'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A solidão

Foi notícia esta semana. Um homem que tinha desaparecido há duas semanas foi encontrado morto em sua casa e em elevado estado de decomposição. Não foram familiares, nem vizinhos que deram o alerta. Foi o odor a cadáver, o cheiro da putrefação, o sinal de alerta.
29 de agosto de 2021 às 07:00
...

Foi notícia esta semana. Um homem que tinha desaparecido há duas semanas foi encontrado morto em sua casa e em elevado estado de decomposição. Não foram familiares, nem vizinhos que deram o alerta. Foi o odor a cadáver, o cheiro da putrefação, o sinal de alerta. Esta notícia remeteu-me para uma memória longínqua.

Estava na PJ e fomos chamados a um lugar perto de Sintra de onde exalava um odor fétido. Vivia ali, uma velhota com mais de oitenta anos com seis gatos. Não havia ninguém da família para contactar e decidimos arrombar a porta. O fedor era indescritível e os gatos que, ao abrir a porta, fugiram estavam gordos.

Entrámos no quarto da velhota. O corpo estava sobre a cama com as pernas descaídas para o chão. Devia estar sentada quando morreu. Estava vestida, sinal de que andara pela casa e a tratar de coisas antes da morte. Um enfarte fulminante, como depois soubemos pela autópsia. Apesar de vestida, havia tecidos moles expostos. Acima das meias com ligas nas pernas, as mãos e o rosto. Porém, estava desfigurada. Os gatos haviam comido, devido à fome, a própria dona. Foi uma cena dantesca.

Procurámos números de telefone e encontrámos o de um hotel, num papel assinado pelo mão do filho, para que fosse contactado em caso de necessidade.

Ligámos a dar conta da morte da mãe, pedindo-lhe que regressasse para proceder ao reconhecimento. Respondeu que não. Alugara o apartamento por quinze dias com pensão completa e não ia perder o dinheiro porque a mãe estava morta. Foi preciso esperar quatro dias para que, finalmente, reconhecesse o cadáver da mãe.

Fiz as perguntas de rotina sem conseguir olhar para ele. Cheirava pior do que o cadáver da mãe. Da alma, não do corpo. Um cadáver adiado que se julgava vivo. Tão vazio de sentimentos, tão centrado em si e no seu prazer, que tive receio de o insultar.

A solidão é isto. A ausência de tudo. Até de uma voz. É a morte ser coisa tão indiferente que damos por ela quando começa a cheirar mal. É o esquecimento irrevogável de quem precisa, para se sentir vivo, de um pedaço de afeto e apenas lhe responde o silêncio, antecâmara do silêncio definitivo.

Mais notícias de Piquete de polícia

História banal

História banal

Não é novidade para ninguém que a violência doméstica continua a multiplicar vítimas atrás de vítimas num local onde se prometeu amor, em que se desejou a esperança e o carinho, a ternura e alegria por todos que habitam no mesmo lugar. Infelizmente não é assim. O problema é que continuamos a lidar com a questão sempre da mesma maneira. Quando não se sabe como resolver, entrega-se o caso à polícia e aos tribunais.
Sexo comercial

Sexo comercial

Foi necessário deixar passar alguns dias, até se conhecer a decisão do juiz de instrução que apreciou o caso. Teve a prudência de esperar por exames forenses e verificação de comunicações telefónicas. E decidiu. Embora se desconheça o processo, é certo, que não aceitou as provas de violação que lhe foram presentes. E aceitou provas de que a jovem procurou extorquir dinheiro ao atleta português sob a ameaça de uma denúncia judicial. Extorsão e sexo quando se aliam tornam-se num instrumento perverso que atinge os dois protagonistas.
A solidão

A solidão

Foi notícia esta semana. Um homem que tinha desaparecido há duas semanas foi encontrado morto em sua casa e em elevado estado de decomposição. Não foram familiares, nem vizinhos que deram o alerta. Foi o odor a cadáver, o cheiro da putrefação, o sinal de alerta.
As mulheres afegãs

As mulheres afegãs

Tendo em conta a antiga governação talibã, as escolas estão vedadas às meninas. A jovem afegã Malala trouxe a público a forma brutal como foi tratada por ter insistido em frequentar a escola. Violada, espancada, brutalizada é o exemplo mais conhecido da crueldade deste regime misógino. As reportagens que as diferentes estações de televisão mostram, emitidas nos últimos dias, revelam o desespero das mulheres, muitas delas aceitando que a morte as espera.
Verão nublado

Verão nublado

Chegou agosto e o tempo da praia. Escrevo como conselho aquilo que é indicado como sendo a prevenção básica: lave as mãos com frequência, procure o distanciamento físico e em locais de muito movimento use sempre a máscara. Quanto ao resto, divirta-se e goze o mar e ar livre. Dezassete meses de confinamento, sem horizontes, enfiados em prisões domiciliárias, foi coisa que nos deu uns pontapés na saúde mental e é necessário regressarmos à vida. Ainda que com muita cautela.
Eles aí estão!

Eles aí estão!

Vivemos junto ao Mediterrâneo, região onde são comuns os incêndios nesta altura do ano. Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia são ciclicamente atingidos por estas tempestades de fogo. É uma visita anual com a qual convivemos há séculos. Porém, não deixa de ser paradoxal que este confronto entre os elementos naturais e os homens, não evolua para níveis mais sofisticados de proteção.

Mais Lidas

+ Lidas