Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

A Menina Desaparecida

Em França, os pais desesperados até contrataram um bruxo para ajudar na procura. Não merecem censura.
17 de setembro de 2017 às 07:00

Em França, vivem-se momentos de angústia idênticos àqueles que vivemos em Portugal quando desapareceu Maddie, a criança inglesa, no Algarve. Uma criança desaparecida é sempre um momento de perturbação emocional da comunidade, gera inseguranças, voluntarismos piedosos, a necessidade urgente de explicações para tal mistério. Não admira. Em cada desaparecimento reconhecemos a dor e a angústia que se apoderaria de cada um de nós, se tal acontecimento dissesse respeito à nossa família mais próxima.

As notícias fazem crer no pior cenário. Apontam para um presumível pedófilo que terá raptado a miúda, eventualmente abusou dela, desfazendo-se, a seguir, do corpo da inditosa vítima. É verdade que a história pode ser outra mas o caminho traçado pelas autoridades francesas apontam nesse sentido. As buscas pelo cadáver de Maelys continuam. Os pais desesperados até contrataram um bruxo para ajudar na procura. Não merecem censura. A dor e a angústia são tais que todos os meios são considerados benignos. Se nos colocarmos da pele deles, até contratávamos mais do que um feiticeiro. Porém, é o ponto de vista de alguém alucinado pela dor, incapaz de outro gesto que não seja agarrar-se a qualquer ponta da esperança.

Já o mesmo não consigo dizer sobre o bruxo. Vi as suas declarações e os seus exercícios na televisão. Ou é um homem doente ou não é sério. Faz parte do folclore sinistro que se aproveita do mar de sofrimento para alimentar narcisicamente as suas crenças. Acontece sempre, cada vez que um crime misterioso e mediático nos sacode a inquietação. Há sempre um bruxo disponível para o espectáculo negro da crendice e da burla emocional. Dali, não virá solução para o caso. Apenas multiplica a ansiedade.

Por outro lado, não se pode comparar este caso com o de Maddie. Tudo indica que não estamos perante pais desleixados que abandonaram os filhos para ir para uma festa. Quem cometeu o crime aproveitou exactamente a confusão de uma festa, um casamento, para desferir o golpe criminoso. Que as autoridades francesas tenham o talento para desvendar rapidamente este episódio trágico.

Mais notícias de Por detrás da Câmara

Impossível baixar a guarda!

Impossível baixar a guarda!

Infelizmente basta ligar a televisão ou ler as manchetes dos principais jornais e meios de comunicação online para perceber que as festas ilegais continuam a acontecer de norte a sul do país; que os convívios multinucleares são cada vez mais encarados como autênticas festas de desconfinamento, que o sol, o calor e o mar estão a toldar os sentidos conduzindo-nos para o precipício.
Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Aos domingos, o ‘Big Brother’ parte sempre muito atrás de ‘Quem Quer Namorar com o Agricultor?’, mas tem conseguido vencer o rival, o que é notável. Tudo numa semana em que as escolas fecharam e a emoção tomou conta de todos.
Quem é do mar regressa sempre ao mar

Quem é do mar regressa sempre ao mar

Do Pedro prefiro guardar o seu sorriso tão doce e tão despojado. Prefiro lembrar o seu trabalho dedicado a cada personagem, o seu tom sempre elegante e de cavalheiro, o seu amor pelo mar. É lá que ele se sentia livre. E é lá que viverá para sempre.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;