Carlos Rodrigues
Carlos Rodrigues Televisão, Meu Amor

Notícia

Jornalistas em perigo

No espaço de 1 ano, 3 repórteres foram assassinados na União Europeia. Todos investigavam esquemas de corrupção, máfias e poder político. A democracia jamais pode ser dada como adquirida.
12 de outubro de 2018 às 20:35
...
Jornalistas em perigo
Viktoria Marinova foi violada e estrangulada até à morte. Era jornalista búlgara e apresentava um programa de investigação numa televisão local. Recentemente, tinha emitido denúncias sérias sobre esquemas de corrupção com os fundos da União Europeia, esquemas esses que poderão implicar empresários e políticos locais, e magnatas russos. O corpo foi encontrado sábado passado, na sua vila natal, Ruse, a norte da capital, Sófia.

Jan Kuciak era jornalista na Eslováquia e vivia perto da capital, Bratislava. Foi encontrado morto em casa, a 21 de Fevereiro deste ano, e o corpo estava estendido ao lado do cadáver da companheira. Ambos abatidos a tiro.

Jan Kuciak estava a trabalhar num artigo sobre ligações perigosas entre as máfias locais e políticos da capital, ligações essas que poderiam implicar elementos do próprio governo. Não chegou a acabar o texto. A generalidade das biografias dizem que o trabalho de Jan costumava "incomodar o poder político".

Há um ano, em Outubro de 2017, Daphne Caruana Galizia foi assassinada à bomba quando entrava no seu carro, à porta de casa, na cidade maltesa de Bidnija, a 15 minutos da capital, La Valetta. Daphne tinha a reputação de denunciar negócios menos sérios das elites locais.

O jornalismo livre é uma condição essencial da democracia, e um dos princípios fundamentais da civilização ocidental. A sequência de assassinatos no território da União Europeia é preocupante, e exige investigações policiais escrupulosas para identificar os responsáveis. Quando o magno valor da vida é violado, tudo o mais se apaga e torna irrelevante. Aqui fica a homenagem aos três.

ADEUS PRÓS & COTNRAS

É sempre um fracasso quando um canal acaba com um programa. Tal sentimento é ainda mais profundo quando se trata de um formato com mais de uma década. A RTP desistir do Prós & Contras revela que a empresa é incapaz de renovar seja o que for, e põe a nu a degradação simbólica da televisão do Estado.

A RTP3 RESISTE

A tragédia dos fogos voltou a rondar o País. Na noite de sábado para domingo, as chamas atacaram o parque de Sintra/Cascais. Uma nota sobre a RTP3: mesmo sem estúdio, que fechou à hora do costume, repórteres como Lavínia Leal aguentaram a emissão, sozinhos no terreno, até tarde na noite. Prova de que o canal é um fracasso, mas não por culpa da redacção.

LEVANTA-TE E RI

Depois da experiência, e sobretudo do resultado da emissão especial do passado domingo, vai ser difícil à SIC não recuperar rapidamente o formato de stand up comedy para a sua grelha semanal. O Levanta-te e Ri foi uma bandeira da direcção de Programas de Manuel Fonseca que caiu em desgraça quando, de alguma forma, se esgotou o humor. O excesso de exposição de um programa assim dificulta a manutenção da qualidade mínima, porque nem sempre há a mesma inspiração. Mas as temporadas mais curtas podem aprimorar o formato. Vêm aí três meses de Levanta-te?

MANUELA CONTRA MIGUEL

Os jornais da SIC e da TVI vão passar as próximas semanas com este duelo de comentadores, à segunda-feira. Se o ADN da SIC pode alterar-se com este reforço, como já aqui analisámos, no caso da TVI os efeitos serão mais gravosos, porque Sousa Tavares vai ter capacidade editorial. Isso vai transportar o noticiário para uma dimensão mais intemporal. Na estreia, Manuela andou à frente da TVI. Entrada de leão!

Mais notícias de Pessoas Como Nós

A desordem natural

A desordem natural

Há uma nova ordem natural das coisas, ou talvez devesse chamar-lhe desordem.
'Alguém Perdeu'

'Alguém Perdeu'

A história escrita pelo argumentista António Barreira já começou a ganhar vida e promete surpreender na forma e no conteúdo. O arranque oficial das gravações da trama que vai apaixonar os portugueses aconteceu há poucos dias e não podia ter melhor combustível do que o entusiasmo do elenco.
As vítimas e a lei

As vítimas e a lei

A Assembleia da República, com carácter excepcional, devia aceitar legislar no sentido de escutas, gravações de voz, gravações de imagem fossem consideradas legítimas para provar uma naipe de crimes que vão do assédio, à violência doméstica, passando pelos crimes sexuais.
O Amor é...

O Amor é...

...aquilo que não tem fórmula e a mais infalível de todas as fórmulas.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!