'

Notícia

Os marginais

Nestas eleições locais, onde estão em causa questões imediatas, de proximidade, de problemas para resolver dentro da comunidade, em cada dois eleitores, um não votou. Isto é, metade do país desinteressou-se, não quis saber, afastou-se de qualquer decisão sobre o futuro da sua freguesia e do seu concelho.
03 de outubro de 2021 às 07:00
...
Eleições 2021

Não é possível compreender as flutuações da violência, da atividade criminosa sem estudar com profundidade os movimentos sociais e políticos, o contexto económico e financeiro que estão na estrutura dos comportamentos sociais. Agora, na situação de pandemia, a saúde mental ocupa um lugar de relevo nesta análise.

As recentes eleições autárquicas possuem indicadores que não são despiciendos para esta discussão. Não tanto para saber que partido ganhou ou perdeu, sendo que as alterações políticas das estruturas locais devem ser levadas em linha de conta. Como é o caso de Lisboa e do Porto, as duas cidades que congregam grandes zonas metropolitanas. Interessa, sobretudo, perceber um outro fenómeno bem mais complexo que degrada a democracia e, simultaneamente, reduz o indicador sobre o que pensam os nossos cidadãos. Trata-se do flagelo da abstenção.

Nestas eleições locais, onde estão em causa questões imediatas, de proximidade, de problemas para resolver dentro da comunidade, em cada dois eleitores, um não votou. Isto é, metade do país desinteressou-se, não quis saber, afastou-se de qualquer decisão sobre o futuro da sua freguesia e do seu concelho.

Uma espécie de auto marginalização massiva. Metade da população exclui-se do movimento que procura a democracia para resolver a ordem do Estado.

É cedo para retirar conclusões pois esta autoexclusão tem raízes complexas, e vem de longe, para nos satisfazermos com uma hora de debate, antes de saber resultados finais, sobre aquilo que motiva o abstencionismo. Sobretudo o crescimento insistente deste fenómeno.

Não é estigmatizando quem não vota que se resolve. Não é com meia dúzia de lugares comuns onde se lamenta a abstenção quer os dirigentes políticos podem sacudir a água do capote. Hoje, é o maior partido português. É um sintoma terrível de uma democracia fragilizada. Torna-se urgente perceber este imenso partido marginal para a saúde da vida pública.

Mais notícias de Piquete de polícia

Espancamentos noturnos

Espancamentos noturnos

O que surpreendeu o País foi o brutal espancamento ocorrido numa discoteca no Algarve, onde um segurança, credenciado por uma empresa de segurança privada, de forma brutal e desproporcionada flagelou um indivíduo que pacificamente falava com ele. As imagens são arrepiantes.
Eleições Perdidas

Eleições Perdidas

Alguém, porventura, escutou os candidatos a estes concelhos propor políticas de segurança e de prevenção que vão além dos limites do seu próprio concelho? Nem um!
Os marginais

Os marginais

Nestas eleições locais, onde estão em causa questões imediatas, de proximidade, de problemas para resolver dentro da comunidade, em cada dois eleitores, um não votou. Isto é, metade do país desinteressou-se, não quis saber, afastou-se de qualquer decisão sobre o futuro da sua freguesia e do seu concelho.
A menina

A menina

A vacina não é obrigatória. Não existe lei que possa punir quem se recusar a tomá-la. É uma decisão que se encontra na esfera individual de cada um. Os pais podem decidir, se for caso disso, estimular os filhos a querem ser vacinados. Ou não. Porém, neste caso surge outro imbróglio. Será que a decisão da menor em não ser vacinada está de acordo com a ideia que se inscreve no ‘superior interesse da criança’?
História banal

História banal

Não é novidade para ninguém que a violência doméstica continua a multiplicar vítimas atrás de vítimas num local onde se prometeu amor, em que se desejou a esperança e o carinho, a ternura e alegria por todos que habitam no mesmo lugar. Infelizmente não é assim. O problema é que continuamos a lidar com a questão sempre da mesma maneira. Quando não se sabe como resolver, entrega-se o caso à polícia e aos tribunais.
Sexo comercial

Sexo comercial

Foi necessário deixar passar alguns dias, até se conhecer a decisão do juiz de instrução que apreciou o caso. Teve a prudência de esperar por exames forenses e verificação de comunicações telefónicas. E decidiu. Embora se desconheça o processo, é certo, que não aceitou as provas de violação que lhe foram presentes. E aceitou provas de que a jovem procurou extorquir dinheiro ao atleta português sob a ameaça de uma denúncia judicial. Extorsão e sexo quando se aliam tornam-se num instrumento perverso que atinge os dois protagonistas.

Mais Lidas

+ Lidas