Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

2017 (I)

Dedico as duas últimas crónicas do ano, que está a chegar ao fim, ao balanço do que vivemos e, sobretudo, daquilo que nunca deveríamos ter vivido. Por agora, apenas três memórias.
24 de dezembro de 2017 às 07:00

Antes de evocar qualquer outro episódio, saliente-se a tragédia do fogo. Nunca em Portugal, desde que existem registos, houve coisa assim. Cento e oito mortos, mais de quinhentos mil hectares de mata e floresta ardida, centenas de empresas destruídas, centenas de habitações, milhares de cabeças de gado, põe Pedrógão Grande e, três meses depois, o tristemente célebre 15 de Outubro no topo dos acontecimentos que marcaram a vida portuguesa.

A resposta do Estado a estes eventos fatídicos foi de tal modo débil e incompetente que, pela primeira vez, foi publicamente reconhecida a frágil e miserável resposta pelo Presidente da República. Passados meses sobre os dois desastres ainda se fazem estudos, ainda se apuram responsabilidades enquanto, na maioria dos casos, as vítimas e seus familiares esperam a reacção das autoridades ao flagelo que sobre o País se abateu.

O segundo acontecimento, que pôs a nu a negligência de quem nos governa, foi o assalto ao paiol de Tancos. Com laivos anedóticos. Naquela que deveria ser uma das unidades militares mais vigiadas do país, desapareceu um sem número de armas e explosivos. Haveriam de ser descobertos meses mais tarde. Com um bónus. Os ladrões abandonaram mais material de guerra do que havia sido roubado. Pelo meio ficaram desculpas esfarrapadas. Generais promovidos e demitidos, uma grande algazarra parlamentar e, até hoje, ainda não se sabe quem foram os assaltantes.

Finalmente, a novela vergonhosa que se desenvolveu sob a tutela do ministério da Saúde e que conduziu à morte de seis pessoas e à enfermidade de um grupo bem maior, infectados com legionella, num hospital lisboeta. Gente que ali acorreu para tratar da saúde e que teve como resposta serem mortos pelo ar condicionado do hospital. Responsáveis? Não existem ou deles não se deu conta. De facto, o povo é sereno.

Feliz Natal!

Mais notícias de Dicionário do Amor

Repulsa

Repulsa

Repulsa: s.f. Aquilo que só os desamados conseguem sentir; só quem consegue sentir repulsa merece a minha repulsa.
Caldo avinagrado

Caldo avinagrado

As redes sociais não são más porque nelas lemos, e vemos, palavras ordinárias, frases ainda mais reles, porque o insulto tem rédea solta. Pelo contrário. São uma poderosa fonte de liberdade.
Boa noite, Manuela

Boa noite, Manuela

Não sei que problemas Manuela Moura Guedes poderá trazer no futuro à SIC, dentro e fora de portas, o que sei é que a nova estrela da estação de Carnaxide para a área da informação.
Jornalistas em perigo

Jornalistas em perigo

No espaço de 1 ano, 3 repórteres foram assassinados na União Europeia. Todos investigavam esquemas de corrupção, máfias e poder político. A democracia jamais pode ser dada como adquirida.
Dias Fáceis

Dias Fáceis

Devemos respeitar a tristeza, mas não devemos alimentá-la, sob o risco de se tornar num monstro. Os monstros ocupam muito espaço, requerem muita atenção, podem virar-se a nós a qualquer momento e impedem-nos de viver a vida sem medo.
Renitência

Renitência

Renitência: s.f. Constructo psicológico próprio dos humanos; quem nunca tremeu nunca viveu.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável