'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A tempestade

A tempestade aproxima-se. É ouvi-los a distribuir culpas. É do Passos, é da guerra, do Luís Filipe Vieira, do Pinto da Costa, do Varandas, é de todos menos de quem governa.
20 de junho de 2022 às 13:08
...
Greve camionistas, crise combustíveis, abastecer, posto de abastecimento, gasolina, gasóleo Foto: Cofina Media

Pressente-se um clima de fim de ciclo nesta euforia incontrolável que cruza os dias, cada vez mais cinzentos, do nosso País. A inflação disparou sem recuo à vista. Os salários, já de si baixos, depreciam. Os combustíveis sobem a preços nunca imaginados, a energia encarece, o cabaz de compras é cada vez mais magro, o setor da Saúde está pelas ruas da amargura, o tão cantado PRR já anda, como se previa, pelas ruas da amargura, a violência doméstica galopa a caminho de anos antigos, a violência de rua acelera e o País, qual Nero perante Roma a arder, canta e dança.

Os discursos políticos já não são mais do que bazófia vazia exortando o povo a acreditar numa utopia com pés de barro, a agenda preenchida com temas laterais, a ciclovia da Almirante Reis, paixões em torno da eutanásia, os golos de Cristiano Ronaldo enquanto é cortada a distribuição de alimentos a dezenas de milhares de famílias sem qualquer recurso, os campos não produzem para compensar os danos da guerra na Ucrânia, a indústria não fornece riqueza para sairmos da cepa torta e o consumo de álcool acelera.

A tempestade aproxima-se. É ouvi-los a distribuir culpas. É do Passos, é da guerra, do Luís Filipe Vieira, do Pinto da Costa, do Varandas, é de todos menos de quem governa. Quando se chega a esta necessidade de atribuir culpas e iludir desculpas estamos à beira de uma mudança qualquer. Os serviços públicos já são um desastre, a escola está pelas ruas da amargura, a Justiça é o labirinto mitológico onde se guarda o Minotauro, as Polícias estão exangues, as Forças Armadas na penúria. E o pior desta tempestade que se aproxima é que não se vê alternativa ou caminho diferente a seguir. Oposições sem qualidade, frustradas e frustrantes, qualquer palavra dada, é palavra desonrada, e são cada vez menos os sonhos, são cada vez mais os delírios.

Esta desorientação coletiva abre as portas ao fingimento de que se cumprem regras, à negociata, à orgia dos trambiqueiros, ao crime e à impunidade. Celebrámos o dia de Camões quando se sabe que mais de metade dos portugueses não lê um livro há anos. Celebramos a Língua e tratamo-la a pontapé. Celebramos com vinho. Bola e causas e já não queremos saber de desafios. Estrebuchamos com doença aguda de indiferença. O que nos vai valer, são os ventiladores que comprámos à China por causa da Covid. Que os Cuidados Intensivos nos salvem!

Mais notícias de Piquete de Polícia

Euforia criminosa

Euforia criminosa

Tenho poucas dúvidas de que o contexto geral no qual se desencadeiam estas ações criminosas, de norte a sul, tem como pano de fundo o confinamento prolongado, a repressão/clausura que nos afastou uns dos outros, por necessidade sanitária, e foi reprimindo a fome social que habita em cada ser humano.
A tempestade

A tempestade

A tempestade aproxima-se. É ouvi-los a distribuir culpas. É do Passos, é da guerra, do Luís Filipe Vieira, do Pinto da Costa, do Varandas, é de todos menos de quem governa.
A Selvajaria

A Selvajaria

Cidades inteiras arrasadas, hospitais, escolas, estações de caminhos de ferro, aeroportos, séculos e séculos de criatividade, de imaginação, de cultura, despedaçados pela fúria dos homens. Que ganha Putin com esta destruição brutal, feita de barbárie e raiva, devastando as terras que vai conquistando? Que riqueza extrai do apocalipse que os seus exércitos instalam por cada passo para a vitória da morte e do desespero?
No topo do crime

No topo do crime

Foram décadas a insistir na necessidade de se conhecer a real dimensão do problema para o enfrentar em toda a sua complexidade, pois sabia-se que a cultura patriarcal, pilotada pelos privilégios masculinos, travava as denuncias, lançando labéus da mais variada ordem contra as vítimas, humilhando-as, tratando-a com a sobranceria que a ignorância coloca nos altares do poder.
As tragédias

As tragédias

É imperativo cívico chamar a atenção dos leitores para a exigência inscrita no prazer. É um pouco paternalista, mas não posso deixar de avisar: conduza com mais cuidado, beba com moderação, calcule criticamente os riscos que decidiu enfrentar para que o Verão valha a pena.
Os fachos e nazis

Os fachos e nazis

O pensamento redutor remete-nos, paradoxalmente, para compreensões medievais do Mundo. Aos poucos vamos reduzindo o lastro de sabedoria que cultivava a diversidade de opiniões para, num só fôlego, acantonar quem pensa diferente a equipa dos fachos ou dos nazis (agora diz-se neonazis) ou dos "comunas"

Mais Lidas

+ Lidas