'
Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues TV Meu Amor

Notícia

O sucesso de Goucha

A primeira emissão da nova 'Casa dos Segredos' entrou para o top 5 das melhores estreias de sempre de 'reality shows' em Portugal. O novo apresentador já justificou o lugar.
02 de março de 2018 às 07:00
...
Manuel Luís Goucha

Há três pessoas que deram um enorme contributo para o  triunfo de Goucha como apresentador da 'Casa dos Segredos'. São elas Júlia Pinheiro, Teresa Guilherme, e a personagem-mistério que convenceu Bruno Santos a abandonar a bizarra aposta em formatos originais, como o que "queimou" Fátima Lopes, e a regressar aos 'reality shows' "clássicos".

Comecemos por Júlia Pinheiro. O leitor perguntará: como aparece uma directora da SIC na lista de responsáveis por um sucesso da TVI? Simples. Foi Júlia Pinheiro quem primeiro validou a escolha de Goucha como acertada e vencedora. Disse Júlia, assim que Manuel Luís foi anunciado: "Ele vai dar-nos uma sova tremenda. E eu, com grande sorriso, vou abrir as audiências para ver o grande triunfo do meu amigo." Não há testemunho nem prova do sorriso de Júlia, segunda-feira passada, ao abrir as audiências e verificar que tinha acertado em cheio. No entanto, ficámos a saber que, afinal, é Júlia, e não Teresa, quem melhor lê o futuro nos astros...

Vejamos, então, Teresa Guilherme. Também ela deu o seu contributo para esta vitória. A antiga apresentadora deixou-se enredar num complexo esquema de marketing, no qual a rivalidade entre ela e Goucha colocou meio mundo a falar da nova 'Casa', muito antes de o programa estrear.

Por fim, e com o acerto da decisão validado pelo milhão e 700 mil espectadores registados na primeira emissão, talvez o director da TVI, Bruno Santos, perceba que os 'reality shows' são um assunto demasiado sério para procurar receitas originais, que podem dar boa imagem, mas, em geral, dão mau resultado.

Mais notícias de Grelha da semana

A televisão salva vidas

A televisão salva vidas

Cristina foi ao 'Você na TV' e contou o seu isolamento profilático. Os afortunados espetadores terão aprendido mais sobre a Covid naqueles minutos do que em meses de comunicação institucional. O programa contribuiu para salvar vidas.
O morgado e o deserdado

O morgado e o deserdado

Também a televisão tem horror ao vazio, como a natureza e a política. Grande ideias, formatos maravilhosos, apresentadores geniais, quantas vezes de nada valem porque alguém trabalha mais.
Cristina e o 'chef' a dividir

Cristina e o 'chef' a dividir

A SIC recuperou a liderança, a TVI afundou-se e a RTP estabilizou em 2019. Mas. no final, foi o furacão Ljubomir Stanisic que acabou por se impor como um dos protagonistas.
Eu, abaixo-assinado

Eu, abaixo-assinado

Nos moldes em que foi feita, a defesa da ex-diretora da RTP procura consagrar o jornalismo como uma espécie de sistemas de castas, com valores e normas éticas à parte do resto da sociedade. Isso é intolerável.
O ano do 'Sexta às 9'

O ano do 'Sexta às 9'

Consegue manter no ar um programa com investigações relevantes, e a fazer audiências. Enfrenta com coragem a tentativa de condicionamento por parte da direção da RTP. Sandra Felgueiras é uma das figuras do ano.
Manual de realização

Manual de realização

TVI derrota a SIC. Baratas, fogões imundos, comida apanhada do chão, um cozinheiro muçulmano que não pode provar os petiscos. O Pesadelo... tinha tudo para arrasar. Mas teve, sobretudo, um realizador de eleição.

Mais Lidas

+ Lidas