Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

A derrota eleitoral da SIC

A informação do canal de Paço de Arcos não deu conta do recado, nem entre as generalistas, nem entre os canais de cabo. Uma prova de que o "arrastão" de audiências não chega para disfarçar tudo.
11 de outubro de 2019 às 00:00
...
A derrota eleitoral da SIC
A irritante mania de transformar derrotas eleitorais pesadas numa qualquer espécie de vitória é, há décadas, uma das práticas que mais tem contribuído para o descrédito dos partidos políticos entre os portugueses. Geraram-se ao longo dos anos inúmeras piadas sobre esta arte da fuga, uma arte da qual o antigo líder do PCP, Álvaro Cunhal, foi o precursor e o grande mestre até ao fim da vida.

Esta é a razão pela qual o discurso de Rio na noite de domingo não indignou ninguém. Pelo contrário, foi recebido com um sorriso complacente pelos portugueses mais experientes – "lá está ele a tentar salvar a pele, nem que para isso nos tenha de tratar como parvos". Ora, se esta prática sempre foi criticada pelos jornalistas e pelos comentadores, é bizarro que seja mimetizada pelos canais de televisão. Segunda-feira, tanto a RTP1 como a TVI cantaram vitória. O português médio, que sabe que em qualquer duelo só há um vencedor, encolheu os ombros e não ligou.

Mas, se houve dois canais a cantar vitória, houve um que não ousou fazê-lo, porque não havia nenhum critério a que se agarrar. A_SIC, líder incontestada de audiências, teve uma emissão sem ritmo, com grafismos feios e ilegíveis, onde as fotos dos deputados estavam pintadas a cores vivas, e com rubricas que não funcionaram, como a de Pedro Mourinho. O alinhamento foi confuso e não rentabilizou, sequer, o naipe de comentadores. Resultado: derrota entre as generalistas e no cabo.

O rosto do diretor-geral de informação, no dia a seguir, no Primeiro Jornal, onde foi comentar os resultados eleitorais, não deixava margem para dúvidas. Nem tudo vai bem em Paço de Arcos.

Censura na TVI
A censura do Correio da Manhã na revista de imprensa da TVI vem dos tempos de descarado alinhamento editorial com o socratismo, entretanto disfarçado por razões táticas. Está por apurar qual o real contributo para a derrocada da estação desse conúbio antijornalístico entre a informação da TVI e Sócrates.

RTP foi a pior
A projeção à boca das urnas da RTP foi a pior das quatro apresentadas na noite eleitoral. Sem desprimor para o facto de as sondagens, em geral, terem estado muito bem, a verdade é que o desvio médio da RTP foi de 0,9 pontos percentuais, pior que os 0,8 da SIC, os 0,5 da TVI e os 0,2 da Intercampus, para a CMTV, a mais certeira de todas.


Prós e Contras
No dia a seguir às eleições, voltou o formato de Fátima Campos Ferreira, e com grande sentido de oportunidade. Juntou nove partidos, ou seja, o total dos que passam a ter representação parlamentar, incluindo os novos, e solitários, deputados do Chega, do Livre e da Iniciativa Liberal. Apesar de, a determinado momento, se ter perdido o foco na tentativa de saber o óbvio, ou seja, que a direita não conta para o próximo Governo, na verdade foi uma bela amostra da pluralidade das discussões parlamentares que aí vêm. A democracia sai pujante do 6 de outubro.

Fora de contexto
Domingo, a TVI ficou fora de jogo, por opção própria, para lançar às feras eleitorais Manuel Luís Goucha e o MasterChef. Uma decisão de grelha que derrotou o canal, e que quebrou qualquer hipótese de sucesso na média diária, que a SIC_voltou a ganhar, por um triz, apesar da derrota na emissão eleitoral. Seja por erros próprios, má sorte ou opções erradas de grelha, Goucha começa a ser um ativo tóxico para a TVI.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

Marcelo e o sem-abrigo

Marcelo e o sem-abrigo

Presidente da República agradeceu salvamento de bebé. As imagens da visita do chefe de Estado ao cidadão português que tinha acabado de se distinguir da multidão por salvar um bebé abandonado no lixo vão ficar na memória coletiva do País, e pelas melhores razões.
SIC, Terra Brava

SIC, Terra Brava

A nova novela da estação de Paço de Arcos marca a chegada definitiva à liderança da ficção nacional do canal, que, hoje em dia, ganha em todos horários e com uma margem crescente.
Mental QUÊ?

Mental QUÊ?

Trata-se de um programa de perguntas e respostas, que foge ao habitual porque o participante é metido numa geringonça. Podia funcionar, mas nada contraria a frieza da máquina onde o concorrente é agitado.
Assim NASCE uma Estrela

Assim NASCE uma Estrela

Para a edição deste ano, a RTP refrescou o júri e acertou em cheio. O formato ficou mais forte do que nunca, e por isso mesmo morde os calcanhares à SIC.
Marcelo HD

Marcelo HD

Presidente da República foi ao 'Alta Definição'. A emissão de sábado, sobretudo o seu resultado medíocre, marca o fim simbólico de uma era da democracia portuguesa. Os líderes políticos não mais serão formados no comentário televisivo.
A derrota eleitoral da SIC

A derrota eleitoral da SIC

A informação do canal de Paço de Arcos não deu conta do recado, nem entre as generalistas, nem entre os canais de cabo. Uma prova de que o "arrastão" de audiências não chega para disfarçar tudo.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!