Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

A novela do futebol

Reflexão sobre o fenómeno dos programas de análise do jogo e das transferências de jogadores que preenchem grande parte da grelha de todos os canais de informação no cabo.
05 de julho de 2019 às 10:44
...
A novela do futebol

Sem futebol jogado, analisemos os programas de debate nas televisões. São formatos com décadas de vida, que passaram das generalistas para o cabo. É difícil dizer se estes programas têm sucesso porque o cabo cresce, ou se o cabo cresce porque estes programas têm sucesso. Certo é que o modelo pouco varia: juntam-se adeptos dos três clubes com expressão sociológica e um ou outro comentador independente ou especialista em arbitragem. Nesta fase do ano, há uma nuance. As transferências são tema preferencial.

A SIC Notícias foi a última a aderir à receita e só agora passou a ter um programa igual à concorrência, à tarde e à noite. A multiplicação destas emissões transforma o futebol numa novela permanente que marca o ritmo da sociedade portuguesa, uma sociedade com pouco acesso ao jogo, devido aos preços dos canais que o emitem, mas apaixonada pela conversa, numa espécie de terapia de substituição. A narrativa que faz do futebol o desporto-rei nasce aqui.

Curiosamente, foram os clubes os primeiros a entendê-lo, ao procurarem influenciar painéis e colocar comentadores afetos aos respetivos poderes. Aqui, como em todas as áreas, a opção dos espectadores portugueses é sempre definida pela independência. Quem é mais livre acaba sempre por ganhar a preferência do auditório e quem está preso a interesses pode aguentar-se algum tempo, mas acaba por perder.

No fundo, os programas sobre futebol são uma lição para todos nós. Não passam de uma metáfora do País.                               

TVI perdeu 20% em 6 meses
O ano começou com a TVI na casa dos 19% e média de 379 mil espectadores. Em junho, o canal desceu para os 14,9% e perdeu mais de 100 mil pessoas por dia, tendo agora uma média de apenas 278 mil espectadores. Ou seja: em apenas 6 meses, fugiu um em cada cinco espectadores que acompanhavam o canal. Demolidor.

Lucélia Santos
Para os espectadores portugueses acima dos 40 anos, será para sempre a personificação da escrava Isaura, na narrativa original, a da Globo. A participação de Lucélia Santos na próxima novela da TVI é, para todos os efeitos, um acontecimento histórico. Porém, para o público-TVI, formatado na rejeição da ficção brasileira, trata-se de um contrassenso perigoso.

 
A IURD e a TVI
O conjunto de imputações que está a ser feito ao trabalho da TVI sobre as adoções da IURD é grave e impõe à estação um esclarecimento claro e urgente. A TVI apresentou as reportagens com pompa e circunstância e convenceu um vasto conjunto de personalidades para uma campanha de denúncia sob o lema "eu não adoto esse silêncio", personalidades que poderão agora sentir-se enganadas. O dano reputacional será gigantesco se as dúvidas ficarem a pairar.


Jogos Europeus
Ninguém sai bem visto do escândalo dos Jogos Europeus, de Minsk. Portugal ganhou 15 medalhas, as provas não deram na RTP e isso levou o governo a criticar a empresa pública. A RTP devia ter-se preocupado atempadamente, mas o governo também, visto que poderia ter incluído as provas na lista de interesse público, e não o fez. Criticar depois do mal-estar feito cheira a má consciência e a oportunismo político.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

O capacete azul da RTP

O capacete azul da RTP

Diretor de programas há um ano, pôs ordem na grelha, acabou com as séries insensatas e resgatou o estatuto ético da empresa. É muito pouco, mas já é alguma coisa. Avaliação do primeiro capítulo do mandato de José Fragoso.
A novela do futebol

A novela do futebol

Reflexão sobre o fenómeno dos programas de análise do jogo e das transferências de jogadores que preenchem grande parte da grelha de todos os canais de informação no cabo.
O POÇO sem fundo da TVI

O POÇO sem fundo da TVI

O fracasso da nova novela de Queluz de Baixo é mais um passo no caminho que está a empurrar para o último lugar a estação que liderou o mercado, sem contestação, durante 15 anos.
Refresh no 10 de Junho

Refresh no 10 de Junho

Todos os anos, as cerimónias do Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas são um aborrecimento televisivo. Este ano, a ideia de convidar um jovem de Portalegre que faz comentários na televisão e nos jornais teve o mérito de fazer o País falar sobre o assunto.
Humilhação merecida

Humilhação merecida

Pegar num grupo de autointitulados “influenciadores”, que no fundo não passam de pessoas que metem umas coisas na net, e achar que isso mexe com o País real das 7 da tarde, foi a mais recente loucura da TVI. 'Like Me' durou menos de uma semana.
O marketing do boato

O marketing do boato

Pegar em mitos, falsidades ou fantasias e verificar a respetiva veracidade é uma rubrica que ficaria melhor no entretenimento do canal de Paço de Arcos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!