Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Abril e o tempo

A revolução de abril surge, neste contexto, como uma memória gratificante. Dias de sonhos e de quimeras. De paixão por todas as utopias. De confiança emocionada e comovida. Demos passos extraordinários.
29 de abril de 2018 às 07:00

Não é já possível fazer comparações entre o tempo do Estado Novo e aquele que vivemos em Democracia. Só os mais velhos (com sessenta anos ou mais) têm consciência histórica do que era vivera em ditadura. Temos memórias mas não há termos de comparação para a maioria dos portugueses. Porque uma coisa é falar da guerra colonial e outra coisa é tê-la vivido. Uma coisa é falar das prisões políticas, outra, bem diferente, ter vivo a ameaça da prisão por pensar de forma diferente.

Hoje é possível reconhecer a manipulação e a censura manobrada com habilidade, e rosto de aparente independência, mas a maioria dos jornalistas, escritores, comentadores, encenadores nunca viveu a brutalidade da censura do risco azul a eito. Tudo mudou. Ou quase tudo mudou. Quase meio século de democracia é tempo suficiente para reconhecer que hoje vivemos outro tempo diferente daquele que o Estado Novo viveu.

Estamos no meio de uma revolução como nunca houve outra, por impulso da cibernética, que alterou os nossos padrões de referência primitivos – os conceitos de espaço e de tempo. Hoje somos cada vez mais o mundo global, cada vez menos a hora e o minuto. Somos cada vez mais o instante. Acelerámos o tempo e contraímos o espaço. Já não é um novo tempo. É uma nova Idade.

A revolução de Abril surge, neste contexto, como uma memória gratificante. Dias de sonhos e de quimeras. De paixão por todas utopias. De confiança emocionada e comovida. Demos passos extraordinários. No que respeita à modernização do País litoral. À redução da mortalidade infantil. Ao aumento da esperança de vida. Na diminuição drástica do analfabetismo. Do alcoolismo. Da miséria urbana. Passos de gigante que a nova Era desdenha e ignora.

Neste mundo virtual para onde caminhamos rapidamente, já não se discute a luta pela recuperação da dignidade humana. Hoje, o grande desafio é saber como construiremos um futuro com sentido de humanidade da qual abdicámos em nome do prazer, da novidade e do consumo. É o desafio a vencer para que a velha revolução de Abril tenha valido a pena.

Mais notícias de O Tal Canal

As lágrimas de Cuca Roseta

As lágrimas de Cuca Roseta

A fadista emociona-se e faz emocionar quem está em casa a assistir a ‘Got Talent’, na RTP1. Agora que ‘Pesadelo na Cozinha’ está a chegar ao fim, na TVI, eis uma boa solução para os domingos à noite.
Modo avião

Modo avião

Não estou a brincar. No México os cães também contemplam o pôr do sol.
Rita Pereira vai à guerra com a SIC

Rita Pereira vai à guerra com a SIC

A ficção pode bem vir a ajudar a decidir quem vai ganhar as audiências em 2020. A estação de Paço de Arcos está muito na frente, mas a de Queluz de Baixo tem gente com talento para inverter a situação.
Meghan Markle: vítima ou vilã?

Meghan Markle: vítima ou vilã?

Não me parece justo, nem tão pouco equilibrado que se coloque todo o ónus da decisão de um casal apenas sobre Meghan Markle. E Harry? Afinal foi ele que nasceu com sangue azul e que tem desde o berço obrigações ancestrais para com coroa britânica.
A última paixão de Ljubomir Stanisic

A última paixão de Ljubomir Stanisic

O chef jugoslavo vale ouro e a TVI tem de o saber mimar como uma estrela para continuar a tê-lo em Quleuz de Baixo. É que ele vale 24 vitórias durante o ano… no dia mais importante da televisão.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!