'
Luísa Jeremias
Luísa Jeremias Planeta cor-de-rosa

Notícia

Manifesto contra os jantares só de mulheres

Há dois tipos de jantares de mulheres: os da "dor de cotovelo" e os do "dia de folga". E no segundo é que mora o perigo...
14 de fevereiro de 2017 às 00:42

Vamos ser sinceras? Quando é que as mulheres decidem fazer jantarinhos em grupo de amigas para "fofocar" e (supostamente) fazer o que lhes apetece? Quando estão mal de amores. Mentira? Verdade! Eu sou mulher e falo em causa própria.

Há dois tipos de jantares de mulheres. O primeiro: o das que estão solteiras – acabaram de se separar e querem (acham elas) recuperar o tempo perdido, que é o mesmo que dizer que estão "sem homem", sem "o chato" que as impede de fazer aquilo que elas querem. Este tipo de jantar é do pior que há. Podia chamar-se o jantar da dor de cotovelo! Porque só se fala de homens (dos homens de cada uma em particular) e assim se percebe que eles continuam a ser o princípio e o fim da vida delas. Nada contra! Não houvesse tanta dor naquilo tudo. Estes são os jantares dos quais se deve fugir a sete pés pois dali uma mulher só pode sair deprimida. Não por achar que ao fim da noite alguma loucura, comportamento mais arrojado, vai acontecer. Não acontece pois normalmente estes jantares de mulheres acabam com elas tão com os copos, tanto foram os gins da moda e o vinho tinto consumido, que só conseguem pensar no "atrasado mental" que as deixou ou no príncipe encantado que nunca irá aparecer mas que vai sempre tendo um nome… nem que seja no imaginário da bela adormecida que com ele sonha.

Depois há o segundo tipo de jantar só de mulheres: os do dia de folga. Ou, se preferirmos chamar-lhe assim, os do "é hoje!!!". Esses são os jantares perigosos. Ao contrário do primeiro, para os quais as compinchas de mesa se vestem como matadoras – belos decotes, vestidos giros mas ao estilo "feminista", botas, brilhos – para os segundos as amigas vão vestidas como se fossem para o supermercado ao fim de semana. Porque, assim como assim, não têm outra roupa lá em casa, tão chata se tornou as suas vidas. E lá vem a gola alta, os jeans, ou num momento de mais loucura, as leggings que acentuam o rabo que elas teimam em tapar com uma túnica quanto maior, melhor… Tudo isto para comemorar aquele dia de "emancipação" em que elas conseguiram deixar os miúdos em casa dos avós ou a jogar playstation com o pai e um amiguinho ou outro que dorme lá em casa , e acham que têm direito à vida. E não é que têm mesmo?! Por isso digo que estes são os jantares "perigosos". Porque têm tudo para ser uma sonsice, uma chatice, uma conversa sobre os filhos e os maridos e os cunhados e as cunhadas e os sogros e o casal amigo com que vão de férias em "all included" e os casais de portugueses que também conheceram de quem ficaram amigos no tal resort perdido no fim do mundo… mas onde há sempre um casal de portugueses espectacular! Tudo isto pode acontecer nessas noites. E acontece. Esta é a parte em que a gola alta começa a apertar e ainda se olha para o relógio para pensar se os miúdos já estarão na cama e o marido agarrado (ainda) ao telemóvel. O problema é se uma das convivas está em despedida de solteira, ou inventou que o bom era irem ao strip tease masculino. Para a segunda hipótese é bom que haja uma bela desculpa. Ah, mas ela for uma obrigação… espere-se o pior… pois estas donas de casa desesperadas por uma noite off vão divertir-se à grande. Porque ao contrário das primeiras amigas que acham que "fazem o que querem", estas sabem que "não fazem". E que é, uma noite sem exemplo. E, por isso, e com uns copos de sangria de frutos vermelhos a mais em cima… nem raciocinam na coisa.

E é por estas e por outras que, em momento de comemorar dia de namorados (tendo ou não) aqui deixou um conselho às minhas queridas amigas, mulheres. Meninas, deixem-se desta coisa deprimente de marcar jantares sexistas. Um macho fica sempre bem na nossa mesa. Alegra a noite! Seja ele nosso marido,  nosso namorado, nosso amigo, nosso recentemente conhecido, nossa descoberta dessa noite no balcão do restaurante, que seja. Mas testem e vão ver que vai ser muito mais divertido. Porquê? Porque a espectativa é menor… e tudo o que vier a seguir é ganho, é surpresa, logo, é o melhor desta vida. E qual não é a mulher que não gosta de se vestir "melhor" para "ele"? Mesmo que não o admita e diga que é só para ela pois "eles não merecem nada". Claro que merecem, meninas! Vamos ser sinceras? Que seria de nós sem eles? Alegram-nos, entretém-nos… Como nós a eles. Por isso, paz e amor. E muitos jantarinhos que nos dêem um bom final de noite… em vez de uma ressaca na manhã seguinte! 

Mais notícias de No meu Sofá

O que fazer com as novelas brasileiras?

O que fazer com as novelas brasileiras?

Bom Sucesso, novela com elenco de "primeira", que fez resultados simpáticos no Brasil, está atirada para o final da noite e, ou muito me engano, ou um destes dias é despachada para as madrugadas, tais são os resultados abaixo do desejado que alcança. Qual a alternativa? Usar (ainda mais) o horário da tarde para passar os "clássicos" e as novidades "globais"? A verdade é que até esse período já está estafado e não é todos os dias que estão disponíveis formatos divertidos, destinados ao público despreocupado desse horário.
Porque é que o Agricultor ganha?

Porque é que o Agricultor ganha?

Se a TVI tem razões para sorrir com os resultados dos últimos tempos, o mesmo não se pode dizer com o suprassumo do "nunca falha" da estação: o reality show Big Brother. O que se passa com o formato nesta edição? O que faz com que perca para o "mais do mesmo" Quem Quer Namorar com o Agricultor? A resposta é fácil de encontrar para quem, no último domingo, tenha estado em frente ao televisor "zappando" entre SIC e TVI ao longo do serão.
O cada vez mais evidente “separar das águas”

O cada vez mais evidente “separar das águas”

Vamos voltar atrás dois anos. Os Globos de Ouro de 2019 ditaram o princípio do fim de Cristina Ferreira na estação para onde se havia mudado e onde era a estrela mais cintilante. Cristina vivia um momento de glória: era líder de audiências, era rainha na internet, vendia a própria estação onde estava e o aumento de capital desta, enfim, transformara-se numa espécie de Midas, já que virava "ouro" tudo aquilo em que tocava. Eleita para apresentar a mais importante gala da SIC, a fada milagrosa da estação decidiu aproveitar o momento e ela própria brilhar. Fez um desfile de modelos de vestidos, quase ofuscou convidados e tanto, mas tanto fez que no final se viu isolada no seu pedestal, agarrada a Cláudio Ramos.
De 'Quer o Destino' a 'Festa é Festa'. O que tem mudado na novela?

De 'Quer o Destino' a 'Festa é Festa'. O que tem mudado na novela?

Como é que 'Quer o Destino' se transforma na única novela elegível para os Emmy? Muito simples: porque a forma de fazer novela em Portugal tem sofrido muitas mudanças, entre elas transformar as produções, de uma forma geral, em produtos em que a comédia ganha cada vez mais força.
Politicamente correto

Politicamente correto

Comecemos por aquela questão inevitável que se pode fazer a quem programa: o que (co)move as pessoas? Uma leitura rápida dirá, as grandes causas: racismo, homofobia, género, feminismo, ambiente... Estamos todos de acordo que estes são os grandes temas que os "twitteiros" adoram e que quem é obcecado por "estar sempre em cima do acontecimento" não pode passar ao lado.
Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Em equipa que ganha... voltamos a mexer!

Qual a última para nos "surpreender" – essa palavra que as televisões tanto gostam? Inventar apresentadores novos para o Big Brother. A minha pergunta, sentada no sofá, arrasada de tanta mexida, é: "Mas para quê?" Não estava bem como estava? O programa não era líder incontestado com Teresa Guilherme ou, depois, com Teresa Guilherme e Cláudio Ramos? Então, mexer para quê?

Mais Lidas

+ Lidas