'

Notícia

Teresa Leonardo explica como lidar com a frigidez

A sexóloga aborda uma temática sempre polémica para as mulheres.
23 de março de 2017 às 07:00
A carregar o vídeo ...

Mais notícias de Piquete de polícia

Espancamentos noturnos

Espancamentos noturnos

O que surpreendeu o País foi o brutal espancamento ocorrido numa discoteca no Algarve, onde um segurança, credenciado por uma empresa de segurança privada, de forma brutal e desproporcionada flagelou um indivíduo que pacificamente falava com ele. As imagens são arrepiantes.
Isto é só uma opinião

Isto é só uma opinião

Então o homem é um ativista a lutar contra a discriminação, e nem sabe a realidade do seu país? Ninguém lhe disse que é no meio em que a Maria se move, para usar as palavras dele, uma mulher de 50 anos de Valongo, como tantas outras Marias e Manuéis da classe média do Norte do País, que o respeito pela autodeterminação dos filhos mais está presente? Que é na classe alta do Sul do País que mais nos preocupa o suicídio de adolescentes incapazes de assumir a orientação sexual?
Porque é que o Agricultor ganha?

Porque é que o Agricultor ganha?

Se a TVI tem razões para sorrir com os resultados dos últimos tempos, o mesmo não se pode dizer com o suprassumo do "nunca falha" da estação: o reality show Big Brother. O que se passa com o formato nesta edição? O que faz com que perca para o "mais do mesmo" Quem Quer Namorar com o Agricultor? A resposta é fácil de encontrar para quem, no último domingo, tenha estado em frente ao televisor "zappando" entre SIC e TVI ao longo do serão.
O melhor apresentador

O melhor apresentador

Fernando Mendes está de pedra e cal na RTP1, com quem renova mais uma vez. Ele é, hoje em dia, verdadeiramente, o espírito do serviço público. Apresenta com ritmo, com graça, com inteligência, e com afeto. Os quatro ingredientes que fazem com que parte da população organize as suas rotinas de maneira a estar em frente ao ecrã da RTP1 todos os dias, às 7 da tarde.
Grato aos concorrentes

Grato aos concorrentes

Cada um tenta fazer valer a sua imagem, chegar mais alto na sua voz utilizando, para isso, aquilo que sabem ser tão conveniente, as causas. É evidente que sentados no nosso sofá percebemos, de imediato, que cada um está preocupado consigo mesmo. Não há nada de sororidade nem de preocupação com os motivos gay, ou LGBTQI+. Quem ainda se tivesse iludido, perdeu a ilusão logo de seguida, cinco minutos mais à frente, quando ouve os mesmos ativistas a expressarem-se em relação a outros concorrentes da maneira exatamente oposta.

Mais Lidas

+ Lidas