'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Da guerra

Depois de tanta notícia, depois de tanto comentário e, sobretudo, depois de tanta propaganda, a questão é outra. Como se explica que o sentido predador do Homem continue a produzir guerras, a dizimar populações, como argumento mais forte nas relações entre seres humanos?
12 de setembro de 2022 às 09:09
...
Guerra na Ucrânia Foto: getty images

Seis meses depois da invasão da Ucrânia pelas tropas russas, torna-se difícil saber aquilo que é verdade e, portanto, notícia, e o que é propaganda. É certo que o jornalismo não é ideologicamente neutro. Quem constrói uma notícia assume sempre um ponto de vista, sendo que o noticiário ocidental está, na sua esmagadora maioria comprometido com a causa ucraniana. Reconheço que não sou neutro. Em todos nós, há uma costela de Robin dos Bosques que nos impele a apoiar os mais fracos e afastar-nos da arrogância militarista de Putin.

Porém, esta reflexão não procura cotejar as razões da guerra. Depois de tanta notícia, depois de tanto comentário e, sobretudo, depois de tanta propaganda, a questão é outra. Marcados por dois milénios de cristianismo, forjados em seis milénios de civilização, criadores das mais extraordinárias revoluções para ser vir o conforto e o bem estar, possuidores de forma de conhecimento que vão do macrocosmo até ao microcosmo, capazes de vencer os mais terríveis ataques contra a saúde e a sobrevivência, como é possível, como se explica, que o sentido predador do Homem continue a produzir guerras, a dizimar populações, como argumento mais forte nas relações entre seres humanos?

Não deixa de me surpreender que com o séc. XXI avançado, se discuta a guerra como argumento cultural e político.

Vincent-Thomas, um dos mais ilustres antropólogos do século passado, num dos seus livros mais luminosos, L’Anthropologie da la Mort, faz contas aos números de mortos em guerras e chega à terrível conclusão de que, nunca como agora, a atitude predatória dos homens sobre outros homens foi tão violenta e devastadora. Não é apenas na Ucrânia. É um pouco por todo o planeta. Um impulso para a guerra é aquele que nos atropela civilizacional e culturalmente. Em que se renega todo o conhecimento e salvaguarda de direitos humanos, em que soçobramos perante a necessidade de tomar partido sem que haja um mínimo de inquietação sobre as utopias, amores e sonhos de felicidade. É terrível tomarmos consciência deste condicionante: afinal, a necessidade de matar é bem maior do que a exigência de amar.               

Mais notícias de Piquete de Polícia

Da guerra

Da guerra

Depois de tanta notícia, depois de tanto comentário e, sobretudo, depois de tanta propaganda, a questão é outra. Como se explica que o sentido predador do Homem continue a produzir guerras, a dizimar populações, como argumento mais forte nas relações entre seres humanos?
Fim das preocupações

Fim das preocupações

É esta a razão principal do nosso subdesenvolvimento: vivemos intensamente o momento, desde que nos leve até à emoção, e mais outro momento e assim sucessivamente, sejam incêndios, novelas, futebol ou um qualquer crime mais escabroso.
A Matemática

A Matemática

No rescaldo da imensa tragédia que varreu a serra da Estrela, perante o espanto geral com a violência do fogo, a Secretária de Estado Patrícia Gaspar recorreu à matemática para dizer que o desastre não foi assim tão grande. Afinal, segundo o algoritmo com que trabalhava, a imensidão do fogo, um dos maiores da história dos incêndios em Portugal, deveria ter sido mais devastador.
O luto impossível

O luto impossível

A morte de Archie torna-se, neste contexto, num alerta para todos os pais, com filhos menores, no que respeita à manipulação de telemóveis e redes sociais.
Outra guerra!

Outra guerra!

E que ninguém duvide: a violência doméstica e o homicídio de mulheres é dos mais graves problemas da sociedade portuguesa e, por tal motivo, muito menos dele se fala, pouco se reflete e há quase um esforço coletivo para ignorar ou evitar trazer a tragédia para o debate público.
Céu vermelho

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.

Mais Lidas

+ Lidas