'
Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Os murros de José Alberto Carvalho

Morreu-lhe uma tia, de 93 anos, e não pôde despedir-se dela. Era a sua segunda mãe. O jornalista da TVI partilhou os seus sentimentos em direto, no Jornal das 8, e deu-nos uma lição. A chorar por dentro, mas de pé. Como as árvores.
04 de abril de 2020 às 11:59
...
José Alberto de Carvalho
1. De pé como as árvores, como eu gosto. A partilhar os seus sentimentos mais privados, para mais de 1 milhão de espectadores, de cabeça levantada. Mas a chorar por dentro. Muito. Cada sílaba, cada palavra, ao som da ‘Va Pensiero’, de Giuseppe Verdi, era um murro no nosso estômago. "Hoje, foi sepultada uma pessoa da minha família, que sempre foi muito importante na minha vida. Sucumbiu aos 93 anos. Não foi vítima da covid-19... Mas o vírus tirou-me outra coisa: impediu que me despedisse dela."

José Alberto Carvalho, tal como Rodrigo Guedes de Carvalho o tem feito nas últimas semanas na SIC, abriu o coração, apertado, e prestou um serviço público aos portugueses. Emocionado, emocionou-nos. Quem diz que um jornalista não o pode fazer? Pode, claro que pode. E se puder ajudar a despertar consciências, melhor ainda.

"A cerimónia fúnebre foi reduzida, meia dúzia de pessoas apenas, sem um abraço de conforto, sem aquele pegar na mão para dizer ‘força’", disse ainda Zé Alberto no final do ‘Jornal das 8’: "O vírus rouba-nos até esta exigência moral de humanidade que é despedirmo-nos dos nossos mortos. E nunca, nem nos campos de batalha mais sangrentos, se deixam os mortos para trás."

Era outro murro no estômago do jornalista. Afinal, a mulher que tinha morrido era sua tia, aquela que o viu nascer, o ajudou a crescer e a ser o homem que é hoje. Passamos por momentos difíceis, dramáticos, impensáveis nas nossas vidas no início de 2020, mesmo quando a Covid-19 já matava milhares de chineses. Mas não podemos baixar os braços. Mesmo a chorar por dentro, como o Zé Alberto, como eu – como o leitor, tenho a certeza –, temos de olhar para a frente, muito ao estilo de Sebastião José de Carvalho e Melo: agora enterram-se os mortos e cuida-se dos vivos. 

2. Queria elogiar Pedro Teixeira, a mostrar em Quer o Destino, a nova novela da TVI, que começa a ser um ator de corpo inteiro, mas tenho de terminar com algo que nos deixa orgulhosos: há dias, recebi um e-mailde uma leitora, Céu Valério Cruz. "Bom dia, será possível fazer uma assinatura da vossa revista e mandarem-na para França?" Claro que sim, Céu. Um beijo de obrigado pela confiança. Boas leituras!

Mais notícias de O Tal Canal

As piruetas de Cristina Ferreira

As piruetas de Cristina Ferreira

A apresentadora e diretora da TVI trocou as voltas aos portugueses na quarta-feira, a ver onde é o melhor lugar para cada um, inclusive para ela. Sem admitir erros, tentando discreta e impercetivelmente arrumar de forma correta os colegas. Até quando esta desorientação estratégica?
Cristina Ferreira procura-se… e o lambe-botas também

Cristina Ferreira procura-se… e o lambe-botas também

Os três programas megalómanos da apresentadora na TVI correram mal. O que se passa? Até quando? Enquanto isso, anda aí um artista disposto a agradar-lhe… esquecendo-se de que gosta de marcar ‘paparazzi’ para ir sobrevivendo. Enfim, um Zé-ninguém.
Quem quer ser... visionário?

Quem quer ser... visionário?

O futuro da televisão passa mesmo só por Cristina Ferreira e Daniel Oliveira? Tenho saudades de Emídio Rangel e de José Eduardo Moniz, dois verdadeiros “generais”.
Maria do Céu Guerra sempre, Rui Pedro Braz nunca mais!

Maria do Céu Guerra sempre, Rui Pedro Braz nunca mais!

A atriz regressou em boa hora à televisão. Na novela ‘Festa É Festa’, da TVI, é sublime ver a sua arte para representar. Também a saída do comentador desportivo da estação para o Benfica é uma boa notícia para todos nós.
O que falta à TVI

O que falta à TVI

Cláudio Ramos e Maria Botelho Moniz são inferiores a Diana Chaves e João Baião, nas manhãs? Manuel Luís Goucha é pior do que Júlia Pinheiro, à tarde? Cristina Ferreira é assim tão má, no acesso ao prime time, que não ganha sequer um dia aos rivais, como Fernando Mendes? E a estratégia passar a mais “nós” e menos “eu”?
Tony Carreira: um pai destroçado

Tony Carreira: um pai destroçado

Não me interessa se a TVI esmagou nas audiências com a conversa do cantor com Manuel Luís Goucha. O que fica são as palavras de um homem marcado pela dor, mágoa, revolta, tristeza e angústia, que perdeu a filha, de 21 anos, num trágico acidente de viação.

Mais Lidas

+ Lidas