Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Crianças da IURD

Esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse.
14 de janeiro de 2018 às 17:39

Conforme se vão conhecendo os factos sobre crianças adoptadas em circunstâncias que, tudo indica, foram arrepio da lei portuguesa, mais sórdido se torna o caso e maior é a repugnância pelos mecanismos de poder da auto-intitulada Igreja Universal do Reino de Deus. Notícias que revelam uma rede de tráfico de crianças baseada na mentira e na ausência de escrúpulos, explorando a fragilidade de pais e mães crentes no absurdo miraculoso da instituição.

Provoca repulsa. Porém, esta enorme árvore onde se mistura crendice e crime, tende a tapar a floresta. E a floresta esconde os técnicos de acção social, magistrados, juízes que, há cerca de vinte anos, permitiram que tudo isto acontecesse com a complacência, para não dizer corrupção, do próprio Estado.

A maioria dos crimes, que agora têm sido divulgados, estão prescritos. Isto é, já não é possível perseguir criminalmente quem, à data, abusou do seu poder para entregar crianças, sabe-se lá a troco de quê, à IURD. Porém, é preciso que se saiba quem foi. Se ainda está em funções. Se continua a gerir crianças em risco e quais os critérios que tem tomado para que, em primeiro lugar, estejam os superiores interesses do menor adoptado.

É preciso que se saiba até onde chegou o desleixo, a ausência de critério, a prática de eventuais crimes. E, sobretudo, é preciso que se saiba se, ainda hoje, esses funcionários, ocupam posições decisórias no que respeita à gestão de crianças em crise familiar.

Em segundo lugar, é urgente que se investiguem as práticas, os processos, as finalidades empresariais da IURD. A lei da Liberdade Religiosa é muito permissiva em relação aos vários credos, com isenções de fiscalização, nomeadamente tributária, que não se aplicam ao comum das empresas e instituições. Mas não pode existir tal lei de forma a admitir, ou permitir, a prática de crimes.  Investigue-se. Já chega de crimes cometidos em nome de Deus.

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A desordem natural

A desordem natural

Há uma nova ordem natural das coisas, ou talvez devesse chamar-lhe desordem.
'Alguém Perdeu'

'Alguém Perdeu'

A história escrita pelo argumentista António Barreira já começou a ganhar vida e promete surpreender na forma e no conteúdo. O arranque oficial das gravações da trama que vai apaixonar os portugueses aconteceu há poucos dias e não podia ter melhor combustível do que o entusiasmo do elenco.
As vítimas e a lei

As vítimas e a lei

A Assembleia da República, com carácter excepcional, devia aceitar legislar no sentido de escutas, gravações de voz, gravações de imagem fossem consideradas legítimas para provar uma naipe de crimes que vão do assédio, à violência doméstica, passando pelos crimes sexuais.
O Amor é...

O Amor é...

...aquilo que não tem fórmula e a mais infalível de todas as fórmulas.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!