'
Quintino Aires
Quintino Aires Isto é só uma Opinião

Notícia

Amor

O desvario com que algumas pessoas lidam com o dito namoro entre a Bruna e o Bernardo mostra gente embrulhada nessa estranha forma de entender o amor. Ela a pensar na beleza do Brasil, ele ansioso por retomar os ralis.
20 de junho de 2022 às 13:08
...
Bernardo e Bruna Foto: instagram

Há pessoas que não aprendem. Décadas a tentarmos entender como funciona o amor. A tentarmos transformar os ridículos casamentos em que duas pessoas se juntavam apenas porque as tias diziam que ele era rapaz trabalhador e ela muito limpinha. Mas depois, a cada ano que passava, aumentava a distância, e no casamento dos filhos beijavam-se outra vez passados 20 anos. Estes eram os antigos amores, se não for ofensa dar-lhes este nome. Hoje, duas pessoas sentem-se atraídas, começam a conhecer-se e talvez se apaixonem, e se entendem o mundo de forma semelhante, poderão fazer um bonito casal unido pelo amor. Mas só com o tempo se descobre. É um processo de tentativa e erro. E o último amor será para sempre. Sei que esta transformação ainda não é geral. Ainda vemos, ao domingo, mulheres nos corredores do shopping sozinhas com os filhos, e as sogras continuam a ser responsabilizadas pela raiva que muitas mulheres sentem pelos maridos.

Não percebem que é a frustração de um casamento de mentira que lhes traz a raiva que sentem, a sogra não tem culpa desta história. Infelizmente, ainda temos mulheres que agarram os filhos como único afeto, porque a emoção pelo homem com quem cansaram acabou no dia do casamento. Infelizmente, esta triste realidade fica cada vez mais no passado. Mas ainda não é história. O desvario com que algumas pessoas lidam com o dito namoro entre a Bruna e o Bernardo mostra gente embrulhada nessa estranha forma de entender o amor. Ela a pensar na beleza do Brasil, ele ansioso por retomar os ralis.

Mas as fãs insistem em saber para quando o casamento e que nome darão aos filhos, e outras tantas loucuras. Com um sorriso amarelo, o casalinho tenta fugir à pergunta. Pergunto-me há quanto tempo esta gente não recebe um abraço ou um beijo. E só consigo imaginar que desde o tempo da ditadura. Confesso que sinto pena. Não da Bruna nem do Bernardo, que certamente saberão seguir os seus caminhos. Mas desta pobre gente, que deixa passar os anos que a vida lhes deu, afundadas em utopias, sem nunca descobrirem a beleza doce da paixão, do amor e do sexo, que poderiam sentir na própria alma e no corpo. Em vez disso, fantasiam a vida de outros, obrigando-os a querer o que eles não querem. E à noite só lhes resta sentarem-se ao lado do gatinho, que já nem suporta que o toquem.

Mais notícias de Isto é só uma Opinião

Sofrimento

Sofrimento

Depois do texto publicado na semana passada, mais uma vez foram muitas as mensagens com gente bastante irritada. Mensagens que expressavam um verdadeiro desespero, com a possibilidade de alguém dizer que talvez, eventualmente, a relação da Bruna e do Bernardo não fosse um amor eterno, como aqueles que ouvíamos na infância.
Amor

Amor

O desvario com que algumas pessoas lidam com o dito namoro entre a Bruna e o Bernardo mostra gente embrulhada nessa estranha forma de entender o amor. Ela a pensar na beleza do Brasil, ele ansioso por retomar os ralis.
Acabou

Acabou

Em vez de anónimos que vamos descobrindo, agora entram na casa famosos cuja vida já é do domínio público. E porque cada um tem vários compromissos sociais e profissionais, a Endemol e a TVI protegem-nos nisto e naquilo, e nem sabemos o que é verdade e o que é mentira.
Ninguém

Ninguém

Cabe na cabeça de alguém um concorrente entrar para um programa como este, com o objetivo de se expressar, de dizer qual a sua opinião sobre os mais variados temas, comentar o desempenho dos seus companheiros, e nunca diga nada?
Vida Real

Vida Real

Na semana passada, o Nuno e o Gonçalo envolveram-se numa zanga bem acesa. Na minha opinião, foram até bastante educados um com o outro. Nada do que ali aconteceu é para além do que fazem os seres humanos.
Salada com Cinza

Salada com Cinza

Eu ainda sou do tempo em que na casa do 'Big Brother' havia regras, e se faziam respeitar. Um tempo em que dentro da casa não se aceitava humilhar a diferença, e por isso não havia risadas em relação a crianças especiais ou em relação à identidade de género.