Sandro Bettencourt
Sandro Bettencourt Por detrás das câmaras

Notícia

Espanha – 1982

Até que ponto o avanço tecnológico nos faz viver com mais fervor o maior espectáculo do mundo? Tenho sobre esse assunto as maiores reservas sobretudo quando dou por mim a viajar até 1982, ano em que, pela primeira vez, vivi com intensidade a fase final de um Mundial
12 de junho de 2018 às 16:41
...
Espanha – 1982

Chegou o momento em que os nossos instintos mais primitivos são convocados pela paixão. A partir do dia 14 de junho, até mesmo aqueles que dizem à boca cheia que não ligam "peva " ao futebol, vão acabar por ficar inebriados com a magia do desporto-rei.

Na Rússia, está tudo a postos para que a bola comece a rolar. Ronaldo e companhia aceleram rumo a uma campanha que se espera vitoriosa e nós, portugueses, sonhamos com eles. O peso da distância será mais uma vez mitigado pela televisão, pela rádio e uma miríade de aplicações nos telemóveis.

Até que ponto o avanço tecnológico nos faz viver com mais fervor o maior espectáculo do mundo? Tenho sobre esse assunto as maiores reservas sobretudo quando dou por mim a viajar até 1982, ano em que, pela primeira vez, vivi com intensidade a fase final de um Mundial.

Com a atribuição da organização do evento à vizinha Espanha acreditava, tal como os meus quatro irmãos, que Portugal nunca tinha estado tão perto de poder voltar a participar na prova. O grupo de qualificação não se adivinhava fácil. À Seleção portuguesa juntavam-se Escócia, Suécia, Irlanda do Norte e Israel.

Depois de uma campanha desastrosa, acompanhada a preto e branco, aos meus manos, tal como eu, só nos restava torcer e vibrar com o Brasil, cujo plantel veio estagiar, na altura, em terras lusas.

O fraco consolo transforma-se numa aventura inesquecível quando o meu irmão Raúl (Lito) trás para casa a caderneta da Panini. Aquele objecto passou a ser de culto e ainda hoje me recordo com saudade do toque e do cheirinho dos cromos.

Ao final da tarde, era com os olhos a brilhar que abríamos as saquetas para de lá retirar os craques. Sócrates, Zico, Falcão e Paolo Rossi foram as figuras que acabaram por me marcar para sempre assim como a mascote Naranjito.

Às nossas tertúlias, sem iphone ou um led com resolução em 4 k, juntávamos essa mítica caderneta. Era através dela e de alguns jornais que conjecturávamos sobre a seleção canarinha e os outros candidatos ao título.

O Brasil não venceu e acabou por ser a itália a levantar o caneco depois de derrotar a República Federal Alemã por 3-0 num jogo eletrizante. Desde então nunca mais deixei de comprar a minha caderneta.

Sozinho, é com ela que revivo os tempos de convívio que já não voltam e que tanta falta fazem aos nossos jovens e crianças. Na Rússia, Fernando Santos e os seus pupilos trabalham para fazer história. Por cá, vou torcendo por eles, ao mesmo tempo que preencho a caderneta.   

Mais notícias de O Tal Canal

A menina Clarinha e eu

A menina Clarinha e eu

Não sei quantas vezes tentei esquecer-te, talvez menos do que tu e mais do que o meu coração aguenta, a única que sinto é que, cada vez que a dou espaço à razão, o meu coração começa a encolher-se como um bolo sem fermento, a vida fica sem açúcar e os dias sem sabor.
SIC ataca (e bem) a TVI

SIC ataca (e bem) a TVI

O ‘Big Brother’ ganha ao ‘Agricultor’? Não faz mal: aposta-se em ‘Nazaré’. O ‘Somos Portugal’ é uma marca? Não faz mal: faz-se uma coisa igual. Na guerra vale tudo, e a estação de Queluz de Baixo não tem muito tempo…
Impossível baixar a guarda!

Impossível baixar a guarda!

Infelizmente basta ligar a televisão ou ler as manchetes dos principais jornais e meios de comunicação online para perceber que as festas ilegais continuam a acontecer de norte a sul do país; que os convívios multinucleares são cada vez mais encarados como autênticas festas de desconfinamento, que o sol, o calor e o mar estão a toldar os sentidos conduzindo-nos para o precipício.
Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Os milagres na TVI… e alunos e professores em lágrimas

Aos domingos, o ‘Big Brother’ parte sempre muito atrás de ‘Quem Quer Namorar com o Agricultor?’, mas tem conseguido vencer o rival, o que é notável. Tudo numa semana em que as escolas fecharam e a emoção tomou conta de todos.
Quem é do mar regressa sempre ao mar

Quem é do mar regressa sempre ao mar

Do Pedro prefiro guardar o seu sorriso tão doce e tão despojado. Prefiro lembrar o seu trabalho dedicado a cada personagem, o seu tom sempre elegante e de cavalheiro, o seu amor pelo mar. É lá que ele se sentia livre. E é lá que viverá para sempre.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;