Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão Meu Amor

Notícia

A pergunta-chave de Cristina Ferreira a Bruno de Carvalho: "De que é que vive agora?"

Acusado de dezenas de crimes, incluindo terrorismo e sequestro, o ex-presidente do Sporting deu uma maratona de entrevistas em que falou pouco do processo e muito de futebol. Só Cristina esteve ao seu nível 
22 de fevereiro de 2019 às 14:21
...
A pergunta-chave de Cristina Ferreira a Bruno de Carvalho: "De que é que vive agora?"

No espaço de uma semana, a proliferação de conversas e entrevistas com o presidente destituído do Sporting, Bruno de Carvalho, teve dois méritos principais. Em primeiro lugar, serviu para avaliar o verdadeiro peso mediático do homem que está acusado de 98 crimes, incluindo terrorismo e sequestro. Em segundo lugar, provou que Cristina Ferreira é uma profissional cada vez mais completa.

Vamos por partes. Bruno de Carvalho esteve no jornal de horário nobre da TVI, sexta-feira. A seguir, ocupou quase todo o horário nobre da TVI24, entre a entrevista e a análise que se seguiu. A rubrica de Moniz no Jornal das 8 foi desalojada de sexta para sábado. Consequência principal: a TVI perdeu os dois dias para a SIC, algo que não acontece todas as semanas. Também no cabo, a TVI24 perdeu todo o horário nobre de sexta-feira, a larga distância da CMTV, o que, sendo habitual, terá surpreendido os responsáveis da estação, que apostaram alto, sem resultados. Mais um dia, mais uma entrevista: SIC Notícias, noite de sábado, entrevistadora e entrevistado de pé, e de perfil. Mais uma derrota.

Finalmente, chegou O Programa da Cristina, na SIC. Curiosamente, entre tantas entrevistas jornalísticas e conversas de teor variado, foi ali que apareceu a pergunta mais relevante, com verdadeiro interesse público: afinal, "de que é que vive agora?" Os segundos de silêncio que se seguiram foram um grande momento de televisão proporcionado por Cristina Ferreira, uma apresentadora completa e corajosa, que melhora todos os dias.

 

Manzarra dá alento à TVI

Uma derrota impensável no domingo, por 6 pontos percentuais de diferença na média do dia, faz perigar, de súbito, a vitória da SIC no mês de fevereiro, que já se anunciava histórica. Programas como o Lip Sync e apresentadores como João Manzarra não têm lugar na SIC como está a ser redesenhada pela nova direção.    

 

Óscares no cabo

Este ano, os prémios da academia de Hollywood passam nos canais Fox, o que será uma estreia. Este é um produto televisivo muito apetecido, e que tem sido disputado pela SIC e pela TVI. A mudança dos diretos para canais de cabo é mais um passo na delapidação simbólica de valor da televisão generalista. São opções como esta que afastam os espectadores.

 

Enfermeiros feridos

A princípio, a greve dos enfermeiros foi olhada com condescendência, e até com alguma simpatia. Aos poucos, tudo foi mudando, sobretudo devido a uma certa indiferença perante o sofrimento causado aos doentes. A bastonária dos enfermeiros apareceu como líder do processo, e ficará na História como a grande responsável por hipotecar e ferir por muitos anos a imagem da classe junto dos portugueses. Líderes de plástico, construídos na televisão, é na televisão que acabam a expor a sua fragilidade essencial. A greve, pode dizer-se hoje, será justa, mas falhou.  

 

A mesa da SIC

A forma das mesas que servem para jornais, programas e debates da SIC e da SIC Notícias é um dos principais erros da nova imagem da estação. A mesa é antitelevisiva, não possibilita o frente a frente e é demasiado visível na generalidade dos planos televisivos. Ou seja, é um ruído tremendo. Como é possível? É a prova de que não houve quem pensasse de forma integrada a nova imagem dos canais SIC.  

Mais notícias de O Tal Canal

O circo está montado

O circo está montado

Além do ‘The Voice’, que promove mais a música estrangeira do que a portuguesa, temos de novo ‘Casados à Primeira Vista’. Catarina Furtado e Diana Chaves têm a palavra.
Pessoas que nos fazem felizes de forma simples

Pessoas que nos fazem felizes de forma simples

Foi a transformar a televisão numa festa que João Baião cresceu e ganhou popularidade. Porque rapidamente percebeu que TV é entretenimento no seu estado mais puro, é fazer rir e chorar, é esquecer dramas do quotidiano, é alienar.
O Último Pôr do Sol

O Último Pôr do Sol

Ficámos mais um pouco a olhar para o mar, duas vidas em paralelo que voltavam a cruzar-se por breves e preciosos instantes para assinar um tratado de paz há tanto tempo esperado.
Goucha na Segunda Liga?

Goucha na Segunda Liga?

Quem deseja construir uma televisão familiar não pode empurrar Manuel Luís Goucha para fora das manhãs sem apresentar uma solução à altura.
Já ganhou!

Já ganhou!

Quem nos dera Ricardo Araújo Pereira num 'late night show' com este sentido de humor. A televisão generalista, cada vez mais "estupidificada", sairia a ganhar.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!