'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Esticão

O esticão é um crime vulgar nas grandes cidades e, num modo geral, tem as mulheres como alvo. O agressor aproxima-se naturalmente da vítima, como se fosse a caminhar sem interesse aparente e, de súbito, desencadeia o ataque. Os alvos mais apetecíveis são fios de usar ao pescoço e malas. Com um forte esticão apodera-se destes objetos e desata a correr pela rua fora ou salta para uma motorizada conduzida por um cúmplice.
05 de dezembro de 2021 às 06:00
...
PSP xxx

Já escrevi sobre este assunto. Porém, recebi, nos últimos dias, vária correspondência de leitoras que foram vítimas daquilo que genericamente é conhecido pelo furto de esticão. É um crime vulgar nas grandes cidades e, num modo geral, tem as mulheres como alvo. O agressor aproxima-se naturalmente da vítima, como se fosse a caminhar sem interesse aparente e, de súbito, desencadeia o ataque. Os alvos mais apetecíveis são fios de usar ao pescoço e malas. Com um forte esticão apodera-se destes objetos e desata a correr pela rua fora ou salta para uma motorizada conduzida por um cúmplice. Num ápice desaparecem, sem que as vítimas consigam refazer-se da surpresa. Quando pedem socorro ou apresentam queixa na esquadra é quase uma regra: não conseguem descrever o autor do crime.

A velocidade da agressão expropria quem é roubado nestas circunstâncias, não só do bem que lhe levaram, como da capacidade crítica para compreender aquilo que aconteceu nos primeiros instantes.

Volto a falar desta prática criminal para deixar alguns conselhos aos leitores. Estes ataques ocorrem na maioria das vezes em zonas movimentadas de comércio. Por vezes, a frequência dos transeuntes é o melhor esconderijo do ladrão.

Nunca use a mala no braço na mão que vai do lado de fora do passeio. Ou entre si e a parede dos prédios ou entre o/a leitora e a pessoa que a acompanha. Dificulta a manobra do atacante e muitas vezes é suficiente para o fazer desistir.

Faça os possíveis por caminhar mais afastada da rua onde passa o trânsito. No esticão com motorizada, o assaltante nem precisa de sair do banco do pendura para consumar o crime. Caminhe pelo interior dos passeios. Se não estiver acompanhada, faça os possíveis para que o seu fio de ouro fique discreto entre as roupas. Quem rouba não tem tempo para examinar: age sobre os bens que mais lhe chamam a atenção. Proteja-se. Sobretudo nesta entrada das festas, altura em que existe mais movimento nas ruas.   

Mais notícias de Piquete de Polícia

O luto impossível

O luto impossível

A morte de Archie torna-se, neste contexto, num alerta para todos os pais, com filhos menores, no que respeita à manipulação de telemóveis e redes sociais.
Outra guerra!

Outra guerra!

E que ninguém duvide: a violência doméstica e o homicídio de mulheres é dos mais graves problemas da sociedade portuguesa e, por tal motivo, muito menos dele se fala, pouco se reflete e há quase um esforço coletivo para ignorar ou evitar trazer a tragédia para o debate público.
Céu vermelho

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.
O Tempo

O Tempo

É o terrível relógio do tempo que nos induz ao esquecimento e, por isso, que seja necessário repetir, como se fosse o primeiro verão das nossas vidas, os cuidados e prevenções face às vagas de calor.
A saúde da cabeça

A saúde da cabeça

Está instalada uma atmosfera de insegurança, de descrença, de medo que se expressa no noticiário que, dia após dia, nos anunciam as vésperas do Apocalipse.
A bruxa

A bruxa

Para lá das lantejoulas que fazem o espetáculo televisivo dos pobres, para lá dos discursos vazios sobre o Portugal progressista e avançado, veio ao nosso encontro um pedaço da realidade que continua influente, bem viva, resistente à mudança, suportada na crença e na superstição.

Mais Lidas

+ Lidas