'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

25 de Abril e o crime

Como vem sendo hábito, nenhum dos partidos políticos se preocupou com os comportamentos desviantes ou criminosos que atravessam a sociedade portuguesa.
01 de maio de 2022 às 06:00
...
25 de abril, salgueiro maia

Comemorou-se mais uma efeméride do 25 de Abril – este ano com maior alegria e sem máscara – e os partidos políticos fizeram o balanço dos 48 anos de democracia, relevando aquilo que houve de bom e aquilo que, no entender de cada um, foi perda de tempo e desastre financeiro e social. Porém, como vem sendo hábito, nenhum deles se preocupou com os comportamentos desviantes ou criminosos que atravessam a sociedade portuguesa.

Na verdade, somos um dos países da Europa mais seguros. Com menor atividade criminosa e, com exceção do álcool, sem sinais significativos de tormenta no que respeita a comportamentos de desvio.

Porém, se olhar mais de perto esta evidência, percebe-se, numa leitura de longo prazo, que esta insignificância estatística não é resultado de políticas de segurança ativas e consequentes, sendo apenas um indicador do nosso estado de desenvolvimento. Ou de subdesenvolvimento.

Sutherland, um sociólogo que marcou a criminologia, homem da célebre Escola de Chicago, após estudos comparativos entre países, chegou à seguinte conclusão: o nível médio de criminalidade de cada País é semelhante para todos aqueles que se encontram no mesmo estado  de desenvolvimento e que aumenta conforme as sociedades enriquecem, continuando a corresponder a outras médias em relação a Estados em situação semelhante.

Isto é, a atividade criminosa é um precioso indicador dos níveis de desenvolvimento, sendo de menor importância social e política naqueles que estão mais atrasados. Projetando este princípio para Portugal, conclui-se que o nosso subdesenvolvimento, o nosso atraso no que respeita à complexidade económica e social, é a condição primeira para que a atividade criminosa seja irrelevante, fazendo parte da mesma magreza de indicadores que avaliam a produção de riqueza, os salários, o rendimento per capita, o grau de escolaridade e todos os outros que nos colocam na cauda da Europa. Este é o paradoxo das sociedades contemporâneas. Quanto mais riqueza, mais crescerá o crime. Na verdade, a nossa Liberdade é a dos pobrezinhos. E não há sinal à vista de que seja de outra forma.

Mais notícias de Piquete de Polícia

Verão quente

Verão quente

Desconfiei sempre do tão celebrado milagre. Na verdade, nem a ministra da Saúde, nem a responsável da DGS embarcaram nessa euforia irresponsável. Para não entrarem no autoelogio, elas que protagonizavam a grande vitória milagreira, alguma coisa de grave se escondia por detrás dessa alegria infantil que nos abria as portas das praias.
Amnésias

Amnésias

Ainda não havia televisores por todo o País. O meu pai escutava uma qualquer estação de rádio clandestina e a minha mãe rezava. Recordo-me que, certa noite, quiseram apaziguar a minha inquietação de puto e pela primeira vez soube que havia um país chamado Cuba. No ar pairava a iminência da guerra total por causa de uns mísseis nucleares que ali estavam a ser instalados.
25 de Abril e o crime

25 de Abril e o crime

Como vem sendo hábito, nenhum dos partidos políticos se preocupou com os comportamentos desviantes ou criminosos que atravessam a sociedade portuguesa.
Eunice, a grande

Eunice, a grande

O Teatro, desde que se conhece o teatro, é a mais explosiva das interpelações à nossa condição e natureza humana. O palco é um mediador entre as palavras e as ações desenvolvidas pelos atores com a finalidade de nos interpelarem sobre os nossos próprios caminhos existenciais e aqueles que trilhamos coletivamente.
Páscoa em paz

Páscoa em paz

Este é um tempo de encontros, sobretudo, depois de duas celebrações da Pascoa em apertados confinamentos devidos à pandemia. Nada mais prudente do que retirar o pipo desta panela de pressão com cautela.
Picasso em Bucha

Picasso em Bucha

A contextualizar o espetáculo macabro, surgem os edifícios despedaçados pelos bombardeamentos, carros de combates desfeitos durante a refrega, caixas e mobílias abandonadas, dando o sentido de sujidade àquele palco de horror e morte.

Mais Lidas

+ Lidas