Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Bárbara Guimarães

Dificilmente Manuel Maria Carrilho vai escapar ao cumprimento de pena de prisão efectiva. Já condenado em dois processos com sentenças suspensas, vai liquidar a expectativa de viver as condenações por violência doméstica em liberdade.
13 de novembro de 2017 às 14:56

Dificilmente Manuel Maria Carrilho vai escapar ao cumprimento de pena de prisão efectiva. Já condenado em dois processos com sentenças suspensas, o julgamento, que está em vias de chegar ao fim, vai liquidar a expectativa de viver as condenações por violência doméstica em liberdade. Dificilmente sairá sem outra condenação, na medida em que o acórdão, que o condena a quatro anos e meia de prisão suspensa, condicionará a decisão do tribunal que se segue no rol de julgamentos a que este indivíduo foi sujeito. A verdade é que a sua intervenção no espaço público, indiferente ao bem supremo que deveria proteger, os filhos de ambos, se tem pautado por uma arrogância desmedida, completamente transtornado e obcecado em fazer mal a Bárbara Guimarães. No fundo, este homem continua a violentar a ex-companheira, multiplicando as sessões de espectáculo público, seja em torno da apresentadora, seja em aparente defesa dos filhos. Digo aparente defesa das crianças porque, na verdade, aquilo que temos assistido é a uma verdadeira manipulação dos filhos, como, aliás, reconheceu o tribunal, para dirimir um conflito entre adultos.

Este é o caso. O interesse superior do crescimento, bem-estar e educação dos filhos menores não pode, e não deve ser tocado, pelos interesses particulares dos pais. Sobretudo quando colidem e decidem separar-se. A atitude de Carrilho não é diferente daquela que muitas mulheres e muitos homens assumem na disputa de uma auto-vitimação que atribui ao outro todos os males do mundo. Imiscuir os filhos nos conflitos matrimoniais, ou pós-divórcio, é usar os elos mais fracos, que ainda unem um casal, para os maltratar em primeira instância, para os magoar querendo magoar o parceiro(a), desorientando-os, causando sofrimento cujas sequelas se prolongam pela vida fora.

Por outro lado, esta cruel evidência da violência doméstica destrói a reputação de quem faz este uso abusivo de quem devia proteger por dever de amar. Como diria a poetisa Rosália Castro, os filhos não foram ouvidos na hora em que nasceram. Não puderam escolher. São apenas filhos.

Mais notícias de Por Detrás da Câmara

Pimenta na língua

Pimenta na língua

O comentário, que Paulo Dentinho continua a garantir não ser um juízo de valor, uma referência direta ao verão louco de CR7 em 2009, fragilizou o homem forte da informação da RTP e conseguiu afastá-lo da direção, algo que as investidas do ex-colega Carlos Daniel não conseguiram sequer beliscar.
Repulsa

Repulsa

Repulsa: s.f. Aquilo que só os desamados conseguem sentir; só quem consegue sentir repulsa merece a minha repulsa.
Caldo avinagrado

Caldo avinagrado

As redes sociais não são más porque nelas lemos, e vemos, palavras ordinárias, frases ainda mais reles, porque o insulto tem rédea solta. Pelo contrário. São uma poderosa fonte de liberdade.
Boa noite, Manuela

Boa noite, Manuela

Não sei que problemas Manuela Moura Guedes poderá trazer no futuro à SIC, dentro e fora de portas, o que sei é que a nova estrela da estação de Carnaxide para a área da informação.
Jornalistas em perigo

Jornalistas em perigo

No espaço de 1 ano, 3 repórteres foram assassinados na União Europeia. Todos investigavam esquemas de corrupção, máfias e poder político. A democracia jamais pode ser dada como adquirida.
Dias Fáceis

Dias Fáceis

Devemos respeitar a tristeza, mas não devemos alimentá-la, sob o risco de se tornar num monstro. Os monstros ocupam muito espaço, requerem muita atenção, podem virar-se a nós a qualquer momento e impedem-nos de viver a vida sem medo.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!

Newsletter

Subscrever Subscreva a newsletter e receba diáriamente todas as noticias de forma confortável