Margarida Rebelo Pinto
Margarida Rebelo Pinto Pessoas Como Nós

Notícia

Margarida Rebelo Pinto: Bules e sonhos partidos

Chamo-lhe Mr. Cat porque é silencioso, introvertido e saboreia a solidão como um chá quente. A conversa está ótima, voltei a Milão para me despedir da equipa italiana.
03 de fevereiro de 2017 às 01:13
...
Margarida Rebelo Pinto: Bules e sonhos partidos

Ele chegou atrasado para o chá no número 10, Corso Como, pensei que já não vinha. O céu estava cinzento, está quase sempre em Milão, tão diferente das cidades do Sul de Itália. Milão não tem a graça de Roma, a magia de Veneza ou a beleza de Florença, não tem torres tortas nem a confusão de Nápoles, é a cidade da moda, do design, da vanguarda e do dinheiro. E talvez por ser a menos italiana das cidades da bota geográfica, é aquela onde os europeus do Norte se sentem mais em casa.

É um homem do mundo. Nasceu na Polónia, no tempo da União Soviética, cresceu em Moscovo numa casa partilhada, estudou no Michigan graças a uma bolsa, viveu em Nova Iorque, Londres, Munique e Amesterdão. O sangue eslavo corre-lhe nas veias através da mistura de todos os costados, com um fugaz cruzamento de cigano em algum momento que lhe deu o cabelo farto e o nariz largo que contrastam com a testa alta e ligeiramente recuada.

É um gentleman europeu que veste camisa branca todos os dias, blazer de fazenda ao fim de semana e sapatos de camurça de atacadores. Nunca lhe perguntei a idade porque sei que o coração lhe pesa mais do que todo o que já viveu e tem a cabeça cheia de quem pensa muito e não sabe desligar. Milão é agora a sua segunda casa, vive na cidade há 3 anos e tem um apartamento maravilhoso, recheado de livros de arte, revistas de arquitetura e candeeiros vintage.

Chamo-lhe Mr. Cat porque é silencioso, introvertido e saboreia a solidão como um chá quente. Quis o destino que nos cruzássemos numa reunião de trabalho, eu represento uma marca internacional de cosméticos, ele foi o realizador escolhido pela agência de publicidade para realizar o filme do novo creme anti-rugas, anti-idade, anti tudo aquilo que as mulheres acreditam que podem suavizar para parecerem mais novas. Foi há um ano e desde então a nossa amizade tem sido alimentada por mensagens, fotografias e longas conversas de Skype.

Milão está cheio de mulheres bonitas, parece um catálogo vivo de uma agência de modelos, na rua, nos cafés, a andar de bicicleta, nas lojas, nas estações de metro e nas paragens de autocarro. Um desfile permanente e estonteante que deixa os seres humanos mais sensíveis à beleza física com uma sensação de exaltação.

Mas depois uma pessoa habitua-se, deixas de as ver, tudo se torna normal, quase transparente, até falarem contigo e perceberes que têm de facto alguma coisa pra te dizer. A beleza de uma mulher está na sua inteligência, generosidade e integridade, na capacidade tão feminina de se dar e de se entregar. É esse tipo de mulher que gostava de encontrar, mesmo que não tenha as medidas standar das manequins da moda.

A conversa está ótima, voltei a Milão para me despedir da equipa italiana, a concorrência fez-me uma oferta irrecusável, ele convidou-me para ficar para o fim de semana. Sabe que gosto de antiguidades e quer levar-me ao Mercatone del Naviglio Grande, junto ao canais. Ele sabe que faço coleção de bules de chá, é uma mania que me vem da minha avó Lucília que enviuvou muito cedo e nunca mais voltou a casar.

- Um coração partido é como um bule de chá rachado, nada permanece lá dentro – dizia-me sempre que me servia chá inglês na mesa da sainha de estar com a braseira da caminha ligada – Não deixes que te partam o coração querida, senão podes demorar muito tempo a recuperar.

Conto a conversa da minha avó ao Sergei, que tem o olhar triste de um coração amolgado há muito tempo. A mulher desistiu do casamento e foi viver para outro país. Não sei se foi há dois ou cinco anos, ele nunca fala em datas porque sabe que o tempo não conta para nada quando o amor nos dá cabo da cabeça, e depois do coração e depois da vida.

- Eu gostava que não fosses um bule partido – diz-me com um sorriso terno.

- E eu gostava que tu também não fosses, mas parece-me que de dois bules danificados não se faz um bule inteiro.

Agarra-me a mão e um calor suave invade-me a carne até ao ombro, depois espalha-se pelo peito e sobe-me à cara. Gostava mesmo de tentar ser feliz com este homem, mas nem vou tentar. Não posso partir mais nenhum bule da minha coleção. O meu coração não ia aguentar. 

Mais notícias de O Tal Canal

Os murros de José Alberto Carvalho

Os murros de José Alberto Carvalho

Morreu-lhe uma tia, de 93 anos, e não pôde despedir-se dela. Era a sua segunda mãe. O jornalista da TVI partilhou os seus sentimentos em direto, no Jornal das 8, e deu-nos uma lição. A chorar por dentro, mas de pé. Como as árvores.
Venceremos!

Venceremos!

A TVI copiou a ‘Terra Brava’? E a SIC copiou quem? O que interessa é que ‘Quer o Destino’ é uma boa novela. Quando o balão de Bárbara Guimarães começa a esvaziar e Cristina Ferreira se fechou em casa, Jorge Gabriel ou Tânia Ribas de Oliveira assumem uma missão. Parabéns!
Vou ali e já venho

Vou ali e já venho

Tenho 44 anos e herdei um andar no Dafundo, perto da estação. Era a casa dos meus avós, como sou filha única e neta única do lado da minha mãe, ela ofereceu-mo quando me licenciei. Agora estou fechada em casa como o resto do mundo e dou aulas aos meus alunos pelo computador.
Cláudio Ramos arrasa SIC

Cláudio Ramos arrasa SIC

Depois de dizer que tem “a certeza” de que um dos melhores momentos da vida de Cristina Ferreira foi trabalhar consigo, o apresentador revelou que não foi valorizado na estação de Paço de Arcos. A guerra começou.

Comentários

Comentários
este é o seu espaço para poder comentar as nossas notícias!
;