Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

O mundo da magia

'Impossível' é um formato original de Luís de Matos, é emitido em directo das instalações da empresa do mágico, em Ansião, e aparece como um objecto estranho na grelha da RTP1.
15 de setembro de 2017 às 18:51

Da primeira para a segunda emissão, Impossível perdeu 115 mil espectadores. Depois de uma estreia auspiciosa, no primeiro fim-de-semana de Setembro, com 14,2% de share, o programa desceu para pouco mais de 10% no Sábado a seguir, e ficou abaixo da média da estação.

'Impossível' é um objecto estranho e difícil de catalogar. Trata-se de uma espécie de talk show, com um sofá onde ficam os convidados. O alinhamento é pontuado por uma série de performances, as quais, sempre que possível, envolvem os convidados centrais. Parte substancial do conteúdo tem a ver com a magia, com autênticas estrelas mundiais – David Copperfield, por exemplo, é um dos elementos fixos da emissão.

Luís de Matos mostra que passou ao lado de uma carreira sólida como apresentador. Faz a gestão dos conteúdos com desenvoltura, mesmo quando tem de fazer tradução simultânea de convidados estrangeiros. O cenário é vistoso e eficaz, e a produção deixa bem à vista todo o dinheiro investido, e que não deve ter sido pouco.

Ora, com toda esta complexidade de produção, e com estrelas globais em directo, numa área tão popular como a magia, o que falta para fazer de 'Impossível' um verdadeiro espectáculo para toda a família, no serão de Sábado? Creio que um dos problemas actuais da RTP1 é a heterogeneidade do canal. Não parece haver um conceito de onde emanam as apostas, antes uma manta de retalhos que se juntam quase por acaso. Sente-se isso com Impossível: o desconforto de estar a ver um programa moderno num canal obsoleto. Estranha-se e não se entranha.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

Cristina e o 'chef' a dividir

Cristina e o 'chef' a dividir

A SIC recuperou a liderança, a TVI afundou-se e a RTP estabilizou em 2019. Mas. no final, foi o furacão Ljubomir Stanisic que acabou por se impor como um dos protagonistas.
Eu, abaixo-assinado

Eu, abaixo-assinado

Nos moldes em que foi feita, a defesa da ex-diretora da RTP procura consagrar o jornalismo como uma espécie de sistemas de castas, com valores e normas éticas à parte do resto da sociedade. Isso é intolerável.
O ano do 'Sexta às 9'

O ano do 'Sexta às 9'

Consegue manter no ar um programa com investigações relevantes, e a fazer audiências. Enfrenta com coragem a tentativa de condicionamento por parte da direção da RTP. Sandra Felgueiras é uma das figuras do ano.
Manual de realização

Manual de realização

TVI derrota a SIC. Baratas, fogões imundos, comida apanhada do chão, um cozinheiro muçulmano que não pode provar os petiscos. O Pesadelo... tinha tudo para arrasar. Mas teve, sobretudo, um realizador de eleição.
Da Amadora para o RIO

Da Amadora para o RIO

Durante a homenagem na Câmara da cidade, Jesus bem perguntou, à esquerda e à direita: "Então e o hino de Portugal?"A bandeira das quinas ostentada pelo treinador não chegou para aproximar os países irmãos.
O Polígrafo e a SIC

O Polígrafo e a SIC

O conjunto de suspeitas éticas e deontológicas que recaem sobre o criador do site é grave e não deve ser menosprezado pela classe jornalística. Rubrica faz parte do 'Jornal da Noite', à segunda-feira

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;