Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A cidade e o crime

Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.
11 de novembro de 2018 às 16:45
...
A cidade e o crime

Está demonstrado que as cidades são as principais produtoras de crime. Sobretudo as grandes cidades, conhecidas por metrópoles que deram origem a manifestações criminais, historicamente desconhecidas antes da sua formação nos inícios do séc. XX. Para termos uma ideia daquilo que falamos, no caso português, as duas metrópoles de Lisboa e Porto são o palco de mais de cinquenta por cento da criminalidade portuguesa. Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.

É um desequilíbrio extraordinário. Num território com dez milhões de habitantes, é no espaço ocupado por quatro milhões que acontece 75% da criminalidade conhecida.  Desequilíbrios que revelam os desequilíbrios demográficos entre o interior, as aldeias e vilas envelhecidas, e o pulsar do investimento, da riqueza, da desagregação dos laços psicoafectivos, típicos do viver metropolitano.

Ora, esta questão no merece a atenção que deveria merecer quando se fala de planeamento de território, sobretudo agora que, parece surgir, alguma preocupação com o interior do Pais. É óbvio que os índices criminais não podem ser lidos no sentido de distribuir democraticamente práticas criminosas. Mas devem ser tomados em conta para que se reconstruam laços de interconhecimento, laços psicoafectivos que reforçam o papel das redes sociais e policiamento, que garantam melhor distribuição de riqueza e mais equilibrada distribuição demográfica.

Este Orçamento de Estado que agora vai ser aprovado deveria incorporar esta dimensão social e económica. Fazendo decrescer o papel das metrópoles, humanizando as relações, equilibrando as malhas empresariais de produção de riqueza e fazendo renascer mais de dois terços do território há muito desprezado.

É o grande desafio nacional que a distribuição do crime nos propõe. Assim haja lucidez e vontade politica.

Mais notícias de O Tal Canal

Bruno Nogueira na TVI

Bruno Nogueira na TVI

O protagonista de ‘E Como É Que O Bicho Mexe?’ prendeu no último live, no Instagram, 170 mil pessoas, incluindo Cristiano Ronaldo e Bruno Fernandes. Seria uma grande contratação da estação de Queluz de Baixo para fazer frente a Ricardo Araújo Pereira, na SIC, mas será que o dinheiro e a estabilidade só chegam para ir buscar Marco Horácio?
A TVI tem (bom) destino

A TVI tem (bom) destino

A nova novela da estação de Queluz de Baixo, gravada no Ribatejo, é um bálsamo na ficção nacional, com Pedro Teixeira em bom plano e outros atores a assinarem interpretações fantásticas. Luís Esparteiro, Marina Mota e Pedro Sousa são três rostos deste sucesso.
O dia mau de Rodrigo Guedes de Carvalho

O dia mau de Rodrigo Guedes de Carvalho

O que sobrou de útil da entrevista do jornalista da SIC à ministra da Saúde, Marta Temido, na SIC? Muito pouco, comparado com o ruído criado – e as centenas de insultos. E quando assim é, alguém fez mal o seu trabalho.
A dívida de Andreia Rodrigues a Ricardo Araújo Pereira

A dívida de Andreia Rodrigues a Ricardo Araújo Pereira

Na guerra dos reality shows, a SIC levou a melhor sobre a TVI no primeiro duelo. Como se esperava, aliás. Afinal, o humorista deu 1 milhão e 900 mil espetadores ao ‘Agricultor’… e José Alberto Carvalho 1 milhão e 163 mil a Cláudio Ramos. As contas são estas, neste momento, com o ‘Big Brother’ a ter tudo para crescer na próxima semana.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;