'
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Crónica de Luísa Jeremias: No meu Sofá

Notícia

Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Qual a última para nos "surpreender" – essa palavra que as televisões tanto gostam? Inventar apresentadores novos para o Big Brother. A minha pergunta, sentada no sofá, arrasada de tanta mexida, é: "Mas para quê?" Não estava bem como estava? O programa não era líder incontestado com Teresa Guilherme ou, depois, com Teresa Guilherme e Cláudio Ramos? Então, mexer para quê?
12 de setembro de 2021 às 10:24
...
Teresa Guiherme, Cláudio Ramos

O que a SIC tem de previsível e arrumada, de programas uma grelha à distância de seis meses (ou um ano, ainda não percebi bem), de manter, de só mexer em última instância – a ponto de se tornar enfadonha –, tem a TVI de caótica. Tanto quer surpreender, criar sempre algo novo que entusiasme o espectador, não olhando a custos nem a gastos – a publicidade (que aparece em todos os formatos) que pague –, que causa o efeito semelhante à SIC, mas no seu contrário: cansa. Cansa não pela monotonia, mas pela azáfama de querer "mexer por mexer", como aquelas crianças que não conseguem ficar paradas um só minuto e, no fim do dia, deixam os pais rebentados de tanto reboliço.

Assim somos nós, espectadores. Qual a última para nos "surpreender" – essa palavra que as televisões tanto gostam? Inventar apresentadores novos para o Big Brother. A minha pergunta, sentada no sofá, arrasada de tanta mexida, é: "Mas para quê?" Não estava bem como estava? O programa não era líder incontestado com Teresa Guilherme ou, depois, com Teresa Guilherme e Cláudio Ramos? Então, mexer para quê? Para "surpreender"? Porque alguém disse "porque eu quero".

Deixem-me partilhar uma teoria que me ensinaram há muitos anos: em equipa que ganha não se mexe. Isto não é coisa de "futebolês", de quatro linhas. Isto aplica-se a tudo na vida, se pensarmos bem. Mexemos quando está mal e precisamos de encontrar soluções. Se ganhamos, é porque o público está feliz e assim deve continuar. O  espectador tem hábitos e gosta de os cumprir – como a SIC bem sabe. Os hábitos são o seu porto seguro. Gosta de formatos, gosta de personagens que passa a conhecer pelo nome – daí o sucesso das novelas e dos reality shows que fidelizam e mantêm figuras semanas a fio.

É claro que é preciso pensar em soluções boas para o espectador, ter o plano B, C, D, para o continuar a cativar, na certeza de que, se ele gosta do A, é com o A que fica. Posto isto, a pergunta que se impõe é: mudar a apresentação do Big Brother, produto vencedor, para quê? Porque apetece? Porque não há lugares cativos? Eu não tenho nada a ver com as escolhas seja de quem for, mas que isto um dia, com tantas mudanças, pode correr mal não tenho grandes dúvidas. Mas "eles é que sabem", como se costuma dizer.

Mais notícias de No meu Sofá

Politicamente correto

Politicamente correto

Comecemos por aquela questão inevitável que se pode fazer a quem programa: o que (co)move as pessoas? Uma leitura rápida dirá, as grandes causas: racismo, homofobia, género, feminismo, ambiente... Estamos todos de acordo que estes são os grandes temas que os "twitteiros" adoram e que quem é obcecado por "estar sempre em cima do acontecimento" não pode passar ao lado.
Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Qual a última para nos "surpreender" – essa palavra que as televisões tanto gostam? Inventar apresentadores novos para o Big Brother. A minha pergunta, sentada no sofá, arrasada de tanta mexida, é: "Mas para quê?" Não estava bem como estava? O programa não era líder incontestado com Teresa Guilherme ou, depois, com Teresa Guilherme e Cláudio Ramos? Então, mexer para quê?
A grande lição de como escrever ficção

A grande lição de como escrever ficção

Pouco tempo depois da estreia da novela 'Festa É Festa', li várias declarações de atores da mesma afirmando – como se fosse a coisa mais normal deste mundo – que muitos diálogos das suas cenas eram os próprios que criavam. Achei curioso. Pode ser olhado como liberdade criativa, pode sim, senhor, é de louvar a vontade de melhorar a personagem e torná-la mais "real", mas levanta questões: ou o texto não tem qualidade e tem de ser melhorado por quem o interpreta, ou não há direção de atores e cada um faz o que quer.
Querido Rogério

Querido Rogério

De repente perdemos a Maria João Abreu (já para não falar de Sara Carreira), o Filipe Duarte, o Pedro Lima e agora temos o Rogério neste ponto. O ponto "mas o que é que vai acontecer". O ponto "e agora?", o ponto "tanto para fazer"... Então, Rogério, vamos ver se nos entendemos: trata de te pôr bom rapidamente. Sabes porquê? Porque já és dos raros. Dos raros que fazes falta no cinema, na televisão, no palco, onde te der na gana trabalhar.
De Cristina a Catarina: o que as distingue?

De Cristina a Catarina: o que as distingue?

'É Urgente o Amor' tinha tudo para ser mais um programa lamechas, daqueles que já nos habituámos a ver em todos os canais, a puxar à lágrima fácil, que conta histórias de gente anónima que por alguma razão decide dar a cara e aparecer na televisão para expor a sua história. No entanto, o formato é algo totalmente diferente disso. E há uma razão para ter conseguido "dar a volta": Catarina Furtado.
O que vale mais? Talento ou seguidores?

O que vale mais? Talento ou seguidores?

Toda a gente tem direito e dever de evoluir, de crescer. Desde que tenha capacidade para isso, que possa abrir as asas e percorrer os céus mostrando talento. Trocá-lo por seguidores é que não. Ter atrizes e atores no desemprego para dar a vez a quem possa trazer popularidade ao produto televisivo... é pouco.

Mais Lidas

+ Lidas