'
Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

O Tempo

É o terrível relógio do tempo que nos induz ao esquecimento e, por isso, que seja necessário repetir, como se fosse o primeiro verão das nossas vidas, os cuidados e prevenções face às vagas de calor.
17 de julho de 2022 às 10:08
...
incêndios Foto: Cofina Media

Chegou o tempo da brasa. Repetem-se os conselhos, regressam as mesmas imagens infernais feitas de fogo e fumo, reacendem-se as discussões sobre as alterações climáticas. A procura da praia, das viagens, essa procura da utopia, projeção idílica do paraíso na Terra, entope estradas, aeroportos, enquanto o calor entorpece os caminhos de ferro, acrescentando risco ao risco.

Bebam líquidos, não façam lareiras, protejam a floresta, são frases tantas vezes repetidas que, se estivéssemos atentos, há muitos anos que beberíamos muitos líquidos, não faríamos lareiras e protegeríamos as florestas contra a possibilidade de incêndio. Porém, todos os anos se repetem as mesmas realidades e os mesmos conselhos como se, findo o verão, fossemos acometidos por uma amnésia coletiva que esquece os danos e o sofrimento que habitam nestes meses de braseiro.

É o terrível relógio do tempo que nos induz ao esquecimento e, por isso, que seja necessário repetir, como se fosse o primeiro verão das nossas vidas, os cuidados e prevenções face às vagas de calor.

A seguir, quando se arrumar o ruído desta época, já sabemos qual vai ser o mote dos próximos noticiários: A tragédia da seca. Dos rios que deixaram de correr, das albufeiras exangues, dos bombeiros carregando água para pessoas e animais até que a chuva dê sinais de vida e devolva alguma paz a um país comandado por sortilégios do tempo. O país que parece ser comandado pela tríade dos 30. Quando a temperatura escala este número, quando o vento o ultrapassa, quando a humidade não lhe consegue deitar mão, Portugal fica nu. Exposto às suas maiores fragilidades, débil como um arbusto ressequido, cansado como um velhote esclerosado.

Arde, deixa-se arder e fica à mercê de pirómanos.  É neste tempo que se torna urgente proteger os mais idosos e as crianças. Quem trabalha ao ar livre, evitando as horas de maior calor. Um tempo paradoxal em que se espera o sol, para cuidarmos da sombra. Não venha a desidratação, não chegue a hipotensão, não definhe a vida levada por um golpe de calor. Sobretudo precisamos de poupar gente, embora cada vez mais envelhecida e anémica e esperar que um dia, mais cedo do que tarde, chegue uma chuvada de crianças que rejuvenesça o País e dê outro sentido ao tempo que o tempo de hoje não tem.       

Mais notícias de Piquete de Polícia

O luto impossível

O luto impossível

A morte de Archie torna-se, neste contexto, num alerta para todos os pais, com filhos menores, no que respeita à manipulação de telemóveis e redes sociais.
Outra guerra!

Outra guerra!

E que ninguém duvide: a violência doméstica e o homicídio de mulheres é dos mais graves problemas da sociedade portuguesa e, por tal motivo, muito menos dele se fala, pouco se reflete e há quase um esforço coletivo para ignorar ou evitar trazer a tragédia para o debate público.
Céu vermelho

Céu vermelho

O fogo é o nosso companheiro habitual em cada verão das nossas vidas. Muito ou pouco ameaçador, instala-se, alimenta-se, mata, se for necessário, e depois segue para outras paragens. E é injusto. Atinge os mais fracos, despedaça a vida dos mais desfavorecidos.
O Tempo

O Tempo

É o terrível relógio do tempo que nos induz ao esquecimento e, por isso, que seja necessário repetir, como se fosse o primeiro verão das nossas vidas, os cuidados e prevenções face às vagas de calor.
A saúde da cabeça

A saúde da cabeça

Está instalada uma atmosfera de insegurança, de descrença, de medo que se expressa no noticiário que, dia após dia, nos anunciam as vésperas do Apocalipse.
A bruxa

A bruxa

Para lá das lantejoulas que fazem o espetáculo televisivo dos pobres, para lá dos discursos vazios sobre o Portugal progressista e avançado, veio ao nosso encontro um pedaço da realidade que continua influente, bem viva, resistente à mudança, suportada na crença e na superstição.

Mais Lidas

+ Lidas