Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A cidade e o crime

Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.
11 de novembro de 2018 às 16:45
...
A cidade e o crime

Está demonstrado que as cidades são as principais produtoras de crime. Sobretudo as grandes cidades, conhecidas por metrópoles que deram origem a manifestações criminais, historicamente desconhecidas antes da sua formação nos inícios do séc. XX. Para termos uma ideia daquilo que falamos, no caso português, as duas metrópoles de Lisboa e Porto são o palco de mais de cinquenta por cento da criminalidade portuguesa. Em cada quatro crimes que acontecem, dois são cometidos na metrópole de Lisboa, um na do Porto, restando apenas um para o resto do País.

É um desequilíbrio extraordinário. Num território com dez milhões de habitantes, é no espaço ocupado por quatro milhões que acontece 75% da criminalidade conhecida.  Desequilíbrios que revelam os desequilíbrios demográficos entre o interior, as aldeias e vilas envelhecidas, e o pulsar do investimento, da riqueza, da desagregação dos laços psicoafectivos, típicos do viver metropolitano.

Ora, esta questão no merece a atenção que deveria merecer quando se fala de planeamento de território, sobretudo agora que, parece surgir, alguma preocupação com o interior do Pais. É óbvio que os índices criminais não podem ser lidos no sentido de distribuir democraticamente práticas criminosas. Mas devem ser tomados em conta para que se reconstruam laços de interconhecimento, laços psicoafectivos que reforçam o papel das redes sociais e policiamento, que garantam melhor distribuição de riqueza e mais equilibrada distribuição demográfica.

Este Orçamento de Estado que agora vai ser aprovado deveria incorporar esta dimensão social e económica. Fazendo decrescer o papel das metrópoles, humanizando as relações, equilibrando as malhas empresariais de produção de riqueza e fazendo renascer mais de dois terços do território há muito desprezado.

É o grande desafio nacional que a distribuição do crime nos propõe. Assim haja lucidez e vontade politica.

Mais notícias de Por detrás da Câmara

Xeque-mate

Xeque-mate

Os pergaminhos de Ricardo Araújo Pereira dispensam qualquer tipo de encómio. O talento e a genialidade comumente reconhecidos aliados aos rasgos únicos de espontaneidade fazem dele um trunfo que qualquer canal de televisão gostaria de ter.
TVI em chamas

TVI em chamas

O Programa de Fernanda Serrano antes do 'Jornal das 8' não lembra a ninguém. E as audiências são implacáveis – perdão, os portugueses. A primeira aposta de Felipa Garnel é um fracasso.
Geração Impulse

Geração Impulse

Esta história não é minha, é da minha amiga Alice, da minha prima Luísa, da minha colega de trabalho Sofia, de milhões de mulheres espalhadas pelo mundo que estão solteiras e que, entre duas relações, recorrem à reanimação de um namoro antigo ou de um caso mal resolvido para se sentirem vivas.
Costa tem mais audiência

Costa tem mais audiência

No balanço da primeira semana de debates televisivos, o duelo entre o líder do PS e o líder do PCP foi o mais visto até ao momento. Curiosamente, a coordenadora do Bloco de Esquerda é quem tem menos espectadores nos debates emitidos em antena aberta.
Orgulho em ser português!

Orgulho em ser português!

Venho, desde há uns tempos a esta parte a olhar com outros olhos para o cinema português. É gritante a evolução e a maturidade adquirida nos últimos anos. Realização, produção e elencos fortes começam a fazer acreditar que um dia a voz da sétima arte lusitana vai fazer-se ouvir com estrondo além-fronteiras.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!