emissões – caso não pudesse, teria de sair, até porque as emissões em julgamento prolongaram-se por várias semanas. Esta via de defesa é, por isso mesmo, insustentável para Juca.

Mais Lidas

+ Lidas