Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

O amor é...

...fazer do que nos acontece o melhor o que nos podia acontecer.
31 de dezembro de 2018 às 08:00
...
O amor é...

Encontrámo-nos vinte anos depois e parece que foram vinte minutos. Pelo menos por dentro, porque por fora há mais gordura do que formusura, mais recordações do que sonhos, talvez — mais vontade de conquistar cada segundo do que passa diante de nós.

L. é o rei da festa. Conta histórias em barda, faz rir, ri e parece que a vida é, para si, uma espécie de celebração contínua. E é. E tem de ser.

A vida se não é celebração contínua, ou pelo menos a procura da celebração contínua, é um tédio contínuo.

N. diz uma frase com seis palavras e quatro palavrões e apetece-me fazer dela, da frase, um mantra incontornável.

As melhores frases são as que chegam sem filtro mas com gente.

A comida chega, farta e temperada, como tem de ser. A conversa continua, as lembranças prosseguem.

A amizade é fazer de cada lembrança um motivo para criar mais lembranças.

S. é e será sempre o líder, por mais que os anos passem e as hierarquias desapareçam. Ri com força de tudo o que lhe é atirado com força e nota-se-lhe no olhar a saudade que não passa — a saudade que não passa de cada um de nós.

Por mais que o tempo passe nunca a saudade deixa de acontecer. Nunca se mata uma saudade; só se alimenta, a cada saudade morta, uma nova saudade prestes a nascer.

T. é o nosso campeão. Sempre com as palavras certas, com o sorriso certo. Viajou para terras estranhas e conta histórias estranhas. Nada estranha é a maneira como a empatia entre quem se gosta nunca se esgota com o passar dos anos — antes se torna mais densa, mais forte: mais humana.

A idade tira tanta coisa mas traz espessura: uma espécie de capa de erros que fomos cometendo e que nos faz mais pessoas.

C. e M. estão frente a frente e são calmos e expansivos em doses iguais. Sempre foram assim. Há coisas que nunca mudam, e ainda bem.

Ao lado, B. é um sorriso constante. Nunca diz que não a uma boa piada e aqui e ali manda as suas bicadas, sempre assertivas, sempre certeiras.

Somos um grupo mais coeso do que nunca: tivéssemos agora de entrar em campo e seríamos imbatíveis nisso — na capacidade de nos conhecermos tão bem que na fragilidade do outro lá estaria eu a salvá-lo com exactidão cirúrgica, e na minha fragilidade lá estaria o outro a salvar-me com exactidão cirúrgica.

Nada derrota uma equipa em que todos se conhecem com exactidão cirúrgica.

Não nos vemos há décadas e sabemo-nos como se nunca tivéssemos estado afastados.

Ao meu lado, S., o grande, é o mais discreto — mas nunca o mais distraído. Sente e aprecia. Disfruta. Aposto que guarda o melhor que lhe acontece numa caixa inexpugnável e é assim que segue em frente.

Viver é pouco mais do que isso, na verdade: guardar o que de melhor nos acontece e seguir em frente.

É isso o que eu vou fazer desta nossa noite, prometo. Façam o mesmo.

 

Sábio: adj. Aquele que descobriu que de nada vale o saber quando não existe o sentir. Quem sabe de tudo menos de amor não sabe de nada, na verdade.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

Balada dos Monstros

Balada dos Monstros

Para os monstros não há regras nem limites, apenas desejos e obsessões, para eles o próximo não tem valor humano, porque só existe para os servir.
O poder da fé

O poder da fé

Na década de 90 Marco Paulo fintou o destino. A crença, a vontade de viver e servir uma autêntica legião de fãs agarraram-no à vida. Agora não será diferente.
COMO F*DER UM CASAMENTO  18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

COMO F*DER UM CASAMENTO 18. PASSAR UM DIA SEM UM BEIJO.

Saíste. E nem um beijo. Simplesmente foste. Tinhas certamente muito em que pensar, a empresa, as preocupações, as contas para pagar, os desafios que te esperam, mas foste sem um beijo. Deixaste um até logo distante, que quando foi falado já não estava aqui.
Cláudio Ramos atacado por cobardes

Cláudio Ramos atacado por cobardes

Deixou Cristina Ferreira e a SIC e partiu para a TVI, onde vai começar por apresentar o ‘Big Brother’. Fez bem, apesar do que muitos lhe estão a fazer.
Retrato de um namorado parasita

Retrato de um namorado parasita

A minha mulher é um furacão. É mais bonita do que eu, mais nova do que eu, mais bem educada do que eu, mais forte do que eu. Mas sou eu quem manda, porque ela gosta mais de mim do que dela e essa regra, meus amigos, só se aprende depois dos quarenta.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;