'
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias No meu Sofá

Notícia

A crise de segunda a sexta à noite

Vamos lá ser sinceros: quando foi a última vez que viu uma novela a sério, daquelas mesmo boas, daquelas que não se conseguem largar, das que prendem, com umas personagens fabulosas, com interpretações daquelas em que ficamos malucos... quando foi?
03 de setembro de 2022 às 06:00
...
Pedro Teixeira, Quer o Destino Foto: TVI

Vamos lá ser sinceros: quando foi a última vez que viu uma novela a sério, daquelas mesmo boas, daquelas que não se conseguem largar, das que prendem, com umas personagens fabulosas, com interpretações daquelas em que ficamos malucos... quando foi? Se eu fizer um esforço, um bom esforço, posso recuar uns dois a três anos até encontrar alguma coisa que me tivesse agradado a sério na SIC ou TVI – os canais que investem a sério no género. Porque, desde então... tem sido uma pobreza franciscana. Ainda a pandemia não tinha começado (em 2020) e já acrise se instalara. Maus temas, pouco investimento, um deixar andar. Na SIC, depois de 'Golpe de Sorte' e de 'Terra Brava', foi o deserto. Na TVI, o desastre seguiu-se à adaptação de 'Quer o Destino'. Há quanto tempo foi isto? É fazer as contas. Quais as razões para a imaginação ter "secado", para o desinvestimento no género "novela" – que ainda é o principal produto de entretenimento na TV generalista portuguesa – acontecer?

Pessoalmente só consigo encontrar uma explicação: tomou-se o público como estúpido. Ou, pior, como analfabeto – esquecendo que os produtos mais vistos nos canais nacionais são os noticiários de horário nobre. Ao imbecilizar o espectador, ao acreditar que ele quer é rir e divertir-se e ver núcleos alegadamente cómicos e piadolas fáceis, nada como transformar o género novela – que nada mais é do que contar uma boa história em capítulos, como num livro, que devem prender de um capítulo para o outro – numa versão longa de sitcom, ou seja, numa comédia básica, sem grande história, que tanto pode começar assim como ao contrário, que não caminha para lado nenhum, mas tem como principal objetivo entreter e despertar o sorriso fácil no espectador. Com esta opçãohá um duplo assassinato: do género novela, e do género comédia – o mais difícil, complexo de escrever e de interpretar em televisão e que tem por obrigação ser inteligente.

Assim, aguardo com ansiedade boas notícias para esta rentrée televisiva. Espero haver discernimento para investir em qualidade – em que género for – e, sobretudo, deixar de tratar o público como se este fosse burro. Não é. A prova é que faz crescer o streaming e o cabo e que castiga as generalistas. Afinal, quem é o burro nesta história?

Mais notícias de No meu Sofá

Queridos, as férias acabaram. É tempo de voltar para casa

Queridos, as férias acabaram. É tempo de voltar para casa

Há notícias terríveis de dar às "crianças" quando estas se divertem no parque, ou na praia, ou em qualquer lugar animado (mesmo que não pareça): acabou, temos de regressar. Foi basicamente o que aconteceu aos repórteres televisivos destacados para a cobertura do velório e funeral com a morte da rainha Isabel II.
'Big Brother': desculpem, em que ano estamos? (ou como regredir uma década num formato)

'Big Brother': desculpem, em que ano estamos? (ou como regredir uma década num formato)

O que se passou com esta nova edição? Fez-se tábua rasa das inovações do 2020, com estilos diferentes de concorrentes, a ligação maior às redes sociais, a lógica do reality como motor de "consciência social" e regressou-se à versão "vamos lá encher isto" e o resultado é uma salada, entre famosos (na verdade é só um, Nuno Homem de Sá), ex-concorrentes de reality e anónimos "à moda antiga", que não funciona (acredito) como a TVI imaginou.
Informação (também) é proximidade

Informação (também) é proximidade

No último domingo, em plena Feira do Livro de Lisboa, fui surpreendida com uma fila gigante para pedir autógrafos de um autor. Não era Lobo Antunes – o campeão desse feito. Era José Milhazes!
A crise de segunda a sexta à noite

A crise de segunda a sexta à noite

Vamos lá ser sinceros: quando foi a última vez que viu uma novela a sério, daquelas mesmo boas, daquelas que não se conseguem largar, das que prendem, com umas personagens fabulosas, com interpretações daquelas em que ficamos malucos... quando foi?
O desconcertante 'Pôr do Sol'   

O desconcertante 'Pôr do Sol'   

O público de 'Pôr do Sol' é o que já desistiu há muito dos quatro canais generalistas, o que vê uma coisa ou outra no cabo, prefere o streaming e está sempre na net. Ou seja, só vê o que lhe apetece, quando lhe apetece.

Mais Lidas

+ Lidas