'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O nome dos mortos

Posso estar enganado mas julgo que a verdade não andará muito longe dos números divulgados. Já teríamos ouvido familiares de outros infelizes a reclamar os seus mortos e, por outro lado, mesmo com funerais apressados, vizinhos e amigos teriam dado conta de mais óbitos.
29 de julho de 2017 às 00:00

Enquanto escrevo este artigo, vai na praça pública uma algazarra medonha sobre o número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande. Parece que os números oficiais não estão certos ao afirmar que foram 64 vítimas. Mais uma que terá sido atropelada quando fugia do fogo. Posso estar enganado mas julgo que a verdade não andará muito longe dos números divulgados. Já teríamos ouvido familiares de outros infelizes a reclamar os seus mortos e, por outro lado, mesmo com funerais apressados, vizinhos e amigos teriam dado conta de mais óbitos. Porém, não descarto a possibilidade da contagem estar mal feita.

Os dois grandes protagonistas deste debate é uma criatura chamada Hugo Soares, um boy que agora foi promovido a presidente do grupo parlamentar do PSD e, do outro lado, o governo. A verdade é que não compreendo como a disputa político-partidária pode chegar a este nível de desrespeito, de verdadeira imundície moral, de hesitações próprias de gente sem rumo, nem orientação. Manipular tragédias é um território que só acrescenta sofrimento ao sofrimento. Que magoa ainda mais quem já está magoado. Para a coisa ainda ser de maior mau gosto, o Ministério Público meteu-se pelo meio a invocar o segredo de justiça para não revelar os nomes das vítimas, alegando que é um caso em investigação. Nada mais disparatado. Nenhuma lei, nenhum dispositivo legal pode determinar a recusa do direito ao nome de vítimas. Ainda por cima, vítimas mortais. Compreende-se que a investigação esteja em segredo de justiça mas incluir nomes de vítimas? É apenas acrescentar ruído ao ruído que vai por aí.

É pelo nome que se guarda a memória de quem faleceu. Fica gravado no coração daqueles que amavam o defunto, na memória dos outros que o estimavam, no nosso património colectivo de solidariedades. Não é por acaso que as lápides cemiteriais, com mais ou menos evocações, registem sempre o nome de quem ali está depositado. É a expressão vocal e escrita da nossa identidade. O nome é um património sem vínculo. O nome é cada uma de nós. Se continuarmos a viver numa sociedade civilizada, claro. Coisa que, por vezes, duvido.

Mais notícias de Piquete de Polícia

A ilusão da presença

A ilusão da presença

Digo, com a margem de erro que pode ter uma mera reflexão sobre ausências, que a pandemia terá desestruturado os processos educativos. Roubou o espaço para o encontro. Potenciou o vazio. Expropriou-nos, a todos, do viver em comunidade. Foi necessário trocar a presença pela ilusão da presença e os nossos jovens foram submetidos a novas cargas de risco.
Crime e eleições

Crime e eleições

Até agora, nem uma palavra sobre segurança. O único mote e que já perderam muitos minutos de conversa mole e sem qualquer consequência foi sobre a prisão perpétua. Com exceção desta conversa meio tonta, alguém ouviu uma discussão, uma ideia que fosse, sobre o entendimento que cada partido tem no que respeita à prevenção e combate da criminalidade?
O tempo não quebra

O tempo não quebra

O tempo não quebra. Na sua lenta mutação, sucedendo dias e noites, meses após meses, é uma força externa às nossas vontades e expectativas como um rio lento de magma vulcânica que apenas a morte interrompe. Nem a política, nem a economia, nem a saúde, nem atividade criminosa muda porque o ano mudou. Habitam um tempo diferente, lento, por vezes parece-nos viscoso, que resiste às alterações que desejamos quando ingerimos as doze passas ao tocar o primeiro minuto do novo ano.
Sem saudades

Sem saudades

À descida da segunda vaga, foi proclamada a libertação. Conversa demagógica. Afirmações sem escrúpulos e sem horizonte no olhar. E aqui estamos, pronto a encerrar 2021, confinados, em sofreguidão por testes e autotestes, desorientados, temendo o primeiro mês de 2022 e novas vagas. Para agravar a situação, estamos a um mês de eleições e já se percebeu que a campanha eleitoral vai gerir os nossos receios, as nossas desconfianças, aproveitado o vírus para a manipulação política.
Quase satânico

Quase satânico

Foi o Papa Francisco quem o disse. A violência contra as mulheres, em ambiente doméstico, é um comportamento quase satânico. E tem razão. É a época indicada para o Sumo Pontífice trazer este assunto à baila. Sobretudo, quando passaram quase dois anos sobre o início da pandemia e o Mundo se transfigurou no que respeita às limitações sanitárias impostas. As mulheres vítimas dos companheiros ficaram mais expostas e vulneráveis. Foi-lhes dificultado o acesso às autoridades policiais. O confinamento funcionou contra elas.
Miséria humana

Miséria humana

Os dois bebés mortos em Cascais durante um parto surpreendente, afinal foram assassinados à nascença. Desconfiava-se da explicação da mãe que afirmava que não sabia estar grávida. Tornou-se suspeito esperar nove horas até pedir socorro. E o pai? Não há pai neste psicodrama?

Mais Lidas

+ Lidas