Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas Dicionário do amor

Notícia

O amor é...

...aquilo que quando é inconfessável vale todas as confissões do mundo.
11 de junho de 2019 às 15:50
...
O amor é...

Confesso que te amo.

Confesso que pequei.

Confesso que falhei.

Confesso que nunca deixei de te amar, doa a quem doer, doa-me como doer. E dói tanto.

Confesso que te quero acima de tudo.

Confesso que faço tudo para te ter.

Confesso que não fiz tudo o que podia.

Confesso que ainda te desejo como te desejava no primeiro dia, que ainda te quero como na primeira vez.

Confesso que não faço sentido quando estou em ti, quando me perco em ti.

Confesso que sou incoerente, inconsequente, um pouco demente.

Confesso que temo.

Confesso que temo que vás, que alguém te faça ir.

Confesso que traí a tua confiança para te proteger, só para te proteger.

Confesso que o teu perigo é o meu perigo, que a tua dor é a minha dor.

Confesso que não deveria ter feito o que fiz, mas confesso que só o fiz porque me pareceu que tinha de ser feito.

Confesso que quero que estejas vivo, que tens de estar vivo.

Confesso que talvez tenha falado demais, explicado demais, tentado demais, conhecido más pessoas a mais.

Confesso que só queria uma vida melhor, um futuro melhor, nós os dois melhores. 

Confesso que magoa. Magoa não estares aqui. Magoa a sensação de que podes nunca mais voltar a estar aqui.

Confesso que mói. O tempo mói, apaga tanto e acende outro tanto.

Confesso que não aguento a rotina mas que agora dava tudo o que tenho para a ter de volta.

Confesso que não suportarei ter filhos órfãos do pai que amam e do marido que amo.

Confesso que rezo para que voltes, para que apesar de tudo, contra tudo, possas voltar.

Confesso que acredito que resistes.

Confesso que estou ansiosa.

Confesso que estou arrependida.

Confesso que agora que o telefone toca só espero que sejas tu.

Confesso que estes metros até ao telefone nunca mais passam.

Confesso que sinto o coração nas mãos ao ver que és tu, que é mesmo o teu número.

Confesso que tremo só de pensar que pode ser alguém com o teu telemóvel a dar-me a notícia que não quero ouvir.

Confesso que seria capaz de morrer para tu não morreres.

Confesso que nunca pensei amar-te tanto como agora, neste instante em que atendo a chamada.

(- Estou?)

Confesso.

 

Sufoco: s.m. Aquilo que te suspende a respiração — e muitas vezes aquilo que te faz respirar. Pode até haver vidas sem sufocos; mas essas não são vidas nenhumas.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
SIC ataca (e bem) a TVI

SIC ataca (e bem) a TVI

O ‘Big Brother’ ganha ao ‘Agricultor’? Não faz mal: aposta-se em ‘Nazaré’. O ‘Somos Portugal’ é uma marca? Não faz mal: faz-se uma coisa igual. Na guerra vale tudo, e a estação de Queluz de Baixo não tem muito tempo…
Impossível baixar a guarda!

Impossível baixar a guarda!

Infelizmente basta ligar a televisão ou ler as manchetes dos principais jornais e meios de comunicação online para perceber que as festas ilegais continuam a acontecer de norte a sul do país; que os convívios multinucleares são cada vez mais encarados como autênticas festas de desconfinamento, que o sol, o calor e o mar estão a toldar os sentidos conduzindo-nos para o precipício.
Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Aos domingos, o ‘Big Brother’ parte sempre muito atrás de ‘Quem Quer Namorar com o Agricultor?’, mas tem conseguido vencer o rival, o que é notável. Tudo numa semana em que as escolas fecharam e a emoção tomou conta de todos.
Quem é do mar regressa sempre ao mar

Quem é do mar regressa sempre ao mar

Do Pedro prefiro guardar o seu sorriso tão doce e tão despojado. Prefiro lembrar o seu trabalho dedicado a cada personagem, o seu tom sempre elegante e de cavalheiro, o seu amor pelo mar. É lá que ele se sentia livre. E é lá que viverá para sempre.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;