'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores

Notícia

Nova vaga

Os números revelam que a pandemia está a ultrapassar os limites em países em que a vacinação é baixa. Ou dizendo de outro modo, em regiões onde a recusa da vacinação teve maior impacto. Mais infetados, mais internados, mais mortos. É o reverso da medalha das manifestações e apelos contra a vacinação. A ignorância a revelar o seu lado mais sinistro, matando mais gente. De tal modo, é grande a tormenta que a Áustria se viu obrigada a interditar espaços públicos a quem não esteja vacinado.
21 de novembro de 2021 às 06:00
...

As notícias não são animadoras. Pela Europa cresce uma nova vaga de Covid. Deve dizer-se que, por cá, os números também sobem. À memória regressam as imagens do final do ano passado e inícios de 2021. Munidos de uma saber de experiência feito, como escreveu Camões, não deve haver ninguém que não tenha consciência da ameaça que o vírus representa. Todo o cuidado é pouco e aquilo que se exige é bem pouco cuidado: lavar as mãos várias vezes ao dia, manter distanciamento físico e usar máscara em espaços onde existam mais pessoas.

A que propósito surge esta crónica? Exatamente pelos números. Revelam que a pandemia está a ultrapassar os limites em países em que a vacinação é baixa. Ou dizendo de outro modo, em regiões onde a recusa da vacinação teve maior impacto. Mais infetados, mais internados, mais mortos.

É o reverso da medalha das manifestações e apelos contra a vacinação. A ignorância a revelar o seu lado mais sinistro, matando mais gente. De tal modo, é grande a tormenta que a Áustria se viu obrigada a interditar espaços públicos a quem não esteja vacinado.

Hoje, sabe-se mais sobre este vírus que, há dois anos, desconhecíamos. Percebe-se que é bem diferente da gripe. Perpetua-se ao longo do ano, omnipresente, retraindo-se conforme se contraem as restrições, avançando voraz quando abrimos mão de maiores cuidados preventivos. Uma espécie de concertina que abre e fecha conforme a nossa atenção e cuidado.

Dizem os especialistas que, por cá, esta vaga causará menos dano por termos quase 90 por cento da população vacinada.

Talvez tenham razão. Talvez não. Este é o teste que vamos viver para perceber se a vacinação melhorou claramente a resistência da comunidade ao vírus. O inverno está à porta, a gripe já chegou e, pela vossa rica saúde, protejam-se. Nunca é tempo para chorarmos os mortos que ainda não temos.

Mais notícias de Piquete de Polícia

Nova vaga

Nova vaga

Os números revelam que a pandemia está a ultrapassar os limites em países em que a vacinação é baixa. Ou dizendo de outro modo, em regiões onde a recusa da vacinação teve maior impacto. Mais infetados, mais internados, mais mortos. É o reverso da medalha das manifestações e apelos contra a vacinação. A ignorância a revelar o seu lado mais sinistro, matando mais gente. De tal modo, é grande a tormenta que a Áustria se viu obrigada a interditar espaços públicos a quem não esteja vacinado.
Até sempre, Marília!

Até sempre, Marília!

Para tornar mais negra a tragédia, que Marília nem imaginava que lhe estava a bater à porta, minutos antes do acidente, publicou um vídeo no avião que a transportava para lugares onde ia realizar vários espetáculos. Parecia uma jovem aparentemente calma, a debicar arroz, óculos escuros, tranquila, à espera do momento de aterrar.
O carro do ministro

O carro do ministro

O acidente mortal provocado há largos meses pela viatura que conduzia o ministro Eduardo Cabrita está transformado num pedaço do anedotário nacional. A fazer fé nas últimas notícias, em que se procura provar que o inditoso trabalhador do Escoural não estava a trabalhar aquando da sua morte é daquelas hipóteses que são tão ridículas como perniciosas.
Crises

Crises

A todas estas crises somam-se outras bem mais perigosas, de índole moral e cívica. Contaminados pelo efémero, incapazes de segurar o tempo para a reflexão, confundimos aprendizagem e comunicação com educação, produzindo jovens desorientados entre modelos sociais e comportamentais diferentes e, por vezes, em conflito.
Os combustíveis e o crime

Os combustíveis e o crime

O governo está a lidar com os aumentos dos combustíveis com propaganda simplista e demagógica. Forjada sob uma grande causa que hoje se coloca ao planeta: é necessário descarbonizar para que não haja um colapso ambiental, por isso, o custo dos combustíveis pode impedir o excesso de mobilidade automóvel e, por isso, a menor produção de gases com efeito de estufa. É uma desculpa cobarde. Sendo verdade a afirmação, é necessário criar os contextos para que essa descarbonização seja sustentada.
Espancamentos noturnos

Espancamentos noturnos

O que surpreendeu o País foi o brutal espancamento ocorrido numa discoteca no Algarve, onde um segurança, credenciado por uma empresa de segurança privada, de forma brutal e desproporcionada flagelou um indivíduo que pacificamente falava com ele. As imagens são arrepiantes.

Mais Lidas

+ Lidas