Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

O marketing do boato

Pegar em mitos, falsidades ou fantasias e verificar a respetiva veracidade é uma rubrica que ficaria melhor no entretenimento do canal de Paço de Arcos.
31 de maio de 2019 às 08:00
...
O marketing do boato

Chama-se polígrafo e é uma rubrica regular do jornal da noite da SIC. Um dos objetivos centrais é verificar se determinados boatos, mitos ou ideias feitas têm, ou não, alguma base de verdade. O dispositivo é sempre o mesmo. Informa-se o auditório de que existe o tal mito ou boato, mostra-se e detalha-se essa informação, tal e qual supostamente ela "corre por aí" ( seja o "aí" a internet, a vox populi ou outro meio qualquer), e depois procura-se demonstrar se é ou não real. Exemplos? Soares pisou ou não a bandeira nacional? Cavaco foi ou não "bufo" da PIDE? No final de cada bloco, aparece então o veredicto, através de um gráfico, indicando se se trata de uma verdade, de uma falsidade, ou de algo que fica numa zona cinzenta, entre verdade e mentira. Já agora, nos casos referidos, o veredicto é negativo.

No polígrafo da SIC também há variações, como a verificação de declarações de personalidades públicas, ou as contradições em que essas personalidades muitas vezes caem ao longo do tempo. Fazer a verificação da verdade das palavras, atos ou estatísticas é uma obrigação jornalística, e sistematizá-la num programa até poderia ser boa ideia. O problema é quando fica no ar a ideia de que uma rubrica como esta mais não é do que um pretexto para emitir e esmiuçar boatos e fantasias, sob a capa das mais nobres intenções, mas com o único fito de atrair mais público, neste caso para o Jornal da Noite da SIC. Ou seja, pode ser uma excelente ideia para o entretenimento, um golpe de marketing audacioso, mas integrá-lo num jornal configura um truque de categoria duvidosa.

É, aliás, sintomático que a SIC tenha escolhido o polígrafo para a parte final do jornal no dia em que, logo a seguir, estreou a nova novela de horário nobre. Trata-se do reconhecimento de que a natureza dos dois produtos encaixa como uma luva, o que não é propriamente um elogio para o principal jornal da SIC. Eis a síntese do polígrafo: se é para validar factos, isso chama-se jornalismo. Se é para emitir teorias do incrível, faça-se entretenimento. Num canal clássico como a SIC, não há outra forma. Ou seja: o polígrafo é um passo em falso da informação da SIC.
 

Manuela silenciada
É algo bizarro que a grande aposta da SIC para o comentário tenha sido esquecida, quer na noite eleitoral, quer no dia a seguir, segunda-feira, precisamente o dia de Manuela Moura Guedes. No seu horário apareceu o primeiro-ministro, António Costa. Algo se passa. Estará a SIC a desistir da procuradora? 

Boa realização
Talvez escaldados pelas péssimas realizações televisivas, habituais entre nós, os organizadores da final da Taça terão acautelado a qualidade da transmissão, e o Sporting-FC Porto, além de ter dado um prémio grande à RTP, com prolongamento e penáltis, foi, provavelmente, o jogo com melhor tratamento televisivo entre nós em toda a época.

A vitória de RAP
Ricardo Araújo Pereira é o grande vencedor televisivo das eleições europeias. A TVI não teve sondagem nem projeção, teve um grafismo medonho, teve comentadores institucionais que não cativaram um espectador a mais, teve um cenário deslavado. Mas teve a rubrica de Araújo Pereira, alinhada estrategicamente para os momentos mortos da contagem dos votos. Resultado: a TVI derrotou a SIC na noite eleitoral, algo que muito gozo deve dar aos seus responsáveis, que assim ganham algum alento nesta fase tão difícil para a empresa.  

Golpe de sorte
A SIC estreou uma nova novela, apelidada de série, para cativar os espectadores, feita, desta vez, pela Coral, em vez do parceiro preferencial, a SP. O arrastão de audiências da SIC acabará por levar, também, a ficção nacional para a liderança. Veremos se um conjunto de ideias simples, postas em prática nesta nova novela, apressam, ou não,  essa chegada da SIC à liderança no horário nobre. Para já, bom começo.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

Humilhação merecida

Humilhação merecida

Pegar num grupo de autointitulados “influenciadores”, que no fundo não passam de pessoas que metem umas coisas na net, e achar que isso mexe com o País real das 7 da tarde, foi a mais recente loucura da TVI. 'Like Me' durou menos de uma semana.
O marketing do boato

O marketing do boato

Pegar em mitos, falsidades ou fantasias e verificar a respetiva veracidade é uma rubrica que ficaria melhor no entretenimento do canal de Paço de Arcos.
A nova estreia de Maria

A nova estreia de Maria

A 'Tua Cara Não me É Estranha' teve uma estreia positiva. Assim que os “agricultores” da SIC saíram do ar, a TVI passou para a liderança e acabou por ganhar o dia. Bons augúrios para o novo projeto de Cerqueira Gomes.
A Gioconda da Madeira

A Gioconda da Madeira

A audição ao comendador Joe Berardo, um dos maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos, indignou o País por causa de uma frase (“pessoalmente, não tenho dívidas”) e de um sorriso imoral.
A TVI fez o sucesso da SIC

A TVI fez o sucesso da SIC

Ao dificultar a estreia da apresentadora no seu novo canal, os responsáveis de Queluz de Baixo aumentaram a curiosidade sobre o que aí vinha. A vitória de Cristina teve a ajuda dos seus antigos patrões.
Espectadores em fuga

Espectadores em fuga

A SIC alarga a margem sobre a TVI, em perda em todos os horários menos nas novelas portuguesas. Mas, numa comparação mais abrangente, o que predomina é a queda dos canais tradicionais.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!