Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de polícia

Notícia

Autópsia (2)

Nas mãos das vítimas, entre as unhas, ficam cabelos, sangue, pele do agressor que, por comparações de ADN, pode determinar o autor. Mas é a autópsia que prova tudo.
31 de janeiro de 2017 às 06:00

Concluímos esta semana a resposta às muitas perguntas que me são enviadas sobre a necessidade de realizar autópsias para a descoberta de homicídios, considerando, até, alguns dos nossos leitores como uma profanação do morto. Este exame é de natureza médica, realizada por técnicos preparados sob a orientação de um médico legista. Isto é, um médico que interpreta as lesões e as causas da morte à luz das preocupações de índole penal, retirando conclusões que, mais tarde, vão servir ao tribunal para melhor apreciar o caso e, sobretudo, à investigação criminal para recolher informação que lhe permite perseguir melhor o homicida.

São infinitas as informações que um cadáver pode dar sobre quem foi o seu agressor, se teve ou não intenção de matar e, até, em alguns casos, se a morte teve uma causa natural sem que tenha existido um crime.

Nas mãos das vítimas, entre as unhas, ficam cabelos, sangue, pele do agressor que por comparações de ADN pode determinar o autor. Ficam sinais da entrada e da saída de projécteis que nos dizem da posição relativa entre vítima e agressor. Ficam sinais de pólvora, se foi usada arma de fogo e o disparo foi à queima-roupa.

Encontram-se muitas vezes os projéteis que foram disparados para matar e que, mais tarde, o Laboratório de Polícia Científica pode comparar com outros projéteis, não só identificando o tipo de arma que disparou como pode levar esta exame até à precisão de concluir que foi determinada arma e só aquela. É certo que a autópsia completa começa na cena do crime, recolhendo vestígios do crime. E não se reduz a um exame macroscópico do hábito externo e interno do cadáver.

É de tal maneira importante este exame forense que não são raros os casos de corpos que entram como tendo sido vítimas de morte súbita e depois se revela que foram vítimas de homicídio. Portanto, não é um exame vulgar ou gratuito. Interpretar a morte de uma vítima é a melhor maneira de a respeitar porque contribui para entregar ao tribunal quem lhe retirou a vida e, assim, ser julgado com rigor e segurança.

Mais notícias de O Tal Canal

Os murros de José Alberto Carvalho

Os murros de José Alberto Carvalho

Morreu-lhe uma tia, de 93 anos, e não pôde despedir-se dela. Era a sua segunda mãe. O jornalista da TVI partilhou os seus sentimentos em direto, no Jornal das 8, e deu-nos uma lição. A chorar por dentro, mas de pé. Como as árvores.
Venceremos!

Venceremos!

A TVI copiou a ‘Terra Brava’? E a SIC copiou quem? O que interessa é que ‘Quer o Destino’ é uma boa novela. Quando o balão de Bárbara Guimarães começa a esvaziar e Cristina Ferreira se fechou em casa, Jorge Gabriel ou Tânia Ribas de Oliveira assumem uma missão. Parabéns!
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.
Cláudio Ramos arrasa SIC

Cláudio Ramos arrasa SIC

Depois de dizer que tem “a certeza” de que um dos melhores momentos da vida de Cristina Ferreira foi trabalhar consigo, o apresentador revelou que não foi valorizado na estação de Paço de Arcos. A guerra começou.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;