Paulo Abreu
Paulo Abreu O Tal Canal

Notícia

Faltam líderes

Depois de épocas gloriosas, a SIC chega aos 25 anos de vida sem encontrar soluções para destronar a TVI da liderança. Esta, tranquila quanto à concorrência, vai dando tiros nos pés: agora com 'Biggest Deal'… e o seu director-geral a dizer que 700 mil espectadores na estreia são “bons números”. Está tudo louco.
07 de outubro de 2017 às 07:00

1. A SIC fez 25 anos nesta sexta-feira, 6. Está, por isso, de parabéns, embora longe dos tempos – de ouro, diga-se – em que esmagavaa RTP e a TVI, fruto do trabalho dos seus profissionais, da sua ousadia e irreverência, capacidade de surpreender, de um jornalismo de rigor, da lufada de ar fresco no entretenimento. Sem dinheiro – mas o que tem, também o gasta mal –, a verdade é que Gabriela Sobral, Luís Proença, Júlia Pinheiro e Daniel Oliveira – tanta gente a mandar em Carnaxide, valha-me Deus – não conseguem encontrar uma solução para contrariar a TVI, rival que é uma miragem dos tempos de Moniz.

O que falta então à SIC? Tanta coisa, que vou enumerar só uma ou duas, inspirado na entrevista que Emídio Rangel me deu, em 2012, a propósito dos 20 anos da estação. Falta, acima de tudo, um líder, que saiba de TV, que tenha um discurso forte, capaz de reunir à sua volta as tropas num objectivo comum, o da vitória, e tenha a capacidade para mostrar o caminho certo: o da cumplicidade com o espectador. "Este trabalho não se faz sem uma ligação afectiva. Sabe, às vezes, não se percebe por que se tem, ou não, audiência, e, em regra, o que falta é a afectividade. Pode estar aí o segredo do sucesso", disse-me o antigo director-geral. Claro que pode. A outra lacuna, por mais que o slogan da SIC seja "estamos juntos", tem que ver com a falta de amor à camisola, fruto das saídas de centenas de excelentes profissionais nos últimos anos. "Saí com uma enorme tristeza, meu Deus… Achei que ia morrer de tristeza…", respondeu-me ainda Rangel à pergunta "como foi o seu último dia na SIC?" Ora aí está: alguém, hoje, quando sair de Carnaxide, é capaz de dizer algo semelhante? Ninguém.

2. "Até fez bons números", disse Bruno Santos, ao 'Correio da Manhã', referindo-se aos 700 mil espectadores no arranque de 'Biggest Deal'. Se ninguém é capaz de lho dizer, em Queluz de Baixo, eu digo: não, não é. O resultado, o pior de sempre numa estreia, é uma lástima. E o único responsável pela derrota é o director-geral da TVI, que apostou no reality show precisamente no dia das autárquicas, no dia do Sporting-FC Porto e no dia do Marítimo-Benfica. Se 'Biggest Deal', que entretanto passou de domingo para sábado, não morreu já, a cova para a urna está aberta…

Mais notícias de O Tal Canal

Cristina Ferreira cedeu a Cláudio Ramos

Cristina Ferreira cedeu a Cláudio Ramos

A diretora da TVI defendia que o apresentador não tinha cabedal para o ‘Big Brother’ e trocou-o por Teresa Guilherme. Agora, com as audiências abaixo do esperado, decidiu juntar os dois. É a sua primeira derrota.
Cuidado com o ‘The Voice’

Cuidado com o ‘The Voice’

‘O Noivo É Que Sabe’, na SIC, e o ‘Big Brother’, na TVI, chegam a perder em alguns momentos do domingo à noite para o programa de Catarina Furtado e de Vasco Palmeirim. Eis uma boa notícia.
Cristina Ferreira obrigada a fazer o ‘Você na TV!”

Cristina Ferreira obrigada a fazer o ‘Você na TV!”

Numa guerra de audiências onde já vale tudo, a apresentadora, diretora e acionista da TVI tem de ajudar a estação a chegar perto da SIC. E, para isso acontecer, um programa durante a semana não chega. Até dezembro, devia juntar-se a Manuel Luís Goucha, nas manhãs.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;