Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão, meu amor

Notícia

O programa do ano

O reality show é um fenómeno e está a desorientar a TVI, que menosprezou a ameaça e acabou por sacrificar, no caminho, a apresentadora Fátima Lopes.
30 de novembro de 2018 às 07:00
...
O programa do ano

A televisão generalista precisava de um fenómeno assim. Um programa que cria estrelas vindas do nada, que passam a acompanhar-nos todos os dias através do fio das revistas e dos programas cor-de-rosa. Gente como a Ana, o Dave, o João ou a Isabel, pessoas que não sabemos bem quem são, mas que decidiram expor-se, à procura de um lugar ao Sol.

Que esse lugar ao Sol, desta vez, seja uma nesga de amor só prova que a televisão também pode ser um lugar nobre, nem que seja a fazer do amor um belíssimo negócio de audiências. Quem diz que o negócio é uma coisa negativa? Outro balanço que já se pode fazer indica que a TVI  claramente menosprezou o desafio colocado pela nova dinâmica da SIC, e que se materializa essencialmente através dos casamentos. Em gravíssima crise de liderança, e com a informação mal dirigida, a TVI foi atacada quando passava pelo momento mais vulnerável, e hoje em dia apenas a ficção mantém a honra do convento.

Pelo caminho, a forma como a TVI humilhou Fátima Lopes, anulando o formato que lhe tinha sido entregue antes mesmo de estrear, é prova de que, neste caso, Roma paga a traidores  (salvaguardado o simbolismo da metáfora, naturalmente): Cristina Ferreira mudou--se para a SIC mas continua na antena da TVI, numa atitude que ganha o prémio de decisão mais estúpida da década na indústria dos media, enquanto a fiel Fátima Lopes é achincalhada, com o programa na prateleira. Talvez esteja aqui a solução para o calcanhar de Aquiles da SIC, a necessidade de refundar as tardes e ultrapassar o equívoco-Júlia Pinheiro.

Cristina nas Arábias 

A caminho da estreia, Cristina Ferreira aposta forte e prepara-se para arrancar com Jorge Jesus, numa autêntica romaria das arábias. Antes mesmo do balanço do ano, convém sabermos que, quanto mais não seja no domínio simbólico, a luta pela liderança entre SIC e TVI vai jogar-se nas manhãs. Uma bizarria do nosso mercado.

Ministra inculta

A ministra da Cultura é o novo erro de casting do Governo. Depois de ter chamado "pouco civilizados" aos que gostam de tourada, agora diz que o melhor de estar no estrangeiro é não ler jornais portugueses. A frase prova que falta muita cultura à ministra da Cultura, desde logo porque ler jornais é saber mais. Lamentável!

O fenómeno

Chegou ao fim a segunda temporada de Pesadelo na Cozinha. O mínimo que se pode dizer é que os decisores de Queluz de baixo já estão com saudades do chef Ljubomir. A paragem da emissão num domingo chegou para fazer disparar o Casados, da SIC. Imagine-se o que aí vem, agora que não há mais cozinhados nas noites de domingo. Esta segunda temporada foi globalmente mais fraca que a primeira, mas chegou bem para as encomendas, com uma média global acima dos 25%. Que volte depressa. A televisão generalista precisa muito dele.

Um ovni no alinhamento

Terça-feira, dia de Bayern-Benfica, para a Champions. Às 13:44, no Jornal da TVI, a enviada a Munique anuncia uma peça com as declarações de Rui Vitória sobre o jogo. A reportagem que entra refere que o Benfica vai jogar com o Basileia, a quem Vitória espera "ganhar". Ou seja, entrou a peça de há mais de um ano. O jornal seguiu em frente, sem uma palavra sobre o erro. Provavelmente ninguém reparou.

Mais notícias de A Grelha da Semana

O morgado e o deserdado

O morgado e o deserdado

Também a televisão tem horror ao vazio, como a natureza e a política. Grande ideias, formatos maravilhosos, apresentadores geniais, quantas vezes de nada valem porque alguém trabalha mais.
Cristina e o 'chef' a dividir

Cristina e o 'chef' a dividir

A SIC recuperou a liderança, a TVI afundou-se e a RTP estabilizou em 2019. Mas. no final, foi o furacão Ljubomir Stanisic que acabou por se impor como um dos protagonistas.
Eu, abaixo-assinado

Eu, abaixo-assinado

Nos moldes em que foi feita, a defesa da ex-diretora da RTP procura consagrar o jornalismo como uma espécie de sistemas de castas, com valores e normas éticas à parte do resto da sociedade. Isso é intolerável.
O ano do 'Sexta às 9'

O ano do 'Sexta às 9'

Consegue manter no ar um programa com investigações relevantes, e a fazer audiências. Enfrenta com coragem a tentativa de condicionamento por parte da direção da RTP. Sandra Felgueiras é uma das figuras do ano.
Manual de realização

Manual de realização

TVI derrota a SIC. Baratas, fogões imundos, comida apanhada do chão, um cozinheiro muçulmano que não pode provar os petiscos. O Pesadelo... tinha tudo para arrasar. Mas teve, sobretudo, um realizador de eleição.
Da Amadora para o RIO

Da Amadora para o RIO

Durante a homenagem na Câmara da cidade, Jesus bem perguntou, à esquerda e à direita: "Então e o hino de Portugal?"A bandeira das quinas ostentada pelo treinador não chegou para aproximar os países irmãos.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;