Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

A TVI fez o sucesso da SIC

Ao dificultar a estreia da apresentadora no seu novo canal, os responsáveis de Queluz de Baixo aumentaram a curiosidade sobre o que aí vinha. A vitória de Cristina teve a ajuda dos seus antigos patrões.
10 de maio de 2019 às 07:00
...
A TVI fez o sucesso da SIC

O sucesso retumbante de Cristina na SIC teve uma ajuda preciosíssima da TVI. Quando a apresentadora assinou contrato com a sua nova estação teve de ficar largos meses fora do ar, por razões contratuais. Cristina foi anunciada em Carnaxide a 22 de agosto de 2018, mas só estreou o seu novo programa em janeiro do ano seguinte.

Passaram quase 5 meses, durante os quais o facto de estar fora do ar aumentou a curiosidade: afinal, o que vinha aí de tão importante para a TVI fazer finca-pé em dificultar a vida à sua antiga profissional? Pior: ao mesmo tempo que usavam todos os estratagemas possíveis para atrasar a estreia de Cristina na SIC, os responsáveis pela TVI emitiam diariamente concursos que a apresentadora deixou gravados. Chegou, inclusive, a haver dias em que a TVI só conseguia ultrapassar a SIC no momento em que Cristina Ferreira entrava no ar, com o seu arquivo.

Quem delineou esta estratégia em Queluz de Baixo devia ser fortemente penalizado, porque deu uma contribuição significativa para aumentar o impacto da contratação de Cristina Ferreira pela SIC. Moral da história: quando o talento decide mudar de empresa, a melhor estratégia para quem o perde é deixar que os profissionais apareçam rapidamente na sua nova estação. Assim, esvazia-se a curiosidade e prova-se que as marcas também têm um papel decisivo na construção do sucesso. Ao agir como agiu, com vistas curtas, a TVI deu uma inestimável ajuda à construção de uma marca que tudo arrasou no mercado. A marca-Cristina.

AQUILO NÃO É NADA
Sexta à noite estreou o novo talk show da RTP1, com José Pedro Vasconcelos ao leme. Trata-se de um apresentador com pouco carisma, que tem sobrevivido no canal 1 sem provar, ainda, o valor que o fez lá chegar. Aliás, há outros casos na televisão do Estado de apresentadores sem qualidades. Veremos como evolui. 

O VALOR DA POLÍTICA
Foi um drama bem encenado, com emoção em crescendo até ao desenlace. E, como todos os dramas emocionantes, resultou! O público aderiu. Às 17:00 daquela 6ª feira, o País aguardava, ansioso, pelo discurso de António Costa. A sequência em redor da lei dos professores mostra que a política também é suscetível de prender a atenção dos espectadores televisivos. 

O TÉNIS, ESSE DESCONHECIDO
Não é um desporto, é um modelo de negócio. É bizarro o investimento da TVI24 no Estoril Open, torneio que prejudica a estação e praticamente lhe retira toda a capacidade de manobra enquanto há jogos. No recinto, até pode haver um desfile de vaidades, mas um canal de informação tem uma relevância que justificaria não ser escravizado a determinados interesses comerciais. Resultado: transmissões praticamente fantasmas, com poucos milhares de espectadores.

PRÓXIMO DA RTP
A evolução do programa das manhãs da TVI tem, hoje em dia, um único sentido: Goucha aproxima-se perigosamente do resultado da Praça da Alegria, da RTP1, ou seja, do último lugar. Isso indica que o formato vai ter de mudar, e os apresentadores também. Quanto mais tempo a TVI resistir a essa realidade, pior para o canal. Mas o que tem de ser tem muita força, e vai impor-se.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

A Gioconda da Madeira

A Gioconda da Madeira

A audição ao comendador Joe Berardo, um dos maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos, indignou o País por causa de uma frase (“pessoalmente, não tenho dívidas”) e de um sorriso imoral.
A TVI fez o sucesso da SIC

A TVI fez o sucesso da SIC

Ao dificultar a estreia da apresentadora no seu novo canal, os responsáveis de Queluz de Baixo aumentaram a curiosidade sobre o que aí vinha. A vitória de Cristina teve a ajuda dos seus antigos patrões.
Espectadores em fuga

Espectadores em fuga

A SIC alarga a margem sobre a TVI, em perda em todos os horários menos nas novelas portuguesas. Mas, numa comparação mais abrangente, o que predomina é a queda dos canais tradicionais.
A imagem do caos nas TV

A imagem do caos nas TV

Greve dos camionistas quase parou o País. A cobertura da crise dos combustíveis falhou na antecipação das consequências da greve. Depois, as televisões recuperaram.
'MAX' destrói as 7 da tarde   

'MAX' destrói as 7 da tarde  

No período de acesso ao horário nobre, o cão-inspetor está a fazer resultados desastrosos, mostrando a desorientação do canal nesta fase em que tudo parece correr mal a Queluz de Baixo.
Nus e sem audiências

Nus e sem audiências

Começar do Zero voltou a perder, e ficou a cerca de 300 mil espectadores do concorrente da SIC. Análise a um formato que leva os reality shows a bater no fundo.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!