'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Esticão

O esticão é um crime vulgar nas grandes cidades e, num modo geral, tem as mulheres como alvo. O agressor aproxima-se naturalmente da vítima, como se fosse a caminhar sem interesse aparente e, de súbito, desencadeia o ataque. Os alvos mais apetecíveis são fios de usar ao pescoço e malas. Com um forte esticão apodera-se destes objetos e desata a correr pela rua fora ou salta para uma motorizada conduzida por um cúmplice.
05 de dezembro de 2021 às 06:00
...
PSP xxx

Já escrevi sobre este assunto. Porém, recebi, nos últimos dias, vária correspondência de leitoras que foram vítimas daquilo que genericamente é conhecido pelo furto de esticão. É um crime vulgar nas grandes cidades e, num modo geral, tem as mulheres como alvo. O agressor aproxima-se naturalmente da vítima, como se fosse a caminhar sem interesse aparente e, de súbito, desencadeia o ataque. Os alvos mais apetecíveis são fios de usar ao pescoço e malas. Com um forte esticão apodera-se destes objetos e desata a correr pela rua fora ou salta para uma motorizada conduzida por um cúmplice. Num ápice desaparecem, sem que as vítimas consigam refazer-se da surpresa. Quando pedem socorro ou apresentam queixa na esquadra é quase uma regra: não conseguem descrever o autor do crime.

A velocidade da agressão expropria quem é roubado nestas circunstâncias, não só do bem que lhe levaram, como da capacidade crítica para compreender aquilo que aconteceu nos primeiros instantes.

Volto a falar desta prática criminal para deixar alguns conselhos aos leitores. Estes ataques ocorrem na maioria das vezes em zonas movimentadas de comércio. Por vezes, a frequência dos transeuntes é o melhor esconderijo do ladrão.

Nunca use a mala no braço na mão que vai do lado de fora do passeio. Ou entre si e a parede dos prédios ou entre o/a leitora e a pessoa que a acompanha. Dificulta a manobra do atacante e muitas vezes é suficiente para o fazer desistir.

Faça os possíveis por caminhar mais afastada da rua onde passa o trânsito. No esticão com motorizada, o assaltante nem precisa de sair do banco do pendura para consumar o crime. Caminhe pelo interior dos passeios. Se não estiver acompanhada, faça os possíveis para que o seu fio de ouro fique discreto entre as roupas. Quem rouba não tem tempo para examinar: age sobre os bens que mais lhe chamam a atenção. Proteja-se. Sobretudo nesta entrada das festas, altura em que existe mais movimento nas ruas.   

Mais notícias de Piquete de Polícia

A ilusão da presença

A ilusão da presença

Digo, com a margem de erro que pode ter uma mera reflexão sobre ausências, que a pandemia terá desestruturado os processos educativos. Roubou o espaço para o encontro. Potenciou o vazio. Expropriou-nos, a todos, do viver em comunidade. Foi necessário trocar a presença pela ilusão da presença e os nossos jovens foram submetidos a novas cargas de risco.
Crime e eleições

Crime e eleições

Até agora, nem uma palavra sobre segurança. O único mote e que já perderam muitos minutos de conversa mole e sem qualquer consequência foi sobre a prisão perpétua. Com exceção desta conversa meio tonta, alguém ouviu uma discussão, uma ideia que fosse, sobre o entendimento que cada partido tem no que respeita à prevenção e combate da criminalidade?
O tempo não quebra

O tempo não quebra

O tempo não quebra. Na sua lenta mutação, sucedendo dias e noites, meses após meses, é uma força externa às nossas vontades e expectativas como um rio lento de magma vulcânica que apenas a morte interrompe. Nem a política, nem a economia, nem a saúde, nem atividade criminosa muda porque o ano mudou. Habitam um tempo diferente, lento, por vezes parece-nos viscoso, que resiste às alterações que desejamos quando ingerimos as doze passas ao tocar o primeiro minuto do novo ano.
Sem saudades

Sem saudades

À descida da segunda vaga, foi proclamada a libertação. Conversa demagógica. Afirmações sem escrúpulos e sem horizonte no olhar. E aqui estamos, pronto a encerrar 2021, confinados, em sofreguidão por testes e autotestes, desorientados, temendo o primeiro mês de 2022 e novas vagas. Para agravar a situação, estamos a um mês de eleições e já se percebeu que a campanha eleitoral vai gerir os nossos receios, as nossas desconfianças, aproveitado o vírus para a manipulação política.
Quase satânico

Quase satânico

Foi o Papa Francisco quem o disse. A violência contra as mulheres, em ambiente doméstico, é um comportamento quase satânico. E tem razão. É a época indicada para o Sumo Pontífice trazer este assunto à baila. Sobretudo, quando passaram quase dois anos sobre o início da pandemia e o Mundo se transfigurou no que respeita às limitações sanitárias impostas. As mulheres vítimas dos companheiros ficaram mais expostas e vulneráveis. Foi-lhes dificultado o acesso às autoridades policiais. O confinamento funcionou contra elas.
Miséria humana

Miséria humana

Os dois bebés mortos em Cascais durante um parto surpreendente, afinal foram assassinados à nascença. Desconfiava-se da explicação da mãe que afirmava que não sabia estar grávida. Tornou-se suspeito esperar nove horas até pedir socorro. E o pai? Não há pai neste psicodrama?

Mais Lidas

+ Lidas