'
Quintino Aires
Quintino Aires Isto é só uma Opinião

Notícia

Piratas

Esta semana começo pelo Toninho do bigode e a sua permanente atitude de bicha fastidiosa, implicando e atacando todos os que o contrariam. O miúdo não consegue controlar o seu mimo. O comportamento da Débora é estúpido, o Ricardo é burro e não entende nem tem noção, ao Rafael sugere um par de estalos para acordar e se fazer à vida, passa por cima do Bruno como um camião a esmagar um obstáculo, e por aí vai. E esta é mesmo a relação do Toninho, que melhor mostra o quanto é hipócrita.
05 de dezembro de 2021 às 06:00
...
António Bravo, Big Brother
Ao ataque, meus piratas. Poderia ser o título das cenas destes últimos dias na casa do 'Big Brother'. Com a saída da única concorrente com atitudes adultas, que por isso mesmo oferecia um motivo de foco de atenção aos outros concorrentes, agora cada um se mostra de forma mais transparente.

Esta semana começo pelo Toninho do bigode e a sua permanente atitude de bicha fastidiosa, implicando e atacando todos os que o contrariam. O miúdo não consegue controlar o seu mimo. O comportamento da Débora é estúpido, o Ricardo é burro e não entende nem tem noção, ao Rafael sugere um par de estalos para acordar e se fazer à vida, passa por cima do Bruno como um camião a esmagar um obstáculo, e por aí vai.

E esta é mesmo a relação do Toninho, que melhor mostra o quanto é hipócrita. Se por um lado tenta sistematicamente excluir o Bruno, seja nas nomeações, nas críticas e nas não escolhas para companhia, por outro, quando o Bruno não o escolhe a ele, e nas suas palavras, já acha que "as manas" se deviam apoiar. À Ana Barbosa quase a fez explodir. Ela com um ataque de ansiedade, e ele não se calava, criticando-a e mandando-a controlar-se. Uma falta de empatia, uma falta de sensibilidade, uma arrogância infinita e uma prepotência atroz.

Só não escrevo que ele parece ter o rei na barriga, porque, segundo se acha, o rei é ele mesmo. Verdadeiramente aquilo que no meu tempo se chamava um triste-coitado. Ainda quis dar lições, mas espalhou-se ao comprido. Neste fim de semana reclamava porque ninguém sabia o significado de "criado", que ele tantas vezes explicou. Como se costuma dizer, acabou por "partir o verniz", e foi ele próprio a mostrar que a sua cultura é... assim pobrezinha. Confundiu o significado da palavra "criado", pessoa que presta serviços domésticos, empregado, com a origem histórica dessa palavra, que, no passado sim, seria alguém que cresceu, que foi criado, na casa do patrão a quem chamaria senhor. Enfim, julga-se um rei e não passa de um pirata. Um piratazinho.

Mais notícias de Isto é só uma Opinião

Sofrimento

Sofrimento

Depois do texto publicado na semana passada, mais uma vez foram muitas as mensagens com gente bastante irritada. Mensagens que expressavam um verdadeiro desespero, com a possibilidade de alguém dizer que talvez, eventualmente, a relação da Bruna e do Bernardo não fosse um amor eterno, como aqueles que ouvíamos na infância.
Amor

Amor

O desvario com que algumas pessoas lidam com o dito namoro entre a Bruna e o Bernardo mostra gente embrulhada nessa estranha forma de entender o amor. Ela a pensar na beleza do Brasil, ele ansioso por retomar os ralis.
Acabou

Acabou

Em vez de anónimos que vamos descobrindo, agora entram na casa famosos cuja vida já é do domínio público. E porque cada um tem vários compromissos sociais e profissionais, a Endemol e a TVI protegem-nos nisto e naquilo, e nem sabemos o que é verdade e o que é mentira.
Ninguém

Ninguém

Cabe na cabeça de alguém um concorrente entrar para um programa como este, com o objetivo de se expressar, de dizer qual a sua opinião sobre os mais variados temas, comentar o desempenho dos seus companheiros, e nunca diga nada?
Vida Real

Vida Real

Na semana passada, o Nuno e o Gonçalo envolveram-se numa zanga bem acesa. Na minha opinião, foram até bastante educados um com o outro. Nada do que ali aconteceu é para além do que fazem os seres humanos.
Salada com Cinza

Salada com Cinza

Eu ainda sou do tempo em que na casa do 'Big Brother' havia regras, e se faziam respeitar. Um tempo em que dentro da casa não se aceitava humilhar a diferença, e por isso não havia risadas em relação a crianças especiais ou em relação à identidade de género.