'
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias No meu Sofá

Notícia

Como é simples fazer um programa de sucesso... quando não se inventa muito

Num modelo básico, bem produzido, e que estreia sem grandes alaridos, tudo parece fácil, não é?
11 de julho de 2021 às 11:00
...
O Amor Acontece Foto: Instagram
Ora aí está um excelente programa para as noites de domingo, simples, eficaz e que resulta na perfeição... sem ter de se inventar muito. 'O Amor Acontece' estreou no passado fim de semana na TVI, mostrou ser um concorrente mais do que à altura do 'Quem Quer Namorar com o Agricultor', da SIC – ou não tivesse ganho logo na primeira semana.

Mas a questão não são só audiências: é que esta "experiência social" – como o concorrente Daniel Oliveira gostaria de lhe chamar –, embora seja um formato comprado, tem tudo, mas mesmo tudo a ver com o pioneiro 'Casados à Primeira Vista' (SIC) com a diferença de que os cenários são muito mais bonitos.

Temos quatro casais, ecléticos, com graça, vindos de um casting muito bem feito por – imagine-se – um dos psicólogos do 'Casados' da SIC, temos quatro casas/‘chalés’ bem decoradas, enquadradas em cenários de cortar a respiração, e ainda temos uma dupla de apresentadores que funciona (com destaque para Pedro Teixeira que está tão bem como ator como na apresentação).

A mistura de tudo isto, de forma despretensiosa, a seguir quase passo a passo o modelo do vencedor 'Casados à Primeira Vista', tendo como tema o amor mas apresentado de uma forma quase ingénua, resulta na perfeição para as pretensões da TVI de recuperar a liderança – perdida desde o fim do Big Brother – nas noites de domingo.

E mais: demonstra que não é preciso inventar muito, ir atrás de formatos ousados e completamente novos na televisão portuguesa – como foi o caso de 'All Together Now', um modelo de concurso de talentos mais visual do que "artístico" e que, embora fosse um grande espetáculo de televisão, com um megacenário e um júri "aplicado" e competente na sua função de entretenimento, nunca conseguiu cativar, como se imaginava, os espetadores. Agora, num modelo básico, bem produzido, e que estreia sem grandes alaridos, tudo parece fácil, não é?

Tão fácil que até cria uma dor de cabeça à concorrência, habituada a planear a grelha com grande antecedência – ao contrário da TVI – e que lida mal com surpresas. É que depois de 'O Amor Acontece' virá 'Big Brother'. E no acesso ao prime time, depois das férias regressará... 'Big Brother'. Ora, sem a TVI a "inventar" mas a pôr no ar o que funciona, como irá reagir a SIC? Desta, finalmente, eu acho que o jogo pode virar...

Mais notícias de No meu Sofá

Querido Rogério

Querido Rogério

De repente perdemos a Maria João Abreu (já para não falar de Sara Carreira), o Filipe Duarte, o Pedro Lima e agora temos o Rogério neste ponto. O ponto "mas o que é que vai acontecer". O ponto "e agora?", o ponto "tanto para fazer"... Então, Rogério, vamos ver se nos entendemos: trata de te pôr bom rapidamente. Sabes porquê? Porque já és dos raros. Dos raros que fazes falta no cinema, na televisão, no palco, onde te der na gana trabalhar.
De Cristina a Catarina: o que as distingue?

De Cristina a Catarina: o que as distingue?

'É Urgente o Amor' tinha tudo para ser mais um programa lamechas, daqueles que já nos habituámos a ver em todos os canais, a puxar à lágrima fácil, que conta histórias de gente anónima que por alguma razão decide dar a cara e aparecer na televisão para expor a sua história. No entanto, o formato é algo totalmente diferente disso. E há uma razão para ter conseguido "dar a volta": Catarina Furtado.
O que vale mais? Talento ou seguidores?

O que vale mais? Talento ou seguidores?

Toda a gente tem direito e dever de evoluir, de crescer. Desde que tenha capacidade para isso, que possa abrir as asas e percorrer os céus mostrando talento. Trocá-lo por seguidores é que não. Ter atrizes e atores no desemprego para dar a vez a quem possa trazer popularidade ao produto televisivo... é pouco.
No futebol como na vida…

No futebol como na vida…

Somos uns queridos, nós, neste nosso Portugal. Há coisa de dois meses metemos na cabeça que a pandemia já era, repetimos "isto já não fecha", fizemos nossa a voz de governantes e de "sábios" que espalham doutrina da treta nas redes sociais. Como bons treinadores de sofá, opinámos e fixamo-nos na estrada de forma mais ou menos afoita. Afinal, já estávamos – como não cansávamos de repetir – no "pós-pandemia".

Mais Lidas

+ Lidas