Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

O POÇO sem fundo da TVI

O fracasso da nova novela de Queluz de Baixo é mais um passo no caminho que está a empurrar para o último lugar a estação que liderou o mercado, sem contestação, durante 15 anos.
28 de junho de 2019 às 07:06
...
O POÇO sem fundo da TVI

Ao ritmo a que a fuga de espectadores da TVI se está a processar, começa a ser provável uma rápida passagem da RTP1 para o segundo lugar no ranking de audiências. Se a vitória da SIC era mais ou menos previsível, uma vez reorganizada a empresa, e aqui foi prevista assim que a direção de programas foi empossada, há cerca de um ano, caso se concretize a queda da TVI para o último lugar isso representará uma surpresa total, e um fracasso tremendo da estratégia delineada pelo proprietário espanhol da Media Capital, pela administradora Rosa Cullel, e pelos líderes do canal, quer ao nível de direções, quer ao nível dos vários consultores que opinam e decidem na programação e na informação.

A eventual ultrapassagem do canal 1 vai representar o canto do cisne de toda uma geração de decisores que fez carreira à sombra do prolongamento artificial do sucesso de um modelo de TVI que já desapareceu. Se olharmos para um dia inteiro de programação, um dia normal como a terça-feira passada, vemos que a TVI perde para a RTP1 em quase todos os horários, menos, por enquanto, nas novelas portuguesas. Goucha, informação da manhã, jornal da uma, longos períodos da tarde, o noticiário do horário nobre – vai tudo a eito, na derrota perante a televisão do Estado.

Na média mensal, há ainda um ponto percentual e meio a separar os canais. Mas o fosso entre a TVI e os portugueses cresce a toda a hora. Trata-se de um dos movimentos de audiências mais surpreendentes da História da televisão em Portugal. Irá parar? 

As gralhas das TV - 1
No verão, a falta de investimento das televisões agrava a falta de competência e as gralhas multiplicam-se. Na TVI, a crescente aposta no desporto, com a proliferação de rubricas e comentadores, não evitou que o treinador da moda fosse rebatizado como "Jorje" Jesus. Até graficamente fica mais feio que o original. 

Gralhas - parte 2
Mas que ninguém diga "desta água não beberei" no que aos erros diz respeito. Na SIC Notícias consegue-se fazer um direto de uma das maiores agências mundiais de notícias para comentar o mercado bolsista e registar-se a subida das "bolas". Nada escapa a esta praga, que carece de um cuidado maior e de um controlo mais apertado nas redações. A bem da língua portuguesa. 

Gralhas - parte 3
"Jorje" em vez de Jorge pode ser erro de simpatia; "bolas" no lugar de bolsas pode ser mera dislexia; já os erros gramaticais são mais difíceis de travar, e têm efeitos mais graves, porque muitos dos nossos jovens contactam com o português escrito apenas através da televisão e dos dispositivos móveis que a reproduzem. O superlativo de inteligente devia ser inteligentíssimo, mas não foi, neste caso no Telejornal da RTP1.

Confundir as coisas
Colocar estrelas do canal a promover um empréstimo obrigacionista é um risco enorme para todos. Desde logo, para os investidores. Ser boa apresentadora ou bom ator não significa necessariamente fazer  bons investimentos, muito menos capacita seja quem for a dar bons conselhos de mercado. Risco, também, para os profissionais convocados pela SIC para a ação: eles estão a empenhar os seus laços com os espectadores com opções extraprofissionais. Para as audiências da SIC, o risco é claro: a simpatia dos espectadores não é infinita. A confusão de planos é um risco.

Mais notícias de Televisão Meu Amor

O capacete azul da RTP

O capacete azul da RTP

Diretor de programas há um ano, pôs ordem na grelha, acabou com as séries insensatas e resgatou o estatuto ético da empresa. É muito pouco, mas já é alguma coisa. Avaliação do primeiro capítulo do mandato de José Fragoso.
A novela do futebol

A novela do futebol

Reflexão sobre o fenómeno dos programas de análise do jogo e das transferências de jogadores que preenchem grande parte da grelha de todos os canais de informação no cabo.
O POÇO sem fundo da TVI

O POÇO sem fundo da TVI

O fracasso da nova novela de Queluz de Baixo é mais um passo no caminho que está a empurrar para o último lugar a estação que liderou o mercado, sem contestação, durante 15 anos.
Refresh no 10 de Junho

Refresh no 10 de Junho

Todos os anos, as cerimónias do Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas são um aborrecimento televisivo. Este ano, a ideia de convidar um jovem de Portalegre que faz comentários na televisão e nos jornais teve o mérito de fazer o País falar sobre o assunto.
Humilhação merecida

Humilhação merecida

Pegar num grupo de autointitulados “influenciadores”, que no fundo não passam de pessoas que metem umas coisas na net, e achar que isso mexe com o País real das 7 da tarde, foi a mais recente loucura da TVI. 'Like Me' durou menos de uma semana.
O marketing do boato

O marketing do boato

Pegar em mitos, falsidades ou fantasias e verificar a respetiva veracidade é uma rubrica que ficaria melhor no entretenimento do canal de Paço de Arcos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
doremim Há 1 semana

760 100 123 ! De 10 a 15mn seguidos de pub! Aturar homosexuais parece ser moda! Ai de mim que sou hétero, por isso anormal! Já não há diretores de programas com capacidade? Em que lixeira apanharam o Oliveira Daniel....

Anónimo Há 1 semana

SÃO UMAS BOAS BOSTASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.OU SEJA VALEM 0000000000000000000000000000000000000.