Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

'MAX' destrói as 7 da tarde  

No período de acesso ao horário nobre, o cão-inspetor está a fazer resultados desastrosos, mostrando a desorientação do canal nesta fase em que tudo parece correr mal a Queluz de Baixo.
12 de abril de 2019 às 07:41
...
'MAX' destrói as 7 da tarde   

Os leitores conhecem bem, porque já aqui falámos do tema várias vezes, a importância das 7 da tarde na vida de um canal de televisão em Portugal. Trata-se de uma faixa horária crítica para a saúde da indústria. O acesso ao horário nobre precede o período de maior investimento publicitário, e quem faz más audiências às 7 da tarde tem mais dificuldades em triunfar no jornal principal, bem como nos produtos que se lhe seguem, sejam eles novelas, concursos ou qualquer outro formato de grande orçamento.

A importância das 7 da tarde é tanta que os programadores procuram ser competitivos, de todas as formas ao seu alcance. O reverso da medalha é que os momentos de crise de cada canal se refletem de imediato neste horário. É aqui, às 7, que surgem os truques de magia, as tentativas desesperadas, as experiências condenadas ao fracasso.

As 7 da tarde são uma espécie de cemitério dos programadores: quem falha aqui acaba por sair do mercado. Alguns exemplos paradigmáticos dos tempos mais recentes: foi às 7 da tarde que Cristina Ferreira confirmou ser detentora de uma personalidade televisiva poderosa, derrotando Fernando Mendes, anteriormente rei do horário.
Foi aqui, também, que a SIC iniciou o ataque ao horário nobre, nesta nova fase de liderança da média diária, ao consolidar o diário dos Agricultores com resultados crescentes. É aqui, finalmente, que a TVI acaba de perder a cabeça, ao arriscar com o cão-polícia, um formato matinal de fim de semana. Arriscou e perdeu. O limiar dos 11% é baixo demais.  

Fair play
A SIC tem agora nos jornais uma espécie de caça à mentira. Chama-lhe Polígrafo, na tradição da máquina da verdade, que faz parte do passado do canal. Prova de fair play: assinalou e pediu desculpa pela utilização de uma  imagem, gravada no Paquistão, em 2017, e passada como se fosse da tragédia em Moçambique.

Futebol na TV
Já lá vão uns dias, mas, como o jogo deu em sinal aberto, muitos leitores ainda se lembrarão. O Sporting-Benfica teve uma realização péssima, com excesso de repetições, que fizeram o espectador perder o direto de parte relevante de muitas jogadas. É que o jogo continua enquanto a repetição decorre. Péssimo vício dos realizadores as repetições em excesso. 

La banda, no canal 1
Duas razões justificam atenção nas próximas semanas ao novo talent show da RTP1: o formato tem potencial e representa o regresso de Sílvia Alberto à apresentação, ela que continua a prometer muito, sendo que, por enquanto, ainda não é tarde demais para a sua carreira. Além disso, no passado domingo, dia de estreia, o canal 1 fez pouco mais de 8% de média diária, o que é péssimo, mas o La Banda ficou acima dos 13%, ou seja, fez melhor do que a estação, e com a concorrência forte que se conhece, aos domingos à noite. Acompanhemos com atenção.

A inutilidade do CGI
António Feijó, presidente do Conselho Geral Independente da RTP, habilita-se ao prémio de declaração mais bizarra do ano. Diz ele, em entrevista ao Expresso, que o Conselho, cuja missão é fiscalizar a administração, não interveio na polémica do protocolo com a Federação porque todas as decisões desse acordo "tinham um deferimento", ou seja, "tudo seria acordado no futuro". Confissão de inutilidade do CGI feita pelo presidente? 

Mais notícias de Televisão Meu Amor

Humilhação merecida

Humilhação merecida

Pegar num grupo de autointitulados “influenciadores”, que no fundo não passam de pessoas que metem umas coisas na net, e achar que isso mexe com o País real das 7 da tarde, foi a mais recente loucura da TVI. 'Like Me' durou menos de uma semana.
O marketing do boato

O marketing do boato

Pegar em mitos, falsidades ou fantasias e verificar a respetiva veracidade é uma rubrica que ficaria melhor no entretenimento do canal de Paço de Arcos.
A nova estreia de Maria

A nova estreia de Maria

A 'Tua Cara Não me É Estranha' teve uma estreia positiva. Assim que os “agricultores” da SIC saíram do ar, a TVI passou para a liderança e acabou por ganhar o dia. Bons augúrios para o novo projeto de Cerqueira Gomes.
A Gioconda da Madeira

A Gioconda da Madeira

A audição ao comendador Joe Berardo, um dos maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos, indignou o País por causa de uma frase (“pessoalmente, não tenho dívidas”) e de um sorriso imoral.
A TVI fez o sucesso da SIC

A TVI fez o sucesso da SIC

Ao dificultar a estreia da apresentadora no seu novo canal, os responsáveis de Queluz de Baixo aumentaram a curiosidade sobre o que aí vinha. A vitória de Cristina teve a ajuda dos seus antigos patrões.
Espectadores em fuga

Espectadores em fuga

A SIC alarga a margem sobre a TVI, em perda em todos os horários menos nas novelas portuguesas. Mas, numa comparação mais abrangente, o que predomina é a queda dos canais tradicionais.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!