Francisco Moita Flores
Francisco Moita Flores Piquete de Polícia

Notícia

Crimes e clubes

Os mails, os vouchers, a compra de árbitros, as cartilhas, a linguagem de rufia de alguns dos intervenientes, a fadistice vadia que cruza esta miserável barafunda só tem um objectivo: mobilizar argumentos para justificar as derrotas.
04 de fevereiro de 2018 às 08:00

As notícias de supostos escândalos em torno do futebol começam a ser tão exagerados, tão empolados pelos séquitos de comentadores ao serviço dos vários clubes, com argumentações que nada têm a ver com a causa criminal mas com a natureza do carácter de cada protagonista, tornou-se num ruído tão insuportável que, era capaz de jurar, tudo vai acabar no fundo de um armário com arquivamento de queixas. Os emails, os vouchers, a compra de árbitros, as cartilhas, a linguagem de rufia de alguns dos intervenientes, a fadistice vadia que cruza esta miserável barafunda só terá um objectivo: mobilizar argumentos para justificar derrotas desportivas.

O que daqui sai é obsceno. E a obscenidade não é produtora de Justiça. O que daqui sai, desta gritaria própria de batalhas medievais, é o descrédito do próprio futebol. O que daqui sai é a crescente falta de interesse no jogo jogado, naquele onde vale a pena ver estrelas a brilhar, para se perderem as energias com planetas sem importância no sistema desportivo.

Já com pouca paciência para ler ou escutar notícias sobre as colossais vigarices realizadas por estes, por aqueles, pelos outros, julgo que é capaz de ter chegado o momento das próprias instituições judiciais se afastarem deste lupanar onde fervilha a mentira, a intriga, o ciúme, o despeito e onde os factos que surgem como eventuais crimes não são sustentados em prova e os poucos que parecem tê-la não passam de bagatelas penais.

Não encontro javardice igual nos jornais e televisões de outros países europeus, onde as figuras centrais são, de um modo geral, atletas, jogadores e as suas qualidades, que decidem campeonatos e taças pela qualidade desportiva. Aqui, parece que tudo se joga no terreno de quem é que enviou mais mails ou de quem insultou mais e melhor o adversário. Enoja!

O futebol é coisa bem diferente, jogo bonito!, do qual nos vamos esquecendo, enquanto se chafurda neste pântano malcheiroso.

Mais notícias de Piquete de polícia

Espanto

Espanto

A ser verdade esta história, Bruno de Carvalho, que ainda não há um ano era o pastor maior de um rebanho de servos acríticos, é o exemplar único que a história do desporto vai mostrar como o maior inimigo do Sporting.
Presidente (quase) na rua

Presidente (quase) na rua

Gonçalo Reis diz hoje uma coisa aos precários da RTP… e no dia seguinte faz outra. As contratações de Cândida Pinto e de Helena Garrido para a direcção de Informação incendiaram a empresa. O Governo vai ter de intervir.
Meia noite para Bruno

Meia noite para Bruno

RTP deixou-se usar para vergonhosa limpeza de imagem. Apenas duas semanas antes de ser detido no âmbito do processo de Alcochete, indiciado por 56 crimes, o antigo presidente do Sporting esteve no '5 para a Meia-Noite'.
Editar a vida

Editar a vida

O escritor é um espelho da sua época. Quase sempre um espelho com imperfeições, manchas e estilhaços, e no entanto, talvez por isso mesmo, ainda mais fiel à realidade, também ela repleta de defeitos.
Perdeu o futebol

Perdeu o futebol

É tempo de acabar com o “chico-espertismo” que intoxica e compromete a paixão pelo futebol. A liderança despótica de Bruno de Carvalho e respectivas consequências negativas não afetam apenas o Sporting. Com ele perdeu o futebol.
O amor é...

O amor é...

Continuar apaixonado, todos os dias, pela vontade de te apaixonares.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!