'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A Menina Desaparecida

Em França, os pais desesperados até contrataram um bruxo para ajudar na procura. Não merecem censura.
17 de setembro de 2017 às 07:00

Em França, vivem-se momentos de angústia idênticos àqueles que vivemos em Portugal quando desapareceu Maddie, a criança inglesa, no Algarve. Uma criança desaparecida é sempre um momento de perturbação emocional da comunidade, gera inseguranças, voluntarismos piedosos, a necessidade urgente de explicações para tal mistério. Não admira. Em cada desaparecimento reconhecemos a dor e a angústia que se apoderaria de cada um de nós, se tal acontecimento dissesse respeito à nossa família mais próxima.

As notícias fazem crer no pior cenário. Apontam para um presumível pedófilo que terá raptado a miúda, eventualmente abusou dela, desfazendo-se, a seguir, do corpo da inditosa vítima. É verdade que a história pode ser outra mas o caminho traçado pelas autoridades francesas apontam nesse sentido. As buscas pelo cadáver de Maelys continuam. Os pais desesperados até contrataram um bruxo para ajudar na procura. Não merecem censura. A dor e a angústia são tais que todos os meios são considerados benignos. Se nos colocarmos da pele deles, até contratávamos mais do que um feiticeiro. Porém, é o ponto de vista de alguém alucinado pela dor, incapaz de outro gesto que não seja agarrar-se a qualquer ponta da esperança.

Já o mesmo não consigo dizer sobre o bruxo. Vi as suas declarações e os seus exercícios na televisão. Ou é um homem doente ou não é sério. Faz parte do folclore sinistro que se aproveita do mar de sofrimento para alimentar narcisicamente as suas crenças. Acontece sempre, cada vez que um crime misterioso e mediático nos sacode a inquietação. Há sempre um bruxo disponível para o espectáculo negro da crendice e da burla emocional. Dali, não virá solução para o caso. Apenas multiplica a ansiedade.

Por outro lado, não se pode comparar este caso com o de Maddie. Tudo indica que não estamos perante pais desleixados que abandonaram os filhos para ir para uma festa. Quem cometeu o crime aproveitou exactamente a confusão de uma festa, um casamento, para desferir o golpe criminoso. Que as autoridades francesas tenham o talento para desvendar rapidamente este episódio trágico.

Mais notícias de Piquete de polícia

Os combustíveis e o crime

Os combustíveis e o crime

O governo está a lidar com os aumentos dos combustíveis com propaganda simplista e demagógica. Forjada sob uma grande causa que hoje se coloca ao planeta: é necessário descarbonizar para que não haja um colapso ambiental, por isso, o custo dos combustíveis pode impedir o excesso de mobilidade automóvel e, por isso, a menor produção de gases com efeito de estufa. É uma desculpa cobarde. Sendo verdade a afirmação, é necessário criar os contextos para que essa descarbonização seja sustentada.
Espancamentos noturnos

Espancamentos noturnos

O que surpreendeu o País foi o brutal espancamento ocorrido numa discoteca no Algarve, onde um segurança, credenciado por uma empresa de segurança privada, de forma brutal e desproporcionada flagelou um indivíduo que pacificamente falava com ele. As imagens são arrepiantes.
Eleições Perdidas

Eleições Perdidas

Alguém, porventura, escutou os candidatos a estes concelhos propor políticas de segurança e de prevenção que vão além dos limites do seu próprio concelho? Nem um!
Os marginais

Os marginais

Nestas eleições locais, onde estão em causa questões imediatas, de proximidade, de problemas para resolver dentro da comunidade, em cada dois eleitores, um não votou. Isto é, metade do país desinteressou-se, não quis saber, afastou-se de qualquer decisão sobre o futuro da sua freguesia e do seu concelho.
A menina

A menina

A vacina não é obrigatória. Não existe lei que possa punir quem se recusar a tomá-la. É uma decisão que se encontra na esfera individual de cada um. Os pais podem decidir, se for caso disso, estimular os filhos a querem ser vacinados. Ou não. Porém, neste caso surge outro imbróglio. Será que a decisão da menor em não ser vacinada está de acordo com a ideia que se inscreve no ‘superior interesse da criança’?
História banal

História banal

Não é novidade para ninguém que a violência doméstica continua a multiplicar vítimas atrás de vítimas num local onde se prometeu amor, em que se desejou a esperança e o carinho, a ternura e alegria por todos que habitam no mesmo lugar. Infelizmente não é assim. O problema é que continuamos a lidar com a questão sempre da mesma maneira. Quando não se sabe como resolver, entrega-se o caso à polícia e aos tribunais.

Mais Lidas

+ Lidas