Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão meu amor

Notícia

E se fosse consigo?

O programa de Conceição Lino aproveita a lógica dos apanhados para provocar situações-limite. O sucesso é inegável, mas apresentá-lo como produto de informação é errado.
06 de outubro de 2017 às 22:30

O programa coloca logo uma condicional inexistente: e se fosse consigo? O que aconteceria, qual a sua reacção, se fosse consigo?

Mas o problema, caro espectador anónimo, é que não é consigo. Só passa a ser consigo por causa do programa, que, desta forma, constrói uma realidade, diferente e alternativa, para que seja consigo, e, depois, se baseia nessa realidade irreal, por assim dizer, para tirar conclusões das situações criadas e das imagens recolhidas.

No jornalismo, é lícito, em muitos casos, reportar uma realidade que só se pode captar através de tecnologia não visível. Um exemplo é o recurso a gravações com câmara oculta. 'E Se Fosse Consigo?' faz uma coisa bem diferente. Na lógica dos apanhados, cria um agente provocador, e reporta uma realidade que apenas existe devido à sua acção.

Apresentar isto como um produto de informação, e repeti-lo, inclusivamente, no canal que promete "informação e nada mais" (refiro-me à SIC Notícias) é estabelecer uma espécie de pacto com o Diabo, pouco habitual em Carnaxide, e com consequências imprevisíveis. É claro: as audiências correspondem.

Na estreia desta série, 'E Se Fosse Consigo?' ficou à frente das novelas 'Paixão' e 'Ouro Verde'. No fundo, estamos perante uma boa ideia e um bom conteúdo, mas que, simplesmente, não é de informação. Reconhecer que Conceição Lino e este programa fazem parte do entretenimento do canal seria uma forma mais transparente de integrar o formato na tradição e no ADN da SIC, que tem uma incompatibilidade histórica com formatos híbridos entre programação e informação.

Mais notícias de Opinião

Fátima Lopes está bem viva

Fátima Lopes está bem viva

A vestir a camisola da TVI, estação que anda pelas ruas da amargura, tem vencido a rival Júlia Pinheiro, da SIC. Vencer três dias em seis é extraordinário. Quem anunciou o funeral da apresentadora?
Mãos de pianista

Mãos de pianista

Ter um pai melómano é como ter um tesouro debaixo do colchão, e os meus dois irmãos e eu percebemos isso muito cedo.
Da Amadora para o RIO

Da Amadora para o RIO

Durante a homenagem na Câmara da cidade, Jesus bem perguntou, à esquerda e à direita: "Então e o hino de Portugal?"A bandeira das quinas ostentada pelo treinador não chegou para aproximar os países irmãos.
Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Como F**er um Casamento? 7. Perder a curiosidade.

Estou a perder-te, sei que estou, e não consigo mudar, não consigo acordar, o mais perigoso é o tédio, o não saber como sair dali, de um buraco que sabemos que fomos nós que cavámos, e que quando mais nos mexemos mais fundo vai ficando.
Duas décadas de lealdade

Duas décadas de lealdade

Com Cristina Ferreira a cimentar a liderança nas manhãs, eis que acontece algo que merece aplausos. No dia 22 de novembro, ‘A Praça da Alegria’ foi o programa mais visto na televisão portuguesa, durante 20 minutos, ultrapassando o programa da SIC.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!